APSREDES

Teresina recebe pesquisadores da ABRASCO para registrar experiências na atenção básica

reuniao-abrasco

Chegaram hoje (25) a Teresina os pesquisadores Luiz Augusto Facchini, Patty Fidelis e Lígia Giovanella, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO). A visita é uma etapa do Laboratório de Inovação em Atenção Primária à Saúde (APS Forte) da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) na capital, que tem como objetivo acompanhamento e a sistematização das transformações que estão ocorrendo na saúde da cidade, além de também dar visibilidade para práticas que respondam de forma inovadora para problemas comuns da saúde.

Os pesquisadores vieram fazer registros e recolher depoimentos das experiências exitosas em Atenção Básica desenvolvidas pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) na capital. Cada experiência é abordada de acordo com a especificidade do território, a partir do levantamento de informações sobre a organização da atenção primária, a situação de saúde da população e as metas da gestão voltadas para a melhoria da saúde municipal.

Teresina foi escolhida para o projeto graças a seu sistema de saúde de atenção básica sólida, com uma estrutura sedimentada e que atende toda a cidade. “É uma estrutura de 90 unidades de saúde com 100% de cobertura, além de 10 hospitais, quatro maternidades e três upas que atendem 862 mil pessoas, além de pacientes oriundos do interior do Estado”, explica o presidente da FMS Charles da Silveira, que recebeu a comitiva em seu gabinete hoje (25). “Com esta capilaridade que a atenção básica tem em Teresina, fazer com que ela funcione bem vai minorar a busca por atenção hospitalar, otimizando o serviço”, diz.

Luiz Alberto Facchini, coordenador da rede em pesquisa em atenção primária à saúde da ABRASCO, destacou os pontos que tornam nossa experiência um exemplo para outras cidades. “O município investiu na estratégia saúde da família como modelo único de universalização da atenção primária e além do investimento na qualificação das UBS e na construção, ambiência e equipamentos, também apostou na melhoria na oferta de serviços de qualidade pelas equipes de saúde. Também vemos a infraestrutura própria de laboratório e a regulação do acesso a outros níveis de atenção como nível especializado e hospitalar”, diz. “Esses aspectos tem feito com que Teresina possa servir de modelo para outros municípios interessados no fortalecimento da atenção primária no nosso país”, completa o pesquisador.

Além de Charles da Silveira, o ex-prefeito e ex-presidente da FMS, Sílvio Mendes, também foi entrevistado pela equipe. O gestor foi um dos responsáveis pela implantação da Estratégia Saúde da Família em Teresina, e contou para os representantes da ABRASCO a história da criação deste serviço e a toda a construção da estrutura de saúde em Teresina. “É uma estratégia que provou que dá certo e os indicadores mostram isso”, disse ele.
O trabalho continua hoje à tarde, quando a comitiva vai ouvir parte do público que constrói a atenção primária junto com os gestores: profissionais pioneiros na ESF em Teresina e representantes dos segmentos usuários, trabalhadores, prestadores e gestores de saúde que desbravaram o controle social em Teresina. A visita segue até sexta-feira (29).

 

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram