Projeto jovem vencedor (UBS Jardim Sofia)

jovem-vencedor1

UNIDADE de SAÚDE da FAMÌLIA JARDIM SOFIA – EXPERIÊNCIA em SAÚDE da FAMÍLIA: PROJETO JOVEM VENCEDOR

Célia Riqueta Dienfenbach, enfermeira; Franciele de Lurdes Colatusso, odontóloga; Arminda Custódia Marcos Alves, agente comunitário; Raquel Costa e Silva de Anhaia, agente comunitário; Laura Gomes, técnico em higiene bucal; Fábio Fernandes da Rosa, médico; Maria Alzira Lopes dos Santos, auxiliar de enfermagem.

O projeto visa possibilitar um espaço social aos adolescentes de 10 à 19 anos, priorizando o acesso ao esporte, à saúde, ao lazer, à profissionalização, à cultura, ao respeito, à convivência comunitária e ao envolvimento familiar, criando abertura para ações conjuntas na promoção à saúde, formando, através dessa proposta, um núcleo básico de abordagem. As temáticas escolhidas foram sendo desenvolvidas ano a ano:
-em 2010 as ações se voltaram para a prevenção de drogas, cuidados em saúde bucal e prevenção aos ruídos, incentivo às atividades esportivas, de dança e culturais;

– em 2011 foram realizadas ações que priorizaram a cidadania, a profissionalização e a cultura (música), sendo esta etapa denominada “Juventude e Cidadania”;

-em 2012 trabalhou-se com o tema saúde integral, proteção social e a cultura da paz. Houve também inserção do Curso de Inglês. Esta etapa voltou-se para as ações interdisciplinares e para a aproximação da equipe de saúde da família com as atividades da escola, através do intercâmbio com o Programa Saúde na Escola (PSE). No dia Nacional do Adolescente, realizou-se uma ação cooperativa, multidisciplinar, coordenada pela atenção primária à saúde;

-em 2013, realizamos uma pesquisa sobre avaliação e diagnóstico nutricional (Projeto Alimentação Saudável) com os adolescentes dentro do eixo esporte.

Conforme o diagnóstico social da criança e do adolescente de Joinville em 2010, o bairro Jardim Sofia, território de abrangência da ESF Jardim Sofia apresentava:
– 2,9% de medidas protetoras aplicadas (classificadas como péssimo);
– 2,44% de violência física e psicológica (classificadas como regular)
Acrescente-se ainda, conforme diagnóstico da equipe de saúde, a importante vulnerabilidade a que os jovens estavam expostos em relação ao sexo inseguro, drogas, alimentação não saudável e violência.

Frente a essa situação de risco, foram considerados objetivos do projeto:

– envolver e fortalecer vínculos com a família dos adolescentes;

– buscar ações que promovessem a saúde de forma inter e intrasetorial, com parcerias elencadas dentro de um contexto biopsicossocial, conforme o conceito de saúde atual;

– acompanhar os adolescentes do projeto em todos os setores de saúde da atenção básica (médico, odontológico e de enfermagem), assegurando o cuidado através da Caderneta de Saúde do Adolescente;

– envolver as academias nas pesquisas e trabalhos curriculares com os adolescentes;

– fomentar a participação do adolescente como agente transformador na busca de melhores perspectivas de vida;

– tornar oportunas atividades no tempo livre com hábitos saudáveis e estímulos positivos, voltados à cultura da paz.

Para que as metas fossem atingidas, instituições e setores foram envolvidos, num exemplo real de intersetorialidade atuante, podendo ser citados:
– INFRAERO
– CIEE (Centro de Integração Empresa- Escola)
– Faculdades: IELUSC (Instituto Educacional Luterano – cursos de Enfermagem e Nutrição) e UNIVILLE (curso de Odontologia);
– Prefeitura Municipal de Joinville: Fundação de Esporte e Lazer de Joinville (FELEJ), Fundação Cultural: Casa da Cultura; Secretaria de Saúde: Núcleo de Apoio Técnico (NAT), Especialidades (PAM Boa Vista); Vigilância Epidemiológica: Núcleo de Proteção a Violência e Acidentes (NPVA); Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST), DST e Saúde Mental: CAPS AD (Centro de Atenção Psicossocial álcool e drogas);
– Secretaria de Assistência Social (Geração e Renda);
– Ministério Público (Promotoria da Infância e da Juventude);
– Igrejas: Católica (Cristo Bom Pastor e Nossa Senhora de Fátima) e Assembleia de Deus;
– Empresas Locais
– Conselho Local de Saúde Jardim Sofia.

