O Portal da Inovação na Gestão é uma ferramenta de gestão do conhecimento desenvolvida pela OPAS/OMS Brasil em parceria com Ministério da Saúde e conta com colaboradores como Conass, Conselho Nacional de Saúde e ANS.

É um espaço virtual dedicado aos gestores do SUS, trabalhadores da saúde e atores interessados nos conhecimentos produzidos e divulgados no Portal.

O objetivo é proporcionar conhecimentos organizados e sistematizados sobre os desafios dos serviços e sistemas de saúde, por meio de conteúdos inéditos que resultaram dos laboratórios de inovação, materiais técnicos produzidos pelos gestores locais, além de artigos, documentos, publicações, notícias e entrevistas organizados pela equipe técnica do Portal.

Merece destaque o espaço criado para os Laboratórios de Inovação, uma estratégia que visa à produção de evidência sobre boa gestão, a partir de práticas inovadoras desenvolvidas pelos gestores do SUS, da saúde suplementar e de outros países.

Todos esses conhecimentos estão organizados de forma a fornecer elementos concretos aos gestores na sua tarefa cotidiana de construir suas próprias soluções e instrumentos gerenciais.

Por que Inovação na Gestão?

Para o gestor a inovação é uma função fundamental e ele precisa de competências para poder administrar o processo de mudança da melhor forma possível visando conter os custos, os tempos, minimizar os riscos e maximizar o impacto.

Inovação aqui é entendida como a intencional introdução e aplicação num grupo ou organização de idéias, processos, produtos ou procedimentos novos para a unidade que os adota, destinada a produzir benefícios significativos para indivíduos, grupos ou à comunidade em geral” (West, 1990 apud Omachonu, 2010, p.3. Tradução do Portal).

Comunidade de Prática dos Gestores

Este Portal tem a pretensão de se tornar uma das principais referências de gestores, profissionais, dirigentes e quadros técnicos do SUS e da saúde suplementar. Aqui desejamos proporcionar os principais serviços informativos e de gestão de conhecimento necessários ao desenvolvimento de uma Comunidade de Prática entre gestores, numa lógica de aprendizagem onde se aprende “um do outro e junto com os outros”, num ambiente colaborativo, de socialização de saberes, experiências, conhecimentos.

Os Laboratórios de Inovação como estratégia de cooperação da OPAS

O Laboratório de Inovação em Saúde (LIS) é uma ferramenta de gestão do conhecimento com sensibilidade para transformar o conhecimento tácito, fruto da vivência e da expertise dos trabalhadores e profissionais da saúde, em explícito, com vistas a potencializá-lo através da visibilidade de experiências inovadoras e exitosas perante gestores, trabalhadores, pesquisadores, políticos, representantes da sociedade civil e outros atores envolvidos no tema.

A partir do entendimento de que a finalidade da Gestão do Conhecimento é a busca por melhorias de desempenho das instituições9, considera-se que o conhecimento e suas aplicações são essenciais para o desenvolvimento das sociedades, das organizações e dos indivíduos. A possibilidade de aplicação do conhecimento é propulsora de processos de produtividade e de inovação.

Neste sentido, o insumo que o Laboratório de Inovação propõe observar, sistematizar e compartilhar é o conhecimento de profissionais e trabalhadores da saúde, além de práticas de boa gestão que agreguem valor aos serviços de saúde e que respondam de forma satisfatória aos problemas enfrentados por gestores da saúde quotidianamente.

A estratégia central do Laboratório é gerar conhecimentos a partir da análise das práticas inovadoras e exitosas de gestão da atenção à saúde. Esta operação possibilita que os conhecimentos sejam sistematizados e compartilhados, favorecendo a sustentabilidade das práticas inovadoras na instituição, despertando o sentimento coletivo de que a mudança é possível e inspirando iniciativas semelhantes em outros territórios para transformar realidades.

A estratégia dos Laboratórios foi desenvolvida pela Representação da Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil em 2008, para subsidiar as atividades de cooperação técnica, realizadas incialmente com o Ministério da Saúde.  Nestes 10 anos, a ferramenta foi adotada por diversos outros atores, como o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), o Conselho Nacional de Saúde (CNS) e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Até junho de 2018, foram identificadas, analisadas, sistematizadas, publicadas e divulgadas 164 experiências inovadoras.