Projeto jovem vencedor (UBS Jardim Sofia)

UNIDADE de SAÚDE da FAMÌLIA JARDIM SOFIA – EXPERIÊNCIA em SAÚDE da FAMÍLIA: PROJETO JOVEM VENCEDOR

Célia Riqueta Dienfenbach, enfermeira; Franciele de Lurdes Colatusso, odontóloga; Arminda Custódia Marcos Alves, agente comunitário; Raquel Costa e Silva de Anhaia, agente comunitário; Laura Gomes, técnico em higiene bucal; Fábio Fernandes da Rosa, médico; Maria Alzira Lopes dos Santos, auxiliar de enfermagem.

O projeto visa possibilitar um espaço social aos adolescentes de 10 à 19 anos, priorizando o acesso ao esporte, à saúde, ao lazer, à profissionalização, à cultura, ao respeito, à convivência comunitária e ao envolvimento familiar, criando abertura para ações conjuntas na promoção à saúde, formando, através dessa proposta, um núcleo básico de abordagem. As temáticas escolhidas foram sendo desenvolvidas ano a ano:
-em 2010 as ações se voltaram para a prevenção de drogas, cuidados em saúde bucal e prevenção aos ruídos, incentivo às atividades esportivas, de dança e culturais;

– em 2011 foram realizadas ações que priorizaram a cidadania, a profissionalização e a cultura (música), sendo esta etapa denominada “Juventude e Cidadania”;

-em 2012 trabalhou-se com o tema saúde integral, proteção social e a cultura da paz. Houve também inserção do Curso de Inglês. Esta etapa voltou-se para as ações interdisciplinares e para a aproximação da equipe de saúde da família com as atividades da escola, através do intercâmbio com o Programa Saúde na Escola (PSE). No dia Nacional do Adolescente, realizou-se uma ação cooperativa, multidisciplinar, coordenada pela atenção primária à saúde;

-em 2013, realizamos uma pesquisa sobre avaliação e diagnóstico nutricional (Projeto Alimentação Saudável) com os adolescentes dentro do eixo esporte.

Conforme o diagnóstico social da criança e do adolescente de Joinville em 2010, o bairro Jardim Sofia, território de abrangência da ESF Jardim Sofia apresentava:
– 2,9% de medidas protetoras aplicadas (classificadas como péssimo);
– 2,44% de violência física e psicológica (classificadas como regular)
Acrescente-se ainda, conforme diagnóstico da equipe de saúde, a importante vulnerabilidade a que os jovens estavam expostos em relação ao sexo inseguro, drogas, alimentação não saudável e violência.

Frente a essa situação de risco, foram considerados objetivos do projeto:

– envolver e fortalecer vínculos com a família dos adolescentes;

– buscar ações que promovessem a saúde de forma inter e intrasetorial, com parcerias elencadas dentro de um contexto biopsicossocial, conforme o conceito de saúde atual;

– acompanhar os adolescentes do projeto em todos os setores de saúde da atenção básica (médico, odontológico e de enfermagem), assegurando o cuidado através da Caderneta de Saúde do Adolescente;

– envolver as academias nas pesquisas e trabalhos curriculares com os adolescentes;

– fomentar a participação do adolescente como agente transformador na busca de melhores perspectivas de vida;

– tornar oportunas atividades no tempo livre com hábitos saudáveis e estímulos positivos, voltados à cultura da paz.

Para que as metas fossem atingidas, instituições e setores foram envolvidos, num exemplo real de intersetorialidade atuante, podendo ser citados:
– INFRAERO
– CIEE (Centro de Integração Empresa- Escola)
– Faculdades: IELUSC (Instituto Educacional Luterano – cursos de Enfermagem e Nutrição) e UNIVILLE (curso de Odontologia);
– Prefeitura Municipal de Joinville: Fundação de Esporte e Lazer de Joinville (FELEJ), Fundação Cultural: Casa da Cultura; Secretaria de Saúde: Núcleo de Apoio Técnico (NAT), Especialidades (PAM Boa Vista); Vigilância Epidemiológica: Núcleo de Proteção a Violência e Acidentes (NPVA); Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST), DST e Saúde Mental: CAPS AD (Centro de Atenção Psicossocial álcool e drogas);
– Secretaria de Assistência Social (Geração e Renda);
– Ministério Público (Promotoria da Infância e da Juventude);
– Igrejas: Católica (Cristo Bom Pastor e Nossa Senhora de Fátima) e Assembleia de Deus;
– Empresas Locais
– Conselho Local de Saúde Jardim Sofia.

Destacaram-se entre as técnicas, ferramentas, métodos ou processos de trabalho utilizados:
– O processo que envolveu um diagnóstico com dados oficiais do município e um planejamento da equipe de Saúde da Família para ser desenvolvido a longo prazo.
– A estratégia de elaborar um projeto para quatro anos (2010, 2011, 2012 e 2013) e trabalhar temas previamente escolhidos dentro do contexto proposto, desenvolvendo de forma contínua as atividades concretizadas durante os eventos anuais, o que se mostrou ser um facilitador e aproximou a equipe de saúde de todos os setores e da comunidade em geral.