Destacaram-se entre as técnicas, ferramentas, métodos ou processos de trabalho utilizados:
– O processo que envolveu um diagnóstico com dados oficiais do município e um planejamento da equipe de Saúde da Família para ser desenvolvido a longo prazo.
– A estratégia de elaborar um projeto para quatro anos (2010, 2011, 2012 e 2013) e trabalhar temas previamente escolhidos dentro do contexto proposto, desenvolvendo de forma contínua as atividades concretizadas durante os eventos anuais, o que se mostrou ser um facilitador e aproximou a equipe de saúde de todos os setores e da comunidade em geral.

-As propostas de corresponsabilidade, envolvendo a família, a comunidade, as lideranças, as escolas e as igrejas para a importância da promoção à saúde do adolescente; de intersetorialidade, que permite o acesso à saúde integral e se tornou um dos métodos mais eficazes para a equipe ter tido motivação e consolidar um trabalho contínuo voltado à saúde do adolescente; de discussão dos problemas levantados em nossos indicadores e em pesquisas sobre adolescentes da comunidade.
– O entendimento pela equipe de saúde em relação ao modo de produzir saúde foi considerado um dos componentes mais importantes para a mudança do processo de trabalho.

O projeto relata facilidades e dificuldades em sua realização a saber:

– facilidades: equipe comprometida; parceria das empresas locais; parceria dos diversos setores da Prefeitura Municipal; criação da comissão de pais; parceria do Conselho Local de Saúde e apoio de lideranças; realização de pesquisas acadêmicas; divulgação na mídia;

– dificuldades: perdas (aulas de inglês e do Taekwondo) na construção da continuidade do projeto durante troca de gestão, necessitando resgatar ações já efetivadas do projeto; a Escola Estadual Senador Rodrigo Lobo, da área de abrangência, não pactuou a continuidade do trabalho (Programa Saúde na Escola) desde o ano de 2013; menor número de áreas com cobertura de agentes comunitários, o que dificultou o acompanhamento dos adolescentes.

A proposta mostrou-se efetiva, em curto prazo, em relação ao indicador de violência, baixando-se em 90% as infrações envolvendo adolescentes na comunidade. Durante todo esse período, os resultados obtidos foram consequência de uma estratégia de trabalho planejado, que pode ser utilizada como ferramenta a longo prazo na atuação em saúde do adolescente.

RESULTADOS

Como resultados do projeto podem ser citados:

-50% da população adolescente já foram atingidos pelo projeto; PODE-SE DIZER O NÚMERO??

-houve diminuição de 90% em 2012, dos casos de infração cometidos por adolescentes desse bairro, conforme informação do Conselho Tutelar do Município de Joinville;

– 90 adolescentes foram formados em cursos profissionalizantes e encaminhados primeiro emprego;

– saliente-se que foram formados 175 adolescentes em cursos profissionalizantes (parceria Infraero/CIEE) e encaminhados ao primeiro emprego pelo CIEE;

OBS- ESTÁ REPETIDA A INFORMAÇÃO??

– 140 adolescentes participantes do Taekwondo, subdivididos em cinco grupos receberam toda estrutura de proteção para esse esporte. Tivemos a oportunidade de ver a real participação da comunidade: espaço para aulas de Taekwondo pertence a igreja e é frequentado por pastoras evangélicas, que participam inclusive com realização das merendas;

– houve ainda um aumento na procura de adolescentes na Unidade Básica de Saúde da Família, reforçando a questão do vínculo que foi consolidado.

Cabe ainda destacar como desdobramentos do projeto:

-participação e envolvimento dos pais (criação da Comissão de Pais) e das lideranças em cada fase do projeto e nas ações programadas;

-acompanhamento (pela equipe, pela escola, pelos instrutores) aos adolescentes em risco e seus familiares no enfrentamento de problemas;

-resposta de toda rede inter e intra-institucional de cuidado e proteção social ao jovem;

-entrega de equipamentos de proteção para todos os alunos do esporte; participação em eventos esportivos, campeonatos regionais e mundiais, com conquistas de medalhas e troféus;
-motivação e empoderamento dos jovens.

A partir deste Projeto foi possível concluir que, mesmo com as dificuldades de não haver no sistema respostas às necessidades para uma atenção integral ao adolescente em situação de vulnerabilidade e risco social, é possível atuar na promoção à saúde e intervir de forma preventiva nas vulnerabilidades a que estão expostos os adolescentes.

INOVAÇÃO

Esses resultados exitosos do Projeto Jovem Vencedor se vincularam a medidas inovadoras, como a inserção do adolescente nas práticas de saúde e principalmente a atuação de gestores que oportunizaram a construção de políticas abrangentes voltadas para cidadania, cultura, lazer e esporte, dentro da proposta de promoção à saúde do jovem. Considerando que o desenvolvimento desta proposta foi realizado por uma Unidade Básica de Saúde e sua comunidade, imagina-se o que conseguiríamos se tivéssemos este trabalho replicado como meta de uma Gestão: seria muito mais simples e efetivamente estaríamos promovendo a saúde do adolescente, conforme apontam as diretrizes em todas as teorias estudadas.

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Comentários