APSREDES

Acolhimento on-line: o primeiro contato com a cliente da Casa de Parto David Capistrano Filho em tempos de pandemia da COVID-19

Tema do relato:
Ações da Enfermagem para o enfrentamento da pandemia da COVID-19

Sua experiência está relacionada a que área:
Atenção em saúde

Instituição onde a experiência se desenvolve/desenvolveu (serviço/instituição)
Casa de Parto David Capistrano Filho - Prefeitura do Rio de Janeiro

Autor(es) Principal
Márcia Cristina Oliveira dos Santos
Autor(es)
Halyne Limeira Pessanha
Inaiá de Santana Mattos

Situação atual da experiência
Em estágio avançado de execução

Data de início da experiência
2021-05-17

A crescente preocupação com a Humanização da assistência no SUS e de uma atenção obstétrica cada vez mais qualificada e baseada em evidências científicas no que se refere ao nascimento e parto motivou a construção de um momento de recepção das mulheres que desejam acompanhamento na Casa de Parto David Capistrano Filho. O “Acolhimento” é o procedimento de chegada da gestante na Casa de Parto David Capistrano Filho para triagem, a fim de avaliar o perfil de saúde de cada cliente, realizar a estratificação do risco obstétrico e iniciar o acompanhamento pré-natal da gestante que chega à Casa. O Acolhimento segue as recomendações do Protocolo Assistencial da Casa de Parto David Capistrano Filho, bem como as orientações do Ministério da Saúde e da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, focado, principalmente, nas diretrizes que compõem o Protocolo de Enfermagem Obstétrica do Município do Rio de Janeiro. Desde o início do funcionamento da Casa de Parto David Capistrano Filho, em 2004, o momento do Acolhimento foi pensado como uma forma não só de organizar a absorção das mulheres no pré-natal, mas também como uma estratégia de apresentar a filosofia de assistência da instituição bem como o funcionamento da mesma. Inicialmente o Acolhimento era realizado presencialmente onde a Coordenação recebia as mulheres referenciadas pela Unidade Básica de Saúde, sendo realizada uma primeira reunião coletiva para a apresentação da estrutura da Casa, composição da equipe e filosofia de trabalho. Vale ressaltar que a Casa de Parto David Capistrano Filho é uma unidade extra hospitalar de atenção ao pré-natal, trabalho de parto, parto e pós-parto, além do atendimento às intercorrências obstétricas das gestantes acompanhadas. Nossa unidade não se configura numa maternidade de portas abertas, prestando assistência, preferencialmente às mulheres atendidas no nosso pré-natal e funciona com o atendimento realizado por Enfermeiros Obstétricos, sem a presença do profissional médico. A demanda espontânea para o Acolhimento não acontecia nos primórdios de atendimento da Casa de Parto. Recebíamos as mulheres referenciadas pela Unidade Básica de Saúde da nossa área programática, onde já existia uma primeira seleção de possíveis candidatas ao pré-natal, com a avaliação do risco obstétrico pela atenção básica. Assim as mulheres não exerciam completamente seu poder de escolha pelo modelo de atenção obstétrica oferecido. Neste primeiro momento do Acolhimento a Coordenação da Casa iniciava a aproximação com cada uma das mulheres atendidas no nosso serviço e assim poderíamos conhecer todas as clientes assistidas de uma forma mais ampla. Neste mesmo momento era realizado um atendimento individual para que pudéssemos avaliar o perfil de saúde de cada candidata ao pré-natal e realizarmos a estratificação de risco obstétrico. Com o passar dos anos evidenciamos que muitas mulheres buscavam a Casa de Parto à procura de um modelo Humanizado de Assistência ao Parto, modelo esse ainda em construção em muitas unidades da rede SUS. Na maioria das vezes o atendimento era negado, pois a mulher residia fora de nossa área adscrita, e seguindo a regionalização da atenção básica, não poderíamos absorver essa cliente. Assim em 2010 a Direção da Casa de Parto David Capistrano Filho, em comum acordo com a Secretaria de Saúde do Município do Rio de Janeiro iniciou o Acolhimento à todas as mulheres que desejassem nossa assistência. O Acolhimento passou a ser por livre demanda, sem restrição de área programática, mantendo os critérios de absorção de mulheres classificadas como de risco habitual, ou seja, mulheres saudáveis e de baixo risco obstétrico. Com a pandemia do COVID-19 as reuniões presenciais passaram a não ser mais possíveis e nosso Acolhimento estava ameaçado, pois a atividade se dava de forma presencial e no coletivo. As mulheres passaram a chegar à Casa somente para a avaliação do seu perfil obstétrico e de saúde através da verificação dos seus exames e percebemos uma queda expressiva no número de consultas de primeira vez. Surgiu então a idéia do Acolhimento On-line, onde foi organizado um formulário On-line, no Google Forms com todos os questionamentos necessários para a avaliação do perfil de saúde das gestantes e a estratificação dos riscos obstétricos. Neste mesmo formulário as mulheres anexam seus exames de primeira rotina pré-natal, de acordo com os protocolos e diretrizes do Ministério da Saúde e da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Utilizamos nossas redes sociais para a divulgação da iniciativa de inscrições para o Acolhimento On-line e com isso a procura voltou a se elevar de forma considerável. Porém ainda tínhamos a lacuna das orientações que eram realizadas nos encontros. Surgiu então a Oficina de Acolhimento on-line, que acontece semanalmente com discussão de temas levantados pelas mulheres, sendo esta aberta ao público em geral.

Apresentação