SUSDANCE PERUS – saúde e qualidade de vida aos jovens e professores de Perus

O SUSdance nasceu em junho de 2014 em Perus, perifeira da capital de São Paulo, após a solicitação da Secretaria Municipal de Saúde para a elaboração do Planejamento Estratégico Situacional junto ao conselho gestor e profissionais da saúde, no qual se apontou os maiores problemas observados de saúde da região de Perus e assim traçaram-se ações e estratégias para enfrentamento desses problemas. Em Perus, os maiores problemas levantados foram: a elevada incidência do uso de substâncias psicoativas pelos jovens, elevada incidência de transtornos mentais (depressão, ansiedade e suicídio), alto índice de gravidez na adolescência e o maior coeficiente de mortalidade infantil do município.


Diante dessa realidade, verificou-se a importância e a urgência de realizar um trabalho voltado para o público jovem que pouco acessava as Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Frente ao grande desafio de efetivar a participação e a adesão do jovem às ações de prevenção de agravos e de promoção de saúde, junto às unidades de saúde, surgiu a ideia de unir a saúde com a dança (SUS + DANCE). A dança foi escolhida como atividade atrativa ao jovem porque em Perus existem movimentos fortes dessa arte, especialmente o estilo break, com presença no território, inclusive, de um grupo adolescente famoso, composto por moradores do bairro e que, em 2014, concorreu ao campeonato mundial de batalhas de break na Alemanha.

A princípio a ideia foi iniciar aulas de dança de rua em cada unidade de saúde e aproveitar esses momentos para discussão dos temas e apresentação das palestras. No entanto, a ausência de recurso para contratação de um oficineiro ou de um professor de dança fez com que traçassemos outros planos. Decidimos realizar o trabalho dentro das escolas e, ao invés de oferecermos aulas de dança, promovemos um concurso de dança entre as escolas, dando a oportunidade dos alunos que já eram dançarinos ensinar outros alunos para a formação do seu grupo, estimulando a educação entre pares. Aqueles que quisessem aprender mais poderiam procurar as aulas gratuitas existentes no Centro Unificado Educacional (CEU), aos sábados.

Os temas das palestras do SUSdance são a promoção à saúde e a reflexão sobre aspectos pertinentes à cultura de paz e cidadania, usando uma linguagem simples e rotineira,  reforçando o que nos faz bem, aquilo que desejamos a nós e ao mundo, afirmando as virtudes e as potencialidades dos participantes.

O objetivo do SUSdance é promover e incentivar um novo estilo de vida aos jovens com qualidade e saúde a fim de melhorar os indicadores de saúde, tendo em vista um trabalho intersetorial das secretarias de saúde, educação, cultura e subprefeitura.

Com a ideia principal, partimos para as 8 ações que se tornaram o roteiro do SUSdance e que ocorrem a cada novo ciclo de evento:

 

  1. Busca de apoio e parcerias: seja através do “boca a boca” no conhecimento dos serviços da rede, seja expondo o projeto na reunião da rede do bairro, para a qual convidamos representantes dos setores da educação, controle social, serviço social, cultura, prefeitura regional, comércio e organizações não governamentais. Com as parcerias, há  o propósito de definir e dividir a equipe em grupos de trabalho para a elaboração do projeto, que são: a) Núcleo organizacional e publicidade: cuidaram da organização do evento, da busca de materiais necessários para as entradas nas escolas e para o evento; b) Núcleo educacional: foi responsável por desenvolver as palestras, vídeos, forma de abordagem e assuntos a serem discutidos a partir da pesquisa realizada, com temáticas que deveriam atender as necessidades dos educandos e equipes de trabalho.

