APSREDES

EXPERIÊNCIA DE FORTALECIMENTO DA ATENÇÃO À SAÚDE AOS ADOLESCENTES EM MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO EM RIO BRANCO/ACRE

OFICNA DE GRAFITAGEM 2017 REALIZADA NA ESCOLA HELOISA MOURÃO MARQUES

O Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE – Lei nº 12.594/2012) determina que as medidas socioeducativas (MSE) em Meio Aberto sejam executadas pelos municípios dentro dos Centros de Referência Especializada de Assistência Social (CREAS). No município de Rio Branco/Acre, é a Divisão de Atendimento Socioeducativo (DIASE), enquanto extensão do CREAS, que executa o Programa de Liberdade Assistida (LA) e de Prestação de Serviço à Comunidade (PSC).

A DIASE realiza acompanhamento técnico de adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa e de suas famílias, respeitando o princípio da Proteção Integral que rege o Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA (Lei nº 8.069/90), assim como o SINASE. Atualmente há 98 adolescentes em cumprimento de PSC e 91 adolescentes em cumprimento de LA.

Ressalta-se que o Ministério do Desenvolvimento Social orientou, através do ofício nº28/2018, a Prefeitura Municipal de Rio Branco para que a DIASE executasse os serviços dentro da unidade do CREAS. É importante salientar que o acompanhamento da MSE necessita estar articulado com o Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos (PAEFI).

Acrescenta-se que as orientações da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde de Adolescentes em Conflito com a Lei, em Regime de Internação e Internação Provisória – PNAISARI (Portarias 1.082 e 1.083/2014 – em vigor nas Portarias Consolidadas nº 2 e nº 6/2017 – Ministério da Saúde), além de contemplar os adolescentes, contemplam ainda os demais membros da família, visto que fortalecer, promover e prevenir são  mecanismos de empoderamento e protagonismo social.

 

Contexto

Antes das atividades oferecidas pelo projeto, os adolescentes de Rio Branco em cumprimento de medida socioeducativa em meio aberto tinham como referência para atenção à saúde as Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos territórios nos quais residiam. Durante o atendimento técnico realizado pela Divisão de Atendimento Socioeducativo (DIASE), também eram realizadas orientações aos cuidados de saúde, deixando a critério do adolescente e da família a busca pelos serviços de saúde.

Em discussão com o Ministério da Saúde, percebeu-se a necessidade de realizar esse cuidado à saúde de forma integral, envolvendo não somente atendimento de saúde, mas também atividades que promovessem o desenvolvimento saudável desses adolescentes, com oportunidade de vivenciarem novas possibilidades e sonhos de vida.

Assim, em 2013 o Ministério da Saúde indicou o município de Rio Branco para participar de um projeto piloto de atenção à saúde dos adolescentes em medidas socioeducativas em meio aberto. Foi elaborado, assim, um Plano Municipal de Atenção Integral à Saúde dos Adolescentes em Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, em parceria com a Secretaria de Cidadania e Assistência Social e a Área Técnica de Saúde de Adolescentes e Jovens do Estado, e outros parceiros.

As discussões foram iniciadas no I Seminário Municipal do Sistema Socioeducativo em Meio Abert, realizado em 2013 juntamente com os parceiros. A partir do seminário foram realizadas reuniões com as áreas envolvidas para a definição de fluxo de atendimento dos adolescentes em medida socioeducativa em meio aberto na Regional Administrativa Seis (Segmento de Saúde URAP Augusto Hidalgo de Lima), área escolhida para o projeto piloto.

Em 2015, a redefinição das diretrizes da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde de Adolescentes em Conflito com a Lei, em Regime de Internação e Internação Provisória (PNAISARI), que incluiu o cumprimento de medida socioeducativa em meio aberto e fechado, através da Portaria Nº 1.082, de 23 de maio de 2014, reafirmou nosso compromisso de gestão na oferta de serviços de saúde aos adolescentes.

Também em 2015, com a realização dos Seminários Integrados (II Seminário Socioeducativo do meio aberto e o III Seminário Socioeducativo do meio fechado) e com a participação dos profissionais envolvidos no atendimento dos adolescentes (saúde, socioeducação, assistência social e poder judiciário) conseguimos a construção do Plano Operativo Municipal (2015-2018) e do Plano de Ação Anual com a definição das metas e ações pactuadas para 2015.

É importante ressaltar que, durante os seminários, adolescentes e profissionais de saúde expressaram a importância das ações de saúde aos adolescentes como forma de ampliar o acesso aos serviços, bem como diminuir a invisibilidade de adolescentes e jovens nas Unidades de Saúde.

 

Trilhando caminhos para o cuidado de adolescentes e jovens – A inovação

Para desenvolver as atividades propostas no projeto foi necessário um prévio planejamento entre as instituições envolvidas, Área Técnica de Saúde do Adolescente e a equipe de profissionais da DIASE, bem como o alinhamento das ofertas de serviço, definição da Unidade Básica de Saúde para acolher os adolescentes, e as atividades educativas mais pertinentes para cada grupo.

Após esse processo, foi articulado, junto com a equipe de saúde, a proposta de atendimento. Em alguns casos foi necessário sensibilizar os profissionais de saúde, principalmente  aqueles que não se sentiam seguros com os adolescentes que cometeram ato infracional. Sabe-se que ainda há muito preconceito com relação aos adolescentes em medida socioeducativa. Porém, após esse trabalho de sensibilização, os profissionais de saúde aceitaram o desafio e acolheram os adolescentes com respeito e carinho.

