APSREDES

Resultado Preliminar
1.1 Título da experiência

PLANO AÇÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DO PROJETO BAHIA PRODUTIVA

1.2 Autores(as) da experiência

Nome Cargo/Função Município
FERNANDO CEZAR CABRAL OLIVEIRA Coordenador Geral do Projeto Bahia Produtiva Salvador
Egla Ray Passos Costa Coordenadora de Monitoramento e Avaliação do Projeto Bahia Produtiva Salvador
Laura Silveira de Oliveira Especialista de Monitoramento e Avaliação do Projeto Bahia Produtiva Salvador
Wecsleide de Angeli Ferraz Coordenador de Assistência Técnica e Extensão Rural Salvador
Vladimir Oganauskas Filho Especialista em Assistência Técnica e Extensão Rural Salvador
Valéria Cristina Provenza Paschoal NUTRICIONISTA E DIRETORA DA VP CENTRO DE NUTRIÇÃO FUNCIONAL São Paulo
FLÁVIO VALENTE MÉDICO E COORDENADOR TÉCNICO DO PLANO DE AÇÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL São Paulo
JAINEI CARDOSO DA SILVA NUTRICIONISTA E CONSULTORA VP Vitória da Conquista
ZELICE MARIA DE MELO PESSOA NUTRICIONISTA E CONSULTORA VP Vitória da Conquista
SÔNIA LUCENA NUTRICIONISTA E CONSULTORA VP São Paulo
VERANÚBIA MASCARENHAS BARBOSA NUTRICIONISTA E CONSULTORA VP São Paulo
NUNO RODRIGO MADEIRA AGRÔNOMO E CONSULTOR VP São Paulo
FÁBIO FERREIRA PERAZZO FARMACEUTICO E CONSULTOR VP São Paulo
PAULA GABRIELA GIMENEZ JUNGER ADMINISTRADORA, COMUNICADORA E CONSULTORA ADMINISTRATIVA VP São Paulo
NEIVA DOS SANTOS SOUZA NUTRICIONISTA E CONSULTORA VP São Paulo
ALYSSON FRAGA ANTROPÓLOGO E CONSULTOR VP São Paulo
BÁRBARA FERACIN MEIRA NUTRICIONISTA E CONSULTORA VP São Paulo
SUELEN GODOY PEDAGOGA E CONSULTORA VP São Paulo
ANDREIA VIEIRA GONÇALVES COMUNICAÇÃO SOCIAL E CONSULTORA VP São Paulo
WERUSKA DAVI BARRIOS NUTRICIONISTA E CONSULTORA VP São Paulo
RENATA ALVES NUTRICIONISTA E CONSULTORA VP São Paulo
ADELIA ALENCAR BRASIL GEÓGRAFA E CONSULTORA DA VP São Paulo

1.3 Organização(ções)/Instituição(ções) promotora(s) da experiência

Organização/Instituição
Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional CAR - Projeto Bahia Produtiva
VP Centro de Nutrição Funcional

1.4 Cidade(s) e Estado (s)

Estado Cidade
Bahia Abrangência Estadual

1.5 Região do país

Nordeste

1.6 Identificação do(a) autor(a) responsável

Nome Cargo/Função Município
Egla Ray Passos Costa Coordenadora de Monitoramento e Avaliação Salvador

1.7 Eixo temático da experiência

Eixo 4 - EAN em outros campos de prática

1.8 Público participante da experiência

Comunidades/famílias em vulnerabilidade socialFamíliasPovos Indígenas e Povos e Comunidades TradicionaisProdutores de alimentos da agricultura familiar

1.9 Onde esta experiência foi desenvolvida

saúde
ASSISTÊNCIA SOCIAL
EDUCAÇÃO
SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL
Cozinha Comunitária
OUTROS
Centro/Associação Comunitária
Organizações Produtivas beneficiárias do Projeto Bahia Produtiva
1.10 Na avaliação do grupo responsável esta experiência atendeu e/ou promoveu os seguintes princípios
todas as pessoas têm o direito de ter acesso à alimentação adequada saudável
apoio ao desenvolvimento sustentável

