APSREDES

Impacto da Enfermeira Obstetra de ligação na assistência ao Diabetes Gestacional em uma rede de atenção a saúde

Tema do relato:
Assistência à Saúde na Linha de Cuidado Materno Infantil

Sua experiência está relacionada a que área:
Atenção em saúde

Instituição onde a experiência se desenvolve/desenvolveu (serviço/instituição)
Hospital municipal Dr. Moysès Deutsch/ AMA/UBS Integrada Vera Cruz

Autor(es) Principal
Regiane Morais de Oliveira
Autor(es)
Lucélia Ferreira Lima Bastos
Letícia Yamawaka de Almeida

Situação atual da experiência
Em estágio inicial de execução

Data de início da experiência
2019-10-07

A fragilidade na comunicação entre profissionais de diferentes pontos de atenção, sobretudo entre a atenção primária e a secundária, barreira no diálogo de profissionais com usuária, bem como desarticulação da rede de serviços, causada pela ausência da contrarreferência prejudica a continuidade dos cuidados. A ausência da integralidade é uma das críticas ao modelo clínico da saúde, cujo enfoque é biologicista, valoriza o conhecimento das especialidades, fragmentando dessa forma a assistência. A Enfermeira de Ligação é uma estratégia exitosa que vem sendo adotada em diversos países para assegurar a continuidade nos cuidados promovendo assim diminuição dessas fragilidades. Estima-se que a prevalência de Diabetes Mellitus Gestacional (DMG) no Sistema Único de Saúde (SUS) seja de aproximadamente 18% e tendo em vista que o sucesso no desfecho perinatal não está relacionado apenas uma assistência adequada no momento do parto torna-se necessária a adoção de medidas que estabeleçam uma assistência mais integrativa no manejo da doença entre esses níveis de atenção. Propõe-se aqui relatar a experiência de implantação da Enfermeira Obstetra de Ligação atuando na integração entre os níveis de atenção primária/secundária de forma a assegurar desfechos materno fetais favoráveis para a gestante com Diabetes Gestacional.

Apresentação