APSREDES

A Teleconsulta de Enfermagem como estratégia de manutenção dos atendimentos em meio a pandemia de Covid19

Tema do relato:
Ações da Enfermagem para o enfrentamento da pandemia da COVID-19

Sua experiência está relacionada a que área:
Atenção em saúde

Instituição onde a experiência se desenvolve/desenvolveu (serviço/instituição)
Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis

Autor(es) Principal
Juliana Cipriano de Arma
Autor(es)
Lucilene Gama Paes
Vinicius Paim Brasil
Elizimara Siqueira Ferreira

Situação atual da experiência
Em estágio avançado de execução

Data de início da experiência
2020-04-01

A pandemia de Covid19, no início do ano de 2020, trouxe a necessidade de reestruturação dos serviços e do processo de trabalho da Atenção Primária à Saúde (APS). No município de Florianópolis, a organização visou a continuidade do cuidado e também o enfrentamento da pandemia. A partir da Resolução 634 do COFEN, que normatiza e regulamenta a realização da Teleconsulta em Enfermagem, surge essa nova estratégia de atendimento para manter o funcionamento das consultas de enfermagem, num contexto em que a orientação era que a população ficasse em casa. Naquele momento, o foco foi dar seguimento aos atributos da APS e, em especial ao acesso, a fim de manter os serviços acessíveis e as agendas dos profissionais disponíveis para isso (COFEN, 2020). Considerando fortemente, a responsabilidade da APS na resolução de 85% dos problemas de saúde da população e se tratar de um nível de atenção não substituível pelos outros, ou seja, os acompanhamentos de doenças crônicas, puericultura e pré-natal especialmente, não são realizados em outras instâncias do sistema de saúde. Enquanto no Brasil, a prática da teleconsulta não era regulamentada, nos países da Europa, Canadá e Estados Unidos já era consolidada até a chegada da pandemia. No Reino Unido, há uma serviço de atendimento pré-clínico no qual os enfermeiros, com sistemas de apoio clínicos e decisão computadorizada (NHS direct) fornecem orientações de auto-cuidado para lidar com problemas de saúde mais simples e diminuir a demanda por consultas desnecessárias no sistema de saúde (BUNN; BYRNE; KENDALL, 2004). Na experiência do Canadá, o atendimento de enfermagem por telefone aumentou significativamente o acesso público por informação em saúde. Os enfermeiros utilizam protocolos informatizados para avaliar as queixas de saúde do paciente e a capacidade individual antes de sugerir o tipo de cuidado mais adequado. Os protocolos utilizados foram desenvolvidos baseados em evidências e revisão da literatura médica e de enfermagem e são revisados e atualizados regularmente (PURC-STEPHENSON; THRASHER, 2012). Diante das inúmeras experiências internacionais de realidades que são referência na qualidade do atendimento na APS e, a partir da regulamentação da Teleconsulta no Brasil, a experiência trata da implementação da Teleconsulta de Enfermagem na rede de APS de Florianópolis e a elaboração de um guia para enfermeiros para que o serviço ofertado fosse baseado nas melhores evidências e que se adaptou rapidamente para a realidade de pandemia imposta, sendo capaz de reverter a situação adversa em promoção de cuidado e acesso para a população. Os atores envolvidos são os enfermeiros da Comissão Permanente de Sistematização da Assistência de Enfermagem (CSAE), a Responsável Técnica de Enfermagem e os enfermeiros da APS do município. Vale ressaltar a estrutura já existente na rede de Florianópolis em relação ao uso de tecnologias para contato com os usuários antes da chegada da pandemia. O município já contava com smartphone institucional para cada equipe, bem como acesso a internet nas unidades de saúde. No momento de chegada da pandemia, a rede estava familiarizada com o uso de tecnologias. Até então esse uso era restrito para esclarecimento de dúvidas a respeito dos fluxos das equipes, para agendamentos de consultas.

Galeria

Apresentação