Dia Mundial sem Tabaco (2020)

O Dia Mundial Sem Tabaco (31 de maio), adotado desde 1988 pelos Estados-Membros da Organização Mundial da Saúde (OMS), visa a aumentar a conscientização sobre o grave problema de saúde pública que a epidemia do tabaco representa e a necessidade urgente de implementar e fortalecer as medidas de controle do tabagismo.

Em 2020, a campanha global tem como objetivo conscientizar os jovens sobre táticas de manipulação da indústria, além dos agravantes do tabagismo frente ao novo coronavírus.

EPIDEMIA DE TABACO

A epidemia do tabaco é uma das maiores ameaças à saúde pública que o mundo já enfrentou, matando mais de 8 milhões de pessoas por ano. Mais de 6 milhões dessas mortes são o resultado do uso direto do tabaco, enquanto cerca de 1 milhão é o resultado de não fumantes expostos ao fumo passivo. O prejuízo econômico do tabaco gira em torno de US$ 1,4 trilhão.

O uso de produtos de  tabaco que contêm nicotina aumenta o risco de câncer, doenças cardiovasculares e pulmonares. Além disso, fumantes podem já ter alguma doença pulmonar ou capacidade pulmonar reduzida, tornando-os mais vulneráveis à Covid-19.

Os dispositivos eletrônicos para fumar (cigarros eletrônicos ou aquecidos) aumentam a exposição das pessoas à nicotina e a várias substâncias tóxicas. Diferente do que propaga a indústria do tabaco, esses produtos geram malefícios à saúde e pode gerar dependência.

Debate Virtual

Dia Mundial sem Tabaco – A professora da Universidade da Califórnia São Francisco, Stella Bialous, apontou estratégias de marketing utilizadas pela indústria do tabaco durante a pandemia, disfarçadas de ações de responsabilidade social, com a intenção de promover o consumo.
Ela participou do debate virtual Tabagismo e Risco Potencial para a Covid-19, transmitido no dia 27 de maio, no canal do Instituto Nacional de Câncer (INCA) no Youtube, em alusão ao Dia Mundial sem Tabaco.

Palestrantes

Stella Bialous - PHD UCSF

Dispositivos eletrônicos para fumar: o apelo a jovens e a relação com a Covid-19

Professora da Universidade da California São Francisco

Fred Fernandes

Contexto do Tabagismo na pandemia de Covid-19

Pneumologista e presidente da Sociedade Paulista de Penumologia e Tisiologia

Lígia Formenti

Moderação

Jornalista do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass)

No Dia Mundial sem Tabaco, a OPAS/OMS quer alertar os jovens sobre táticas de manipulação da indústria, além dos agravantes do tabagismo frente ao novo coronavírus (Covid-19).

ESTRATÉGIA DA INDÚSTRIA

O apelo da indústria ao público jovem fica evidente por meio de estratégias que incentivam o uso de seus produtos. As táticas da indústria, muitas vezes ilegais, desafiando a legislação dos países e prioritariamente dirigidas ao mercado para crianças, jovens e adolescentes incluem:

  • Mais de 15.000 sabores para atrair crianças e adolescentes.
  • Eventos e festas patrocinadas, que ocorrem ilegalmente.
  • Venda casada de produtos, apesar de proibida.
  • Investimento no design elegante e sexy das embalagens dos seus produtos.
  • Exibição do produto na mídia de entretenimento, usando em  filmes e novelas.
  • Amostras grátis de produtos, oferecida ilegalmente em grandes eventos, mesmo sendo proibida por lei.
  • Exposição de produtos ao nível dos olhos para crianças nos estabelecimentos comerciais, gerando assim curiosidade.
  • Disposição e publicidade de produtos de forma estratégica em pontos de venda.

Conheça histórias incríveis de quem venceu a dependência do tabagismo

Reproduzir vídeo

Aldemira (43 anos)

“O cigarro estava atrapalhando a minha convivência com minha família”
Reproduzir vídeo

Amaro (69 anos)

“acenda a luz do seu coração e apague o cigarro da sua mão”
Reproduzir vídeo

Andreia

“Voltei a sentir cheiro e gosto”
Reproduzir vídeo

Benedito (55 anos)

“Consegui me liberta deste vício”
Reproduzir vídeo

Eduardo (64 anos)

“Estamos há mais de dez anos sem vontade de fumar”/span>

Reproduzir vídeo

Gabriel (36 anos)

“Cigarro é droga, é a droga que mais mata no mundo”
Reproduzir vídeo

Jorge

“não tem nada que eu possa falar, como ex-fumante, que foi bom”
Reproduzir vídeo

José Cícero (65 anos)

“Comecei a fumar por influência do meu pai”
Reproduzir vídeo

José Luiz

“Minha qualidade de vida aumentou”
Reproduzir vídeo

Marina (18 anos)

“O narguilé causa tantos malefícios quanto o cigarro tradicional”

Reproduzir vídeo

Marineide (53 anos)

Eu voltei a estudar, voltei a praticar esporte”

Reproduzir vídeo

Osvaldo

“Sofri muito com este maldito vício”

Reproduzir vídeo

Paulo (65 anos)

“Eu venci meu assassino”
Reproduzir vídeo

Sirlei (34anos)

“Consigo caminhar, correr, quando eu era fumante não conseguia fazer tudo isso.”
Reproduzir vídeo

Tatiana (28 anos)

“Eu parei de fumar há dois meses. Eu estou me sentindo muito melhor”
Apoio:

Choose Your Style