Por favor justifique/comente sua resposta

O Bahia Produtiva é um projeto de apoio ao desenvolvimento rural sustentável no Estado da Bahia por meio do fomento à agricultura familiar e tem como um dos seus objetivos de desenvolvimento aumentar a segurança alimentar e nutricional dos sujeitos de direitos assistidos pelo projeto. Nesse contexto, foi elaborado o Plano de Ação de Promoção da Segurança Alimentar e Nutricional com o objetivo de aumentar a diversidade dietética do consumo alimentar de famílias de agricultores e agricultoras familiares, das Organizações Produtivas apoiadas pelo Projeto. Para apoiar a Equipe do Projeto nesse processo, foi realizada a contratação da VP Centro de Nutrição Funcional, instituição especializada e com larga experiência em Nutrição e Educação. O objeto do Plano de Ação de Segurança Alimentar e Nutricional é a intervenção temática nos territórios, com abordagem de educação alimentar e nutricional, segurança e insegurança alimentar e nutricional, alimentação saudável e biodiversidade regional, e outros temas pertinentes e necessários que surgirem no andamento da ação, assim como uma pesquisa quantitativa e qualitativa. A finalidade do Plano é contribuir para o aumento da diversidade dietética e melhora da segurança alimentar e nutricional das famílias assistidas do Projeto Bahia Produtiva. Esse Plano traçou um conjunto de ações estratégicas de sensibilização, capacitação em diversificação das hortas e quintais, técnicas culinárias, valor nutricional de alimentos da biodiversidade local, cursos de formação, uma plataforma educativa e interativa e produção de conteúdo elaborado pela VP para as equipes de Assistência Técnica e Extensão Rural – ATER e Agentes Comunitários Rurais – ACR que apoiam os agricultores e agricultoras familiares e são financiadas pelo Bahia Produtiva, sustentando o princípio de que todas as pessoas têm o direito de ter acesso à alimentação adequada saudável.

2. OBJETIVOS E PRINCÍPIOS RELACIONADOS À EXPERIÊNCIA

2.1 Objetivo(s): Qual é/foi a finalidade das atividades desenvolvidas

A finalidade do Plano é contribuir para o aumento da diversidade dietética, consumo alimentar e melhoria da segurança alimentar e nutricional das famílias assistidas pelo Projeto Bahia Produtiva.

2.2 Os objetivos e as atividades desenvolvidas adotaram de maneira explícita algum ou alguns dos princípios do Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para Políticas Públicas

I - Sustentabilidade social, ambiental e econômica
III- Valorização da cultura alimentar local e respeito à diversidade de opiniões e perspectivas, considerando a legitimidade dos saberes de diferentes naturezas
VI- A Educação enquanto processo permanente e gerador de autonomia e participação ativa e informada dos sujeitos
VII- A diversidade nos cenários de prática
IX- Planejamento, avaliação e monitoramento das ações
2.3 Quais temas/diretrizes dos Guias Alimentares para População Brasileira e/ou para Crianças brasileiras menores de 2 anos são/foram abordados na experiência?
Em atividades presenciais (comunidades) e virtuais (palestras com ATER e ACR) foram abordados os seguintes princípios do Guia Alimentar para a População Brasileira: 1. alimentação é mais que ingestão de nutrientes (valorização também das dimensões culturais, sociais das práticas alimentares); 2. Alimentação Adequada e saudável deriva de sistemas alimentares socialmente e ambientalmente sustentáveis (com destaque para a valorização dos recursos naturais e da biodiversidade local). Além disso, foram abordadas as recomendações para a escolha dos alimentos – foram trabalhadas as quatro categorias, com destaque os benefícios no consumo dos alimentos in natura e minimamente processados, e os impactos negativos para saúde e meio ambiente dos ultraprocessados. Também foram trabalhados os dez passos para uma alimentação adequada e saudável.
2.4 Vocês consideram que esta experiência pode contribuir de maneira direta ou indireta a um ou mais dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ?
ODS 2 - Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável
ODS 3 - Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades
ODS 6 - Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos
ODS 12 - Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis
ODS 15 - Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade

3. ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DA EXPERIÊNCIA

3.1 Como foi identificada a necessidade de realização desta experiência
Como parte das estratégias para cumprimento dos objetivos de desenvolvimento do Projeto Bahia Produtiva, verificou-se a necessidade de implantar um Plano de Ação de Segurança Alimentar para contribuir para o aumento da diversidade dietética, consumo alimentar e melhoria da segurança alimentar e nutricional de agricultores e agricultoras na Bahia. Todas as pesquisas indicam que o público mais afetado pela insegurança alimentar e nutricional e por deficiências nutricionais são as populações rurais.
3.2 Foi realizado algum diagnóstico da situação (observação da realidade, levantamento de demandas junto ao público etc) antes de iniciar a experiência
Sim
descreva rapidamente
Como parte do Plano de Ação, foi prevista uma avaliação de caráter quali-quantitativa na qual foram aplicados questionários pelas equipes Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) em dois momentos: no marco zero (novembro/2019 a janeiro/2020), para a definição da linha de base; e no marco um (julho a agosto/2022). Os questionários contemplam questões referentes ao Inquérito de Segurança Alimentar, Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA), Questionário de Segurança alimentar e Avaliação de Sinais e Sintomas associados com Consumo Alimentar. Os Técnicos de ATER foram treinados para atuar na aplicação de questionários, para sensibilização do público-alvo e capacitados ao longo da execução do Plano de Ação na temática de Segurança Alimentar e Nutricional, entre os marcos 0 e 1, para intervirem nas comunidades com apoio de materiais didáticos elaborados pela VP, como cartilhas e vídeos. Com a análise dos dados dos questionários respondidos, antes e após as intervenções, foram elaboradas pela VP as Avaliações. O Plano será finalizado com a divulgação dos resultados pela CAR e com uma devolutiva, realizada pelos técnicos de ATER, para as comunidades que sofreram intervenções.
3.3 Como foram definidos as prioridades e objetivos da experiência
A finalidade da experiência foi descrita nos objetivos de desenvolvimento do Projeto, na época da sua criação, que é proporcionar qualidade de vida às comunidades rurais, por meio do acesso a água e aos serviços de saneamento para uma melhor saúde pública e, também, da diversificação de cultivos para uma melhor nutrição e segurança alimentar. Dessa forma, se fez necessária a implementação de um Plano que assegurasse o fortalecimento da segurança alimentar dentre os beneficiários do Projeto. As prioridades foram definidas com base no modo de operação do Projeto, que conta com equipes de Assistência Técnica e Extensão Rural nos 27 Territórios de Identidade da Bahia e tem como beneficiários produtores rurais vinculados a Organizações Produtivas atendidas por essas equipes de ATER.
3.4 Os sujeitos da ação participaram das etapas de planejamento da experiência?
Sim
sim, em quais etapas e como participaram ?
Os sujeitos da ação são os técnicos de Assistência técnica e Agentes Comunitários Rurais – ACR a VP e a equipe técnica do Projeto Bahia Produtiva. O plano foi elaborado pela VP, com validação e apoio dos técnicos do Projeto Bahia Produtiva, e executado diretamente nas comunidades pelos técnicos de ATER e ACR, principalmente. As ações foram previstas no Plano de Segurança Alimentar e Nutricional e iniciadas com um treinamento prévio das equipes de técnicos de assistência técnica e extensão rural pela VP, depois para os ACRs no qual envolveu atividades de planejamento das ações, como exercício da abordagem metodologias participativas e atividades práticas de plantio e culinária a serem realizada com os beneficiários para sensibilização sobre o tema, além de apresentação de conteúdo como cartilhas, vídeos e metodologias para utilização nas ações de campo desses técnicos.
3.5 Foram desenvolvidas metodologias ativas como estratégias pedagógicas para a EAN
Sim
Se sim, indique a(s) metodologia(s) com uma breve descrição
1. Aprendizagem baseada em projetos e plano de ação – no curso sobre San os alunos (Acrs e Ater) são estimulados a produzirem um plano de ação que estejam conectados com as suas atividades e metas desenvolvidas nas comunidades que atendem. 2. Problematização da realidade – em todas as etapas do projeto sempre foram levantadas questões e reflexões relacionadas às realidades nas comunidades, espaços de atuação dos ATER e ACR, como forma de estimular a inserção dos diversos atores no trabalho em equipe.
3.6 Foram utilizados recursos materiais nas atividades desenvolvidas
Sim
sim, quais recursos?
