Autor: Guilherme Nabuco Machado

A UBS da Vila Basevi, na área rural do Distrito Federal, conseguiu unir várias entidades religiosas, associação de moradores, escola do território, comerciantes do bairro e representantes da comunidade, em prol da arrecadação de alimentos e de verba para ajudar famílias em situação de vulnerabilidade durante a pandemia.

 

Localizada na zona rural da cidade administrativa de Sobradinho, no Distrito Federal,  a UBS é responsável por uma população de aproximadamente 4 mil usuários. Junto com a pandemia veio o grande impacto econômico, deixando várias famílias em dificuldades financeiras e com acesso restrito a alimentos. 

 

A equipe da UBS percebeu que precisava ir além da oferta de cuidado que já oferecia. Mesmo sem contar com apoio de assistente social, e nenhum outro profissional do NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família), os membros da equipe propuseram uma reunião presencial (tomando todos os cuidados) com diferentes segmentos sociais para debater o problema da insegurança alimentar na comunidade surgindo assim, a Rede Vila Basevi de Solidariedade.

 

“Já tinham famílias vulneráveis e esse número só aumentou, a busca por ajuda também é crescente: problemas relacionados à vulnerabilidade social, violência doméstica, alcoolismo, drogas… Muitas questões vieram junto com o isolamento social. Muita gente na região trabalha como diarista e a grande maioria ficou sem receber, foi uma queda grande na renda das pessoas. Além disso, muitas questões relacionados à saúde mental apareceram”, conta Guilherme Nabuco, médico de família.

 

“Nos preocupamos com o extremo da situação e focamos em garantir a segurança alimentar da comunidade logo no início da pandemia. O interessante foi ver que algumas entidades já estavam fazendo algo, então duplicamos as ações, registramos o que já estava sendo feito, aprendemos com a experiência que eles já estavam conduzindo, ainda que em pequena escala, e a proposta foi unificar e fazer uma lista das famílias em vulnerabilidade social e outra lista de arrecadação de alimentos e dinheiro para ajudá-las. A Vila Basevi de Solidariedade funciona com ações conjuntas”, explica Nabuco.

 

A UBS também reorganizou as equipes, entre médico de família, enfermeiro, agente comunitário de saúde, dois técnicos de enfermagem, um dentista e um técnico de higiene dental (auxiliar do dentista) todos dividiram as tarefas para ninguém sair sobrecarregado. As funções foram delegadas tanto para a equipe, como para os grupos de apoio, parte faz a divulgação, pedindo apoio financeiro para a população em geral por mensagens via WhatsApp e indo até os mercados pessoalmente para pedir apoio, e outro grupo é responsável pela logística de receber as cestas e distribuir de forma correta.

 

“Temos muitos casos de Covid-19 na UBS, mas não tivemos nenhum óbito. Monitoramos algumas famílias por telefone e temos poucos casos internados. Considero a experiência inovadora pela articulação intersetorial que é fundamental, unir a comunidade (religiosos, comerciantes, profissionais de saúde, etc) em torno de uma causa única, com todos trabalhando juntos em harmonia, torna a experiência rica e nos dá confiança para ousarmos em mais articulações”, finaliza Guilherme.

 

Experiência – Formação de rede de combate à fome no contexto da pandemia de COVID-19 na Vila Basevi, área rural no Distrito Federal

Post Views: 772