-As propostas de corresponsabilidade, envolvendo a família, a comunidade, as lideranças, as escolas e as igrejas para a importância da promoção à saúde do adolescente; de intersetorialidade, que permite o acesso à saúde integral e se tornou um dos métodos mais eficazes para a equipe ter tido motivação e consolidar um trabalho contínuo voltado à saúde do adolescente; de discussão dos problemas levantados em nossos indicadores e em pesquisas sobre adolescentes da comunidade.
– O entendimento pela equipe de saúde em relação ao modo de produzir saúde foi considerado um dos componentes mais importantes para a mudança do processo de trabalho.

O projeto relata facilidades e dificuldades em sua realização a saber:

– facilidades: equipe comprometida; parceria das empresas locais; parceria dos diversos setores da Prefeitura Municipal; criação da comissão de pais; parceria do Conselho Local de Saúde e apoio de lideranças; realização de pesquisas acadêmicas; divulgação na mídia;

– dificuldades: perdas (aulas de inglês e do Taekwondo) na construção da continuidade do projeto durante troca de gestão, necessitando resgatar ações já efetivadas do projeto; a Escola Estadual Senador Rodrigo Lobo, da área de abrangência, não pactuou a continuidade do trabalho (Programa Saúde na Escola) desde o ano de 2013; menor número de áreas com cobertura de agentes comunitários, o que dificultou o acompanhamento dos adolescentes.

A proposta mostrou-se efetiva, em curto prazo, em relação ao indicador de violência, baixando-se em 90% as infrações envolvendo adolescentes na comunidade. Durante todo esse período, os resultados obtidos foram consequência de uma estratégia de trabalho planejado, que pode ser utilizada como ferramenta a longo prazo na atuação em saúde do adolescente.

RESULTADOS

Como resultados do projeto podem ser citados:

-50% da população adolescente já foram atingidos pelo projeto; PODE-SE DIZER O NÚMERO??

-houve diminuição de 90% em 2012, dos casos de infração cometidos por adolescentes desse bairro, conforme informação do Conselho Tutelar do Município de Joinville;

– 90 adolescentes foram formados em cursos profissionalizantes e encaminhados primeiro emprego;

– saliente-se que foram formados 175 adolescentes em cursos profissionalizantes (parceria Infraero/CIEE) e encaminhados ao primeiro emprego pelo CIEE;

OBS- ESTÁ REPETIDA A INFORMAÇÃO??

– 140 adolescentes participantes do Taekwondo, subdivididos em cinco grupos receberam toda estrutura de proteção para esse esporte. Tivemos a oportunidade de ver a real participação da comunidade: espaço para aulas de Taekwondo pertence a igreja e é frequentado por pastoras evangélicas, que participam inclusive com realização das merendas;

– houve ainda um aumento na procura de adolescentes na Unidade Básica de Saúde da Família, reforçando a questão do vínculo que foi consolidado.

Cabe ainda destacar como desdobramentos do projeto:

-participação e envolvimento dos pais (criação da Comissão de Pais) e das lideranças em cada fase do projeto e nas ações programadas;

-acompanhamento (pela equipe, pela escola, pelos instrutores) aos adolescentes em risco e seus familiares no enfrentamento de problemas;

-resposta de toda rede inter e intra-institucional de cuidado e proteção social ao jovem;

-entrega de equipamentos de proteção para todos os alunos do esporte; participação em eventos esportivos, campeonatos regionais e mundiais, com conquistas de medalhas e troféus;
-motivação e empoderamento dos jovens.

A partir deste Projeto foi possível concluir que, mesmo com as dificuldades de não haver no sistema respostas às necessidades para uma atenção integral ao adolescente em situação de vulnerabilidade e risco social, é possível atuar na promoção à saúde e intervir de forma preventiva nas vulnerabilidades a que estão expostos os adolescentes.

INOVAÇÃO

Esses resultados exitosos do Projeto Jovem Vencedor se vincularam a medidas inovadoras, como a inserção do adolescente nas práticas de saúde e principalmente a atuação de gestores que oportunizaram a construção de políticas abrangentes voltadas para cidadania, cultura, lazer e esporte, dentro da proposta de promoção à saúde do jovem. Considerando que o desenvolvimento desta proposta foi realizado por uma Unidade Básica de Saúde e sua comunidade, imagina-se o que conseguiríamos se tivéssemos este trabalho replicado como meta de uma Gestão: seria muito mais simples e efetivamente estaríamos promovendo a saúde do adolescente, conforme apontam as diretrizes em todas as teorias estudadas.

Recommend to friends
  • gplus
  • pinterest