Após a ação de saúde com os adolescentes sempre realizamos uma roda de conversa com a equipe de saúde, para ouvir as percepções dos profissionais. Entendemos que é uma forma efetiva de avaliar o processo de trabalho e melhorar ainda mais o acesso aos serviços de saúde para essa população.

Profissionais relataram que tinham uma visão preconceituosa e de medo, e que durante a atividade eles perceberam que não é nada disso, que, na verdade, são jovens vulneráveis com contexto familiar fragilizado e que por isso, precisam de apoio e atenção.

Durante o processo de mobilização, os profissionais da DIASE encontraram diversas dificuldades como baixa aceitação do adolescente e da família na participação das atividades de saúde, mudança repentina de contato telefônico e residência. Outro fator relevante é o cenário de violência no estado, o que tem fragilizado as ações, pois nem todos os adolescentes podem ultrapassar certo perímetro urbano, uma vez que a cidade está dividida por facções criminosas.

No entanto, para aumentar o número de participantes, utilizamos como estratégia sensibilizar os responsáveis sobre a importância da participação dos adolescentes e do cuidado integral à saúde. Dentre as estratégias está a oferta de atendimento aos responsáveis, com serviços de atendimento médico, atendimento de enfermagem, odontologia, atualização vacinal, realização de teste rápido e exames laboratoriais. Além do envio de relatório à Primeira Vara da Infância e da Juventude, informando as atividades que o adolescente participou. Essa participação é vista como um aspecto positivo ao cumprimento de medida socioeducativa.

Destaca-se que os profissionais de saúde têm total autonomia para articular e criar atividades para desenvolver no dia da ação. Temos como exemplo a participação do Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) com profissional Psicólogo e Assistente Social. Neste dia, a Unidade de Saúde realizou um teatro envolvendo todos os membros dada equipe, incluindo o profissional Médico e Odontólogo. A representação teatral foi importante para destacar os serviços de saúde que a unidade oferece, além de temas como gravidez na adolescência e as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Durante a ação os convidados participaram ativamente compartilhando suas experiências de vida e superação.

Ao final da atividade, os profissionais de saúde sensibilizam os adolescentes a procurarem os serviços de saúde colocando-se à disposição, não somente para atendimento, mas também para orientação em saúde ou qualquer outra situação que o adolescente se sinta à vontade para conversar.

No momento dos atendimentos de saúde, era perceptível a satisfação dos adolescentes ao receber o atendimento. Observando-os atentamente a primeira impressão era de encantamento, pareciam não acreditar que tudo aquilo estava à disposição deles. Um adolescente ficou muito surpreso no momento da aplicação de flúor, chegando a perguntar a um colega se aquele serviço era mesmo gratuito.

Os adolescentes em medida socioeducativa do meio aberto, além dos serviços de saúde e orientações diversas, também foram contemplados com oficinas culturais, como capoeira, grafite, pintura em tela, violão, teatro e dança. As oficinas foram desenvolvidas por regional nos CRAS ou espaço cedido pela comunidade. Apesar do cardápio de oferta de atividades culturais, as que mais se destacaram entre os adolescentes foram a capoeira e o grafite.

As oficinas culturais tiveram como objetivo proporcionar o bem-estar físico, mental e social aos adolescentes em conflito com lei. Contribuindo, assim, para a estruturação de uma proposta de desenvolvimento de habilidades, considerando a necessidade de abordar, com esta população, a autoestima e o projeto de vida, passando por temas como o compromisso, o autocuidado, a responsabilidade, os direitos e deveres da meldonium-mildronate, o controle do estresse, as inteligências intra e interpessoal, a influência dos pares, o pensamento crítico e a consequência das ações e escolhas. Em suma, uma proposta de atenção à saúde entendida em sua integralidade.

 

Lições aprendidas

O trabalho desenvolvido de maneira interinstitucional foi primordial para o sucesso do projeto, pois a necessidade do olhar integral à saúde dos adolescentes perpassa por vários segmentos institucionais que visam a melhor qualidade de vida dos adolescentes em medida socioeducativa.

Outra lição aprendida foi a superação do preconceito com a quebra de barreiras entre os profissionais envolvidos e os adolescentes. A importância de ver além do ato infracional e compreender o contexto social, as vulnerabilidades desses adolescentes.

Ainda nessa perspectiva, observou-se a necessidade de fortalecer as ações de saúde mental oferecida aos adolescentes e seus familiares, tendo em vista o reconhecimento do sofrimento psíquico decorrente do uso de álcool e outras drogas e a privação da liberdade, em alguns casos.

Trabalhar nessa perspectiva é reconhecer o adolescente em medida socioeducativa como sujeito de direito e protagonista da sua própria história, ampliar a participação interinstitucional dos diversos seguimentos de saúde, assistência social, segurança pública, direitos humanos, cultura, esporte e lazer, de maneira a assegurar a esse adolescente o conhecimento de toda a rede de serviços à qual ele tem direito de acesso.

 

3º REFERENCIAMENTO UBS MARIANO GONZAGA DE OLIVEIRA MAIO – 2016/ BAIRRO LAELIA ALCANTARA
OFICNA DE GRAFITAGEM 2017 REALIZADA NA ESCOLA HELOISA MOURÃO MARQUES

 

OFICNA DE GRAFITAGEM 2017 REALIZADA NA ESCOLA HELOISA MOURÃO MARQUES

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram