APSREDES

ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL ENFERMEIRO NA GERÊNCIA DE CONTROLE DE RISCOS EM HOSPITAL TERCIÁRIO DE ALTA COMPLEXIDADE DO CEARÁ

Tema do relato:
Enfermagem no contexto das Redes de Atenção à Saúde/do SUS

Sua experiência está relacionada a que área:
Gestão em saúde

Instituição onde a experiência se desenvolve/desenvolveu (serviço/instituição)
Instituto Dr. José Frota - IJF

Autor(es) Principal
Maria da Conceição Saraiva da Silva
Autor(es)
Maria da Conceição Saraiva da Silva
Maria de Fátima Belarmino de Souza Lucena
Velma Dias do Nascimento
Francisco Walter de Oliveira Silva
Jakeline Aires Forte
Francisco Wandemberg Rodrigues dos Santos
Danielle Cristina de Oliveira Soares

Situação atual da experiência
Em estágio avançado de execução

Data de início da experiência
2013-07-01

A Rede Sentinela é um projeto criado pelo setor de Vigilância em Serviços Sentinela, (integrante da área de Vigilância em Eventos Adversos e Queixas Técnicas da ANVISA) em parceria com os serviços de saúde brasileiros (hospitais, hemocentros e serviços de apoio diagnóstico e terapêutica), Associação Médica Brasileira (AMB) e órgãos de vigilância sanitária estaduais e municipais. Tem como objetivo principal a constituição de uma rede de hospitais terciários distribuídos em todo o país motivada e qualificada para a Notificação de Eventos Adversos e Queixas Técnicas de Produtos de Saúde, insumos, materiais e medicamentos, saneantes, kits para provas laboratoriais e equipamentos médico-hospitalares em uso no Brasil, para ampliar e sistematizar a vigilância de produtos utilizados em serviços de saúde e, assim, garantir melhores produtos no mercado e mais segurança e qualidade para pacientes e profissionais de saúde. O Gerencimento de Riscos visa reduzir ao mínimo possível os impactos de erros na assistência à saúde. A atuação do setor inicia com a avaliação das notificações de falhas em assistência ou em processos do hospital que são realizadas pelos funcionários da instituição. Além disso busca ativa também é realizada em diversos setores. Após a avalição dessas notificações o gerenciamento de risco utiliza um conjunto de técnicas estratégicas e operacionais para melhorar atendimento e evitar danos ao paciente. A atuação de profissionais Enfermeiros na gestão de riscos é considerada fundamental para a melhoria da qualidade institucional, devido à quantidade significativa de profissionais e por sua atuação como profissional do cuidar e ser uma categoria que está diretamente ligada a assistência contínua com os pacientes e as mais diversas áreas ligadas ao ambiente hospitalar. A experiência se desenvolveu em uma Instituição Pública de referência em urgência e emergência e alta complexidade do município de Fortaleza – CE, integrado ao Sistema Único de Saúde (SUS). O Instituto Dr. José Frota – IJF é um hospital terciário, de alta complexidade e tem como missão promover uma assistência de excelência a pessoas em situação de urgência e emergência. O foco de atendimento é o trauma de alta complexidade, sendo uma instituição de ensino, pesquisa e orientadora de políticas públicas. Os valores institucionais buscam promover a melhoria contínua, técnica, científica e social com inovação e pioneirismo, além de promover uma assistência de qualidade. No ano de 2013 a Gerência de Risco Sanitária Hospitalar do IJF foi reestruturada e passou a ser chamada de Gerência de Controle de Riscos (GECOR), atuando conjuntamente com o Núcleo de Segurança do Paciente (NSP), que logo foi implantado em 2014 através de Portaria Municipal de Fortaleza. A equipe formada é composta por profissionais enfermeiros, farmacêuticos e gestores médicos que atuam nas áreas de Tecnovigilância, Hemovigilância, Farmacovigilância e na notificação de eventos adversos relacionados a Assistência à Saúde. É ainda realizado o acompanhamento dos alertas sanitários divulgados pela ANVISA. Os alertas são encaminhados à diversos setores, quando necessária alguma intervenção se o hospital possua algum material ou aparelho sob suspeita. O NSP tem como objetivo promover a articulação dos processos de trabalho e das informações que impactem nos riscos ao paciente, além de articular com as diversas áreas da Organização de Saúde, considerando o paciente como sujeito e objetivo final no cuidado em saúde. A finalidade do trabalho é reduzir o máximo possível o risco de dano desnecessário associado à atenção à saúde nos processos de cuidado. A restruturação da GECOR/NSP do IJF com atuação de profissionais Enfermeiros trouxe grande contribuição e mudanças na assistenciais a saúde da instituição. O interesse em atuar em uma instituição pública e da rede sentinela despertou a necessidade de inclusão de profisionais da enfermagem frente ao gerenciamento de controle de risco com atuação na vigilância ativa de eventos adversos de assistência em saúde, investigação de queixas técnicas relacionados a equipamentos hospitalares e na contribuição para construção de fluxos e rotinas hospitalares a partir das principais notificações recebidas no setor. Além das funções acima descritas é também no mesmo setor que funciona o NATS (Núcleo de Avalição de Tecnologias em Saúde) que estuda a viabilidade de incorporar novas tecnologias em saúde e produtos médicos-hospitalares dentro do IJF a partir da solicitação de funcionários ou da direção.
A necessidade de reestruturação da Gerência de Risco Sanitária Hospitalar do IJF em 2013 foi de muita importância para a melhoria da assistência no hospital. A inclusão de profissionais Enfermeiros no gerenciamento de riscos hospitalar é essencial para o adequado funcionamento do setor. A enfermagem é a categoria maior numericamente dentro do hospital. Mais importante ainda que o número, o Enfermeiro é o profissional que tem o contato com todos os processos de assistência direta ao paciente. A experiência assistencial e também de gestão do Enfermeiro(a) passou a ser essencial para melhor entendimento das falhas de atendimento e processos do hospital e ainda para a busca de soluções adequadas e viáveis dentro da instituição.
Descrever a experiência e importância da atuação do profissional Enfermeiro no gerenciamento de controle de riscos em hospital terciário de alta complexidade do Ceará.
A experiência foi realizada nesses momentos: 1.Solicitação pelo gestor da área pra reintegração do IJF na Rede Sentinela Brasileira 2.Recrutamento de profissionais Enfermeiros que já atuavam na área e/ou desejavam atuar no serviço de Gerência de Risco e Núcleo de Segurança do Paciente. 3.Cadastro dos profissionais Enfermeiros no ANVISA para Tecnovigilância e Hemovigilância inicialmente e a capacitação nas áreas de atuação. 4.Implantação de um coordenador Enfermeiro como gestor da área 5.Implantação do serviço no IJF 6.Inclusão de Enfermeiros no NATS para a avaliação das novas tecnologias
Após a reestruturação da GECOR em julho de 2013 foi possível alcançar vários resultados com o monitoramento através de vigilância pós uso e comercialização de produtos (VIGIPÓS) na instituição, além de ações desenvolvidas que levou o hospital a “CATEGORIA A” no hanking da ANVISA realizada entre os Hospitais da Rede Sentinela em 2016. O interesse em colaborar para o monitoramento de produtos e serviços sujeitos à vigilância sanitária, permitiu a identificação de riscos, padrões de consumo, comportamentos e eventos adversos decorrentes do uso desses produtos, onde tivemos diversas oportunidades de melhorias notificadas pelos colaboradores e encaminhadas para o serviço, que são analisadas e encaminhamentos com as devidas tratativas. Algumas delas fizeram com que melhorias fossem implantadas, tais como no setor de imagem com proposta de implantação de uma equipe de Enfermeiro Plantonista em escala de serviço 24h por dia. Foi ainda criado uma nova unidade de OBSERVAÇÃO DA NEUROCIRURGIA na Emergência a partir da ocorrência de incidentes que resultaram em danos ao paciente, gerando comunicação a GECOR/NSP para tratativas e recomendação de melhorias, onde foi implantado uma na Emergência uma nova unidade de Observação para pacientes vítimas de traumas com TCE associado. O recebimento de notificação de queixa técnica de produto para saúde na fase de pós produção, onde a VIGIPÓS passou a ser uma realidade na nossa prática diária na instituição e uma comunicação direta a ANVISA, através do NOTIVISA (Sistema de Notificação em Vigilância Sanitária), teve como um dos grandes resultados com a atuação do Enfermeiro na GECOR/NSP, incialmente relacionada a hemovigilância e queixas técnicas de equipos de transfusão que foram retirados e substituídos na instituição por outro de melhor qualidade. Outro ganho foi a queixa técnica associada a busca ativa que resultou em alerta NACIONAL PARA A ANVISA, sendo o produto recolhido e o fabricante modificou a gramadura do mesmo. É possível visualizar grandes resultados trazendo através do monitoramento dos alertas sanitário publicados na plataforma da ANVISA, notificações em saúde e melhorias na assistência e segurança do paciente.
A restruturação da Gerência de Controle de Riscos e Núcleo de Segurança do Paciente com implantação de profissionais Enfermeiros no gerenciamento de riscos em serviço terciário, contribuiu de forma significativa e trouxe grande impacto na assistência à saúde, permitindo não só a identificação de riscos associados, padrões de consumo, comportamento e eventos adversos decorrentes do uso de produtos em saúde, mas gerando melhorias na assistência e segurança do paciente.

Galeria

Apresentação