#APSForte no SUS – Experiências do SUS no combate à Covid-19 são homenageadas pela Opas e Ministério da Saúde

Profissionais da saúde que atuam no primeiro nível de atenção do Sistema Único de Saúde (SUS), a Atenção Primária à Saúde, foram homenageados pela Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil e pelo Ministério da Saúde por inovarem no combate à Covid-19. A cerimônia ocorreu nesta sexta-feira (16/07), de forma virtual, e reuniu 19 autores das experiências de excelência selecionadas pela iniciativa APSForte no SUS, no combate à pandemia de Covid-19. Ao todo, foram inscritas 1.731 experiências, destas 1.471 foram aprovadas e 261 também receberam menção honrosa pelas atividades executadas (confira aqui).

Para Socorro Gross, representante da Opas no Brasil, os trabalhos reconhecidos servem de referência para outros municípios e são verdadeiramente um laboratório de inovação. “A saúde se constrói desde a comunidade. Por isso, vencer obstáculos, demonstrar inovação e manter a linha de cuidado e atendimento da atenção primária são muito importantes para um país tão grande como o Brasil”, ressaltou. Por vídeo, o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, enfatizou o esforço e o trabalho de cada uma das experiências que participaram da APSForte. “O reconhecimento desse trabalho é valoroso para cada profissional que lutou na ponta, para os pacientes e para a sociedade como um todo. O SUS é patrimônio de todos os brasileiros”, defendeu Queiroga.

“Os trabalhos desenvolvidos nos municípios brasileiros nos deram muito orgulho em trabalhar pela atenção primária no País”, ressaltou Raphael Parente, Secretário de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde. Para Rodrigo Lacerda, representante do Conasems, estas iniciativas demonstram a capilaridade e a capacidade do sistema único de saúde para todos os brasileiros. O diretor de Sistemas e Serviços de Saúde da OPAS/OMS, James Fitzgerald, ressaltou a importância da APS no enfrentamento da pandemia.  “A pandemia requer ações rápidas para sua mitigação. As experiências da APS Forte representam importantes experiências nesse sentido”, enfatizou.

Experiências de excelência

As 19 experiências de excelência estão divididas em cinco categorias temáticas, apenas para ilustrar um percurso em todas as ações que profissionais e gestores da APS de todo o Brasil realizam visando uma APS Forte, são elas:

Categoria Gestão e a organização dos serviços de APS para o cuidado e resposta à Covid-19

Experiência Xô Covid: Atenção Primária à Saúde no Enfrentamento da Covid-19”  desenvolvida em Arapiraca, Alagoas, inscrita pela coordenadora municipal de enfermagem LOUSANNY CAIRES ROCHA MELO. A experiência contou a reorganização do processo de trabalho da atenção primária no enfrentamento da COVID-19. O município de Arapiraca elaborou fluxos de atendimento clínico para Covid-19, incluindo a oxigenoterapia nas Unidades Básicas de Saúde. Também readequou do processo de trabalho da equipe multiprofissional, reestruturou a carteira de serviços e implementou medidas de segurança ao usuário e ao profissional de saúde.

– Experiência: “Resolutividade do Serviço de Teleatendimento no Sistema Único de Saúde em Lucas do Rio Verde em Mato Grosso”, inscrita pela médica FERNANDA VENTURA. Há mais de um ano em funcionamento, o serviço de teleatendimento da APS em Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, realizou mais de 6 mil atendimentos melhorando a resolutividade da Atenção Primária à Saúde. O serviço conta com a parceria dos residentes em Medicina de Família e Comunidade da SMS, fortalecendo a integração ensino-serviço-comunidade.

– Experiência: COVID-19: Responsabilidade de Todos, desenvolvida em Anísio de Abreu, no Piauí, inscrita pelo fisioterapeuta ERASMO FERREIRA SOARES. A busca ativa de casos suspeitos de COVID-19 no município de Anísio de Abreu-PI, que possui menos de 10 mil habitantes, assim como a testagem rápida e o isolamento domiciliar estão entre as estratégias utilizadas pela APS na resposta à pandemia. Ações de educação em saúde protagonizadas pelos profissionais permitiram o fortalecimento de vínculos e saberes com a comunidade otimizando a promoção da saúde.