Foi desenvolvido material didático de apoio à formação das equipes técnicas e das famílias beneficiárias do Projeto Bahia Produtiva na temática de Segurança Alimentar e Nutricional que já foram compartilhadas. Até então, foram disponibilizadas 25.000 mil cartilhas nas comunidades, subdivididas nos temas de Plantas Alimentícias Não-Convencionais com técnicas de plantio, culinária e nutrição. Ainda está prevista a produção de cartilhas que trarão conteúdo sobre propriedades e demais informações sobre 15 plantas medicinais; informações sobre os alimentos convencionais dos biomas Cerrado, Mata Atlântica e Caatinga; e os benefícios dos alimentos regionais e das Plantas Alimentícias convencionais (PANC). Foram elaborados diversos vídeos educativos usando como base o Guia Alimentar para População Brasileira para tratar de alimentos processados e ultraprocessados, gorduras, carboidratos e proteínas. Também foram distribuídas mudas de PANCs entre os técnicos de ATER para replicação e criação de pequenos bancos de germoplasma nas comunidades Outros materiais didáticos foram disponibilizados de forma digital devido ao período de isolamento social ocasionado pela pandemia, como cursos, vídeos e cartilhas. Para ampliar o alcance das formações e o acesso aos conteúdos, foi desenvolvida a Plataforma on line, SAN Bahia Produtiva. O principal objetivo da Plataforma é promover sistema remoto, informativo e educacional em SAN disponível aos técnicos de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER); Agentes Comunitários Rurais, equipe técnica do Estado, agricultores familiares, beneficiários do projeto e toda população interessada nessa temática.(Todo conteúdo produzido está disponível na plataforma SAN Bahia Produtiva: https://sanbahiaprodutiva.com.br/, fora do ar temporariamente devido ao período eleitoral).
3.7 Sua experiência se configura no desenvolvimento de materiais educativos e desenvolvimento de tecnologias sociais a serem aplicados por outros profissionais?
sim
Descreva sobre o material/tecnologia social
A experiência foi uma inovação no tema de Educação Alimentar e Nutricional para a garantia da Segurança Alimentar e Nutricional. A estratégia contou com a ampla capacitação das equipes de assistência técnica que apoiam as famílias assistidas pelo Projeto Bahia Produtiva. Um dos cursos ministrados durante a ação, foi para formação de Agentes Rurais de Segurança Alimentar para ACR e ATER, na maioria são jovens das comunidades que possuem função de multiplicar o conhecimento junto às famílias. Também foram realizados fóruns e cursos nos quais contaram com a presença de profissionais de saúde da Bahia para sensibilização e discussões sobre a temática. A produção de materiais didáticos como vídeos e cartilhas e a disponibilização na Plataforma sanbahiaprodutiva propiciou a multiplicação e alcance do conteúdo em todo o território baiano e no Brasil, promovendo divulgação de conteúdos e troca de experiências, reflexões sobre padrão de consumo e a possibilidade de se alimentar de modo saudável com redução dos recursos financeiros, redução de desperdício e utilização dos alimentos da biodiversidade local; os aspectos ambientais e da sustentabilidade no sentido de fazer as pessoas decidirem diversificar o cultivo e preparação de alimentos, aliando essa ação à distribuição de propágulos e sementes de plantas alimentícias não convencionais para implementação de bancos comunitários de hortaliças tradicionais; Plantas Alimentícias Não-Convencionais (PANC), como um resgate dos alimentos tradicionais, plantas medicinais e alimentação saudável, tratadas à luz da importância das mudanças de hábitos alimentares; dentre outros temas vinculados à SAN. A Plataforma ainda indica onde buscar feiras agroecológicas e cadastra grupos e coletivos que comercializam produtos da agricultura familiar e cooperativas da Bahia.
3.8 Como a experiência foi avaliada e quais os resultados obtidos
Para avaliar os resultados do Plano de Ação de Segurança alimentar, foi realizada uma pesquisa quali-quantitativa na qual foram aplicados questionários pelas equipes Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) em dois momentos: no marco zero (novembro/2019 a janeiro/2020), para a definição da linha de base; e no marco um (julho a agosto/2022). Os questionários contemplam questões referentes ao Inquérito de Segurança Alimentar, Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA), Questionário de Segurança alimentar e Avaliação de Sinais e Sintomas associados com Consumo Alimentar. Alguns resultados preliminares – já que a pesquisa está em período de análise – apontam resultados relevantes: 1. PESQUISA QUALITATIVA 1.1 O tema PANC foi muito mencionado no marco zero, em oficinas e trabalhos de divulgação. Você percebeu um aumento na utilização deste recurso ao longo do período? – 86% dos ACRs e ATER responderam SIM e 14% responderam NÃO 1.2 . Nos descreva a que alternativas os grupos e comunidades assistidas recorreram para garantir sua Segurança Alimentar e Nutricional no período da pandemia. PANC como alimento é o grande destaque deste bloco de respostas; O retorno a trocas, e a familiar como centro da produção são pontos de alta relevância; O retorno do uso do quintal e da horta para autoconsumo é um resultado relevante parece esta vinculado a estratégia de um banco de sementes; Todas estas ações são impulsionadas por múltiplos parceiros e a ATER é mencionada como ação de base estratégica. 1.3 Nos descreva que novos caminhos foram trilhados nas comunidades/território que você atua, destacando os principais desafios para o projeto Bahia Produtiva no que se refere a políticas de SAN. Entre desafios o fechamento das feiras livres foi o pior, com afetação direta em cadeias logísticas; Entretanto, os grