APSREDES

Rede Colaborativa PICS: apoio a distância, cuidado de perto

Tema do relato:
Ações da Enfermagem para o enfrentamento da pandemia da COVID-19

Sua experiência está relacionada a que área:
Atenção em saúde

Instituição onde a experiência se desenvolve/desenvolveu (serviço/instituição)
Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio grande do Sul (UFRGS) (parcerias: Rede de Educação em Saúde Coletiva do Rio Grande do Sul (RESC), projeto de extensão Tramar Saúde Coletiva, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do SUL (IFRS), área técnica de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul; área técnica de PICS da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre, Projeto de Extensão Educação popular, equidade e saúde da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Laboratório de Saúde integrativa da Unisinos)

Autor(es) Principal
Daniela Dallegrave
Autor(es)
Daniela Dallegrave
Alpheu Ferreira do Amaral Júnior
Rose Teresinha da Rocha Mayer
Patrícia Genro Robinson
Laura Anelise Faccio Wottrich
Juliano Andre Kreutz
Carolina Eidelwein
Rosália Figueiró Borges
Tamisa Fleck Ell Pereira
Michèle Rohde Duarte
Vanderléia Laodete Pulga
Márcia da Silva Jacobsen
Bruna Vargas Cunda
Ana Cláudia Dick
Ana Marcela Sarria
Alessandra Porto d'Ávila
Daiana Alberti Guarnieri
Bruna Luisa Ribeiro de Almeida

Situação atual da experiência
Em estágio avançado de execução

Data de início da experiência
2020-03-20

A Rede Colaborativa PICS é uma experiência de atenção e de educação em saúde, de expansão do acesso às Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, no Sistema Único de Saúde. É uma rede descentralizada de compartilhamento solidário de saberes e práticas de diferentes racionalidades em saúde, que se defronta com a sindemia de Covid-19 (sindemia e não pandemia, dada a sinergia de determinantes sociais e condições de saúde). Participam enfermeiras/os e outras/os, nesta rede de encontros entre profissões, de modos de cuidar plurais, na perspectiva da alteridade, da influência e da transformação mútua, da ampliação das existências possíveis do Cuidado, que envolve as práticas de Enfermagem, inscritas em arranjos interdisciplinares. É uma experimentação de diferentes maneiras de pensar e de agir em saúde. Tentativa de expansão do que acontece na Enfermagem, do que este campo de saberes e práticas pode fazer, pensar e imaginar, na interrelação com outras profissões. Ainda, prospectam-se as Enfermagens por vir, abertas às múltiplas racionalidades em saúde, aos cuidados complexos. Trata-se de experiência proposta pela Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, por meio de programa de extensão universitária, em parceria com a Rede de Educação em Saúde Coletiva do Rio Grande do Sul (RESC), o projeto de extensão Tramar Saúde Coletiva, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do SUL (IFRS), área técnica de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) da Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul; área técnica de PICS da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre, Projeto de Extensão Educação popular, equidade e saúde da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) e Laboratório de Saúde integrativa da Unisinos. Integra a campanha “Proteger o trabalhador e a trabalhadora é proteger o Brasil”, promovida pelo Conselho Nacional de Saúde. A Rede Colaborativa PICS iniciou em março de 2020, no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul, como uma estratégia de enfrentamento da Covid-19, com suporte às/aos trabalhadoras/es e às/aos estudantes da área da Saúde da “linha de frente” das redes de atenção públicas e privadas envolvidas no combate à sindemia de Covid-19, por meio de teleatendimentos gratuitos com Práticas Integrativas e Complementares em Saúde. Em maio de 2020, ao integrar a campanha do Conselho Nacional de Saúde supracitada, a experiência ganhou abrangência nacional. Em 2021, com o agravamento da sindemia, os teleatendimentos passaram a englobar as/os trabalhadoras/es e estudantes da área da Educação. Compreende-se também como público de abrangência da Rede as/os profissionais que trabalham nos setores da Saúde e da Educação, nas áreas administrativas, de higienização e segurança. A resolução Cofen nº 634/2020, que autoriza a teleconsulta em enfermagem, é uma das bases legais que amparam a organização da experiência. Embora nem todas/os as/os profissionais terapeutas cadastradas/os na Rede Colaborativa PICS tenham formação em enfermagem, a participação de enfermeiras/os na gestão da proposta tende a trazer elementos de organização do processo, a partir de ferramentas consolidadas no mundo do trabalho. Antes, os teleatendimentos eram incipientes no cuidado em saúde e diversos pontos precisaram ser adaptados, partindo da presencialidade em direção ao cuidado mediado por tecnologias informáticas como, por exemplo, a anamnese e o exame físico. Neste sentido, foram criados formulários de coletas de dados e elaborados instrumentos de sistematização do atendimento, com divulgação por meio de estratégias de educação permanente para as/os terapeutas vinculadas/os, no formato de reuniões mensais por teleconferência. Para cadastro das/os terapeutas, utiliza-se a plataforma on-line revirasaude.org, da Rede Virtual de Aprendizagem em Saúde (ReviraSaúde), que formulou e utiliza o mote “apoio a distância, cuidado de perto”. Trata-se de uma proposta interinstitucional, que conecta pessoas em práticas de apoio mútuo, auto-organização e autoanálise, vinculada ao Sistema Único de Saúde. Na sua interface estatal, essa é regulamentada pelas resoluções da Comissão Intergestores Bipartite do Rio Grande do Sul 590/2013 e 320/2017. O cadastro das/os profissionais é realizado por meio de um formulário virtual, inicialmente hospedado no Formsus/Datasus e atualmente no Google Forms, em que se preenchem os dados pessoais e profissionais e se anexam os comprovantes da formação que habilitam para o cuidado em saúde. Este cadastro, com a documentação, é analisado criteriosamente pela equipe de coordenação da Rede Colaborativa PICS, autorizando ou não a validação da atividade do profissional na Rede. Em seguida, a coordenação da ReviraSaúde faz o georreferencimento da localização aproximada do terapeuta, a qual é disponibilizada no mapa de teleconsultoras/es, que é meio de busca dos atendimentos (http://mapa.revirasaude.org/). Destacam-se, na experiência, o caráter interdisciplinar e interinstitucional, a sua proposição em tempo oportuno ao enfrentamento da sindemia de Covid-19, logo que se identificaram os primeiros casos no Brasil, o duplo eixo de ação, com ações de educação e de cuidado em saúde, e a relevância do desafio em questão, isto é, do cuidado e da proteção de trabalhadoras/es em saúde. Ainda, sublinha-se sua concepção ampliada de clínica e de cuidado em saúde, com ênfase em múltiplas racionalidades e em cuidados complexos (não restritos à biomedicina), bem como a inovação e a originalidade da proposta, que é a única iniciativa pública do país, de teleconsultoria e teleatendimento de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde.

Galeria

Apresentação