 

  1. Visitas às Escolas Estaduais (EE), Escolas Municipais de Ensino Fundamental (EMEF) e Escola Técnica Estadual (ETEC) do bairro a fim de firmar a parceria através das reuniões com diretores/coordenadores e professores;
  2. Enquete com os alunos:  participa 400 alunos de quatro escolas, através de um questionário sobre quais são seus medos, seus ídolos, seus sonhos, vícios e como é o relacionamento familiar. Os resultados da enquete são utilizados para planejar e dirigir as palestras;
  3. Divulgação do projeto aos alunos com a valorização do evento: um grupo de dançarinos voluntários, moradores do bairro de Perus, chamados SUSbreakers apresenta-se para os alunos em cada uma das escolas, explicando o projeto junto com os profissionais de saúde. Informamos que voltamos para a apresentação das palestras e convidamos os alunos para a participação no concurso de dança. Também é ensinada uma coreografia da dança coletiva com a música escolhida como tema do SUSdance do ano. Essa  dança é ensinada a toda a equipe de profissionais da saúde e a todos os alunos no pátio das escolas;

  1. Confecção das palestras: os temas das palestras desenvolvidos pelos técnicos das unidades de saúde são baseados nos temas de saúde que se deseja trabalhar e nos interesses dos alunos, elencados nas enquetes realizadas nas escolas.
  • Liberdade – Foi desenvolvido como contraponto ao tema dependência, pensando nos indicadores de drogadição e saúde mental. A cor escolhida foi o amarelo para lembrar-se de forma lúdica que liberdade vale ouro e o sentido foi o do tato, fazendo referência à sensação do vento no corpo em pleno vôo. Nesta palestra, abordou-se a questão da não dependência das coisas: “se quero ser livre, não devo depender de nada que possa me aprisionar, vícios, que interfira em minhas atitudes e vontades próprias, que possam me prejudicar”;
  • Coragem – Foi desenvolvido como contraponto ao tema medo/fraqueza, pensando nos indicadores de saúde mental e gravidez na adolescência, sendo vermelha a cor do tema para lembrar o coração e o paladar foi o sentido escolhido por simbolizar o gosto das situações boas e ruins vividas. Nesta palestra, abordou-se a questão de se posicionar quanto as nossas vontades, superar desafios, fazer escolhas, acreditar em si mesmo, encontrar as razões para realizar os seus sonhos e empoderar-se.
  • Tamojunto – Foi desenvolvido em contraponto ao tema isolamento/solidão, pensando nos indicadores de saúde mental, drogadição e gravidez na adolescência, sendo o azul a cor que representa a harmonia e o sentido escolhido foi o da audição pela importância de “escutar os outros”. Nesta palestra, abordou-se a questão de “que nunca estamos sozinhos, sempre que precisamos e queremos, podemos encontrar ajuda e saída para as situações que se apresentam em nosso dia a dia”, enfocou-se nessa palestra os diversos serviços públicos existentes no território, como os serviços sociais, saúde e educacionais.
  • Projeto de Vida – Foi desenvolvido em contraponto ao tema falta de perspectivas/esperança, pensando nos indicadores de saúde mental, drogadição, gravidez na adolescência e mortalidade infantil, a cor escolhida foi o branco para lembrar que o futuro ainda será escrito por eles e o sentido foi o da visão, por simbolizar quais são suas perspectivas e sonhos. Nesta palestra, abordou-se as questões “O que eu quero para o meu futuro? Como eu me vejo no futuro? Quais são meus objetivos? O que eu preciso fazer, aprender e como devo ser para conquistar aquilo que quero?”

 

  1. Treinamento da equipe. Uma das etapas mais importantes no projeto.  Após a montagem dos conteúdos das palestras, realizamos o treinamento dos interessados para palestrar aos alunos. A proposta é inserir as diversas categorias de profissionais (Agentes comunitários, auxiliares de enfermagem, enfermeiros, médicos, assistentes sociais e até pessoas da comunidade que queiram participar voluntariamente do projeto). Desenvolver nos palestrantes o entendimento e a capacidade de serem agentes de mudança em suas próprias vidas, trabalhando nas virtudes dos temas das palestras e proporcionando desafios, para que fossem exemplos aos jovens. Cada participante da equipe deve ser exemplo dos temas a qual irá trabalhar com os alunos, com entendimento e aplicação na sua vida profissional e pessoal.

 

  1. Apresentação das palestras: agendamos previamente datas junto às escolas para palestrar que abrangem todas as séries do público SUSdance. As palestras nas escolas são desenvolvidas:

 

  • Para os alunos de ensino fundamental II e ensino médio;
  • Nos três períodos de aula: manhã, tarde e noite;
  • Os temas são apresentados através de palestras audiovisuais com vídeos e dinâmicas com 20 minutos de duração;
  • Acontecem em formato de circuito, no qual as palestras são apresentadas ao mesmo tempo para cinco grupos divididos em cinco salas e rodiziados a cada 20 minutos;
  • A cada tema que o aluno passava, ele ganhava uma fitinha com a cor daquele tema;
  • Cada sala de aula é decorada de acordo com o tema, cor e sentido a qual representava, com o uso de recursos físicos e audiovisuais, fazendo com que os alunos tivessem contato com todos os temas de maneira emocionante.
  • Ao final das 5 palestras os alunos eram levados a quadra da escola para o ensaio da dança coletiva.
  • Em 2015 realizamos 650 palestras pela equipe organizadora, para aproximadamente 5800 alunos em 272 salas de aula, nos períodos da manhã, tarde e noite, nas 14 escolas municipais e estaduais do bairro de ensinos fundamental II e médio.

 

  1. O evento concurso de dança entre escolas. Cada escola inscreve um ou dois grupo de alunos para representá-las no concurso de dança, no dia do evento. Solicitamos, junto à Prefeitura Regional, a autorização de uso da praça e a busca de um palco, que no primeiro ano veio através do evento da Virada Cultural e o outro por emenda parlamentar. O evento todo é organizado pela equipe SUSdance. Os jurados são representantes da saúde, cultura, educação e prefeitura, além dos jurados técnicos. Cada escola faz a apresentação e recebe a nota pela coreografia, animação e figurino. Os prêmios são fornecidos pelos comerciantes locais e escolas técnicas e de inglês de Perus. Terminando as apresentações, finalizamos com a dança coletiva aprendida nas escolas no dia das palestras.

 

O SUSdance em todo o seu desenvolvimento se baseia nos princípios e diretrizes do SUS, de onde veio o seu nome. Desde o início, buscamos atender e oferecer acesso a todas as escolas do bairro de forma igualitária, sendo elas municipais ou estaduais. Atendemos os alunos conforme suas necessidades, inclusive no horário noturno.

Dos resultados alcançados do SUSdance, ressalta-se um aumento da procura dos jovens às unidades de saúde, através da demanda espontânea e da participação nas aulas de dança gratuitas ofertadas no CEU Perus. Alguns dos adolescentes dos grupos vencedores do concurso SUSdance Perus se uniram formando um grupo de dança, que hoje acompanha a equipe do SUSdance em todas as apresentações do projeto.

O SUSdance ajudou a movimentar o bairro, que, como periferia, se destacou aos olhos da administração da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. Hoje, o projeto é considerado um caso de sucesso, tanto pelos organizadores quanto pela comunidade, devido à participação das escolas do bairro e ao grande número de alunos envolvidos na realização do projeto.

 

“…o SUSdance mudou minha vida, além de me aproximar da dança e dos meus amigos, me ensinou que preciso ter coragem para chegar no meu sonho, que sem coragem e vontade você não vai longe”.

 

  1. J., aluno da EMEF Jairo de Oliveira

 

 “…as palestras atingiram os alunos por meios pertinentes à realidade deles, utilizaram linguagem próximas dos jovens, trazendo seus ídolos, seus gostos, oportunidades de escolha, colocando suas autoestima lá em cima, para buscarem seus desafios.”

  1. M., professora da EMEF Philo Gonçalves

 

Lições aprendidas

 

  • Que a união de serviços intersetoriais, no trabalho em rede, aumenta os recursos a serem ofertados aos nossos jovens e oportunidades na realização de diversas ações.
  • Que mesmo sem recursos financeiros existem muitas ações que podem ser realizadas quando se trata de adolescente.
  • Aprendemos que o protagonismo infantil no processo do trabalho é fundamental para o sucesso do trabalho e motivação dos participantes.
Recommend to friends
  • gplus
  • pinterest