– Experiência – Disk Coronavírus: serviço de teleatendimento e orientação da população em Canaã dos Carajás, Pará, inscrita pela fisioterapeuta Wellina Cunha. Em Canaã dos Carajás/PA a Atenção Primária à Saúde passou por reestruturação para prestar melhor assistência na pandemia de COVID-19, por meio de atendimentos presenciais, teleatendimento, monitoramento clínico a distância, testagem dos usuários suspeitos e esclarecimentos à população. A experiência destaca a criação de uma central de notificação e informações para os usuários – o Disk Coronavírus – criado a partir da realocação de profissionais de saúde da rede municipal desde o início da pandemia.

– Procedimento Operacional Padrão (POP) para as Instituições de Longa Permanência de Idosos relacionado à COVID-19, em Porto Alegre (RS), inscrito pela enfermeira PAULA MARTINA. O monitoramento das Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs) para os casos suspeitos da COVID-19 em Porto Alegre é prioridade para a gestão da Atenção Primária à Saúde. Para padronizar este trabalho, a diretoria-geral da APS da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre (RS) colocou em prática o Procedimento Operacional Padrão (POP) para as ILPIs relacionadas à Covid-19. A secretaria envolveu as 141 Unidades Básicas de Saúde da capital que monitoram os estabelecimentos voltados para idosos.

Categoria Continuidade dos Serviço Essenciais da APS

Experiência Cobertura Vacinal de Rotina em Tempos de Covid-19 na Zona Rural de Teresina/PI, inscrita pela enfermeira Livia Maria Mello Vianna. Desenvolvida por uma Equipe de Saúde da Família de UBS localizada na zona rural de Teresina Piauí, a experiência incentivou a vacinação de rotina, um serviço de saúde essencial, durante a pandemia de COVID-19. A manutenção das coberturas vacinais preconizadas pelo Programa Nacional de Imunização deve estar entre as prioridades das autoridades de saúde pública.

– Experiência – Plano de Monitoramento Intensivo da População Idosa e Portadores de Doenças Crônicas na APS referente à COVID-19 – Acre, inscrita pelo biólogo LUIZ CARLOS MARINHO. O plano de Monitoramento Intensivo da População Idosa e Portadores de Doenças Crônicas na APS foi implantado em diversos municípios do Estado, com apoio dos gestores locais, visando reduzir a transmissão e o agravamento dos casos de COVID19. Com o apoio dos agentes comunitários e de endemias dos municípios participantes, foram realizados monitoramento presencial e remoto com acompanhamento diário de grupos prioritários identificados pelas Equipes de Saúde da Família.

– Experiência Saúde Bucal e Covid-19: ações realizadas pela APS na Zona Sul de São Paulo/SP, inscrita por LEANDRO LOSCHIAVO. Na cidade de São Paulo, especialmente, nas Unidades Básicas da Zona Sul gerenciadas pela em parceria como a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, o trabalho das equipes de Saúde Bucal foi reorganizado como medida para minimizar o risco de contágio de COVID19 nos serviços e promover a continuidade dos serviços da APS. Parte dos profissionais das saúde foi deslocada para as urgências odontológicas em regime de rodízio e a maioria dos colaboradores apoiou as demais ações de enfrentamento da pandemia nas UBS, como o acolhimento de usuários e monitoramento dos casos de COVID-19.

– Experiência Acompanhamento de Usuários com condições Crônicas na APS de Belo Horizonte durante a pandemia de Covid-19 COVID-19, da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, inscrita pela médica Juliana Dias, representada na cerimônia pelo médico Alberto Kazuo Fuzikawa. Para ofertar o cuidado aos usuários com doenças crônicas em Belo Horizonte durante a pandemia, a gestão municipal identificou e acompanhou usuários com condições crônicas mais complexas na APS. Listas de usuários com alto risco cardiovascular foram entregues para as Equipes de Saúde realizarem o monitoramento. Também foram instituídos fluxos para atendimentos presenciais e por telemedicina. A auditoria clínica do prontuário foi uma ferramenta inovadora utilizada para avaliar o usuário, levando em conta outros atendimentos realizados na rede de saúde.

– Experiência Estratégia de Saúde Mental e Atenção Psicossocial em Rede, no contexto do COVID-19, PSICUIDADOS, desenvolvida em Goiás Velho/GO, inscrita pelo sanitarista Marcelo Pedra. No município de Goiás Velho com 23 mil habitantes, os psicólogos vinculados ao SUS organizaram novos serviços de Saúde Mental para apoiar trabalhadores da saúde e usuários da rede de saúde. A experiência PSICUIDADOS, ocorre por meio de consultas online e foi construída com o apoio do Núcleo de Estudos sobre Saúde Mental na APS e Populações Vulneráveis da Fiocruz Brasília.

CategoriaPrevenção e Utilização de ferramentas de Comunicação na APS

Experiência A importância da Comunicação comunitária no combate à Covid-19 em Sorocaba/SP, inscrita pelo jornalista MARCELO DE ALMEIDA JUNIOR. A Secretaria de Saúde de Sorocaba intensificou a comunicação comunitária para mobilizar a os cidadãos na resposta à COVID19. Além de produzir informações para a imprensa, a comunicação do município identificou líderes comunitários para combater fakenews e promover a prevenção da COVID19. A secretaria de Sorocaba criou também o Covidômetro para informar o número de casos no bairro e contou com apoio de outros setores do governo local, como a Secretaria de Cidadania, nas ações de prevenção.

Experiência: Uma rádio via WhatsApp: programa “Fica em Casa” fortalecendo a APS na pandemia do coronavírus, desenvolvida em Porto Alegre/RS, inscrita pela médica Mayara Floss. Em Porto Alegre – RS, os profissionais da unidade de saúde Costa e Silva, no bairro Rubem Berta, usaram a criatividade para reorganizar o espaço de cuidado, mantendo o vínculo com os pacientes, mesmo a distância. A equipe adaptou os consultórios, montando estúdios improvisados, e criou um programa de rádio para a comunidade – o programa Fica em Casa, que é produzido e gravado pelos profissionais de saúde e transmitido via aplicativos de celular para os usuários.

Categoria Vigilância em Saúde e Monitoramento dos Usuários

– Experiência – Busca Ativa de Sintomáticos Respiratórios: identificação precoce de pacientes suspeitos de COVID19 em Sobral/CE, inscrita pelo enfermeiro CARLOS ROMUALDO DE CARVALHO E ARAUJO. A busca ativa de sintomáticos respiratórios é uma estratégia para a detecção de casos de COVID e etapa importante no processo de vigilância. Com o apoio de Agentes Comunitários de Saúde (ACS), o Centro de Saúde da Família Grijalba Mendes Carneiro, no município de Sobral/CE, identifica os pacientes antes deles agravarem o quadro clínico em casa. A equipe de monitoramento do CSF Coelce, realiza o monitoramento clínico de forma presencial ou remoto, dependendo do paciente.

– Experiência Ações de Contenção da Disseminação do Coronavírus em uma parceria Saúde-Ensino-Comunidade, desenvolvida em São Caetano do Sul, município de São Paulo, inscrita pela secretária municipal REGINA MAURA. O sistema de saúde de São Caetano do Sul investiu em vigilância, comunicação e contou com a parceria do curso de graduação em Medicina, da Universidade de São Caetano do Sul e do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (USP). A Secretaria criou um serviço de inteligência epidemiológica que usa um website – Disque Coronavírus ou Plataforma São Caetano do Sul – em que o cidadão preenche um formulário online, caso apresente sintomas suspeitos de COVID-19.

– Interface APS e Vigilância em Saúde, Municípios e Unidades Prisionais no Contexto da Pandemia Covid-19, em Minas Gerais, Regional de Saúde de Sete Lagoas, inscrita pela enfermeira SIONE SILVA. Em um cenário de pandemia de uma doença de transmissão respiratória, como a COVID-19, os ambientes restritos, como as unidades prisionais, constituem locais propícios para a disseminação da doença. A Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Sete Lagoas em parceria com os municípios de Corinto e Curvelo colocou em prática o monitoramento de casos suspeitos de COVID-19 no presídio das cidades, para prevenir casos graves e integrar as ações de vigilância com a APS.

Categoria “AÇÕES VOLTADAS PARA PROTEÇÃO DE GRUPOS VULNERABILIZADOS

– Experiência (Sobre)Viver Em Situação de Rua em Tempos de Pandemia, Maceió/AL, inscrita pela apoiadora técnica do programa Consultorio na Rua, inscrita por FLAVIANE BELO. Para as equipes dos Consultórios na Rua de Maceió – AL, não foi apenas a forma de se vestir que mudou com a pandemia. Além de utilizar Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para atender os usuários, os profissionais reorganizaram a estratégia de atuação. A experiência da Secretaria Municipal de Saúde de Maceió retrata como é (sobre)viver em situação de rua em tempos de pandemia. O plano de ação, focado no enfrentamento à pandemia, envolveu desde o uso de garrafas pets com água no carro, para lavar as mãos dos usuários, até a busca de doações de material de higiene para as pessoas em condições de vulnerabilidade social.

– Experiência Vinculação, Cuidados em Saúde e Promoção da Cidadania a Travestis e Transexuais na Atenção Básica de Jaboatão dos Guararapes/PE, inscrita por ZELMA PESSOA. A Unidade Saúde da Família Praia do Sol em Jaboatão dos Guararapes/PE garantiu ao grupo LGBTQIA+ acesso a políticas de proteção social durante a pandemia de COVID19. O WhatsApp foi a ferramenta utilizada para manter o diálogo e realizar o acompanhamento do grupo de travestis e transexuais pelos profissionais de saúde, que garantiram acesso à testagem, a equipamentos de proteção individual como máscara, álcool em gel, renovação de receitas, continuidade dos tratamentos de saúde e, sobretudo, levaram informações sobre a doença e orientações de outros programas sociais, como de auxílio financeiro emergencial. A Unidade Saúde da Família Praia do Sol é referência para o grupo LGBTI+ e foi a primeira a ofertar o uso e administração de hormônios para travestis e transexuais, destacando-se como experiência modelo para a rede de saúde do município.

– Experiência: Atenção Primária à Saúde, onde vidas vulneráveis importam: estratégias do cuidado e enfrentamento à COVID19 – Rio de Janeiro/RJ, inscrita pelo médico de Família e Comunidade RAFAEL CANGEMI REIS. Realizada na Clínica da Família Sérgio Vieira de Mello, no bairro Catumbi, no Rio de Janeiro, a experiência desenvolve ações intersetoriais para proteger as pessoas mais vulneráveis do território. O monitoramento de casos, via teleatendimento, também está na rotina dos profissionais de saúde. Com a ajuda dos agentes comunitários de saúde, o serviço conseguiu identificar mulheres em situação de violência e criaram um canal de comunicação via aplicativo de celular, para elaborar estratégias de abrigamento.

– Experiência A Epidemia da Empatia na APS: experiência de UBS em São Paulo/SP, inscrita pela enfermeira MICHELI DE PAULA GOMES. Para abrandar o sofrimento da população composta por imigrantes, profissionais autônomos e informais residentes na região da Casa Verde Alta, na cidade de São Paulo/SP, a Unidade Básica de Saúde CVA mobilizou profissionais e comunidade em uma ação solidária de doação de alimentos aos mais afetados pela pandemia de COVID-19. Além do acolhimento na UBS, com foco em escuta qualificada e orientações quanto aos cuidados com a higiene, etiqueta respiratória e isolamento social, a campanha arrecadou alimentos não perecíveis e produtos de higiene, fortalecendo o vínculo com o usuário.

 

Por Vanessa Borges/Portal da Inovação na Gestão do SUS

Foto – Karina Zambrana

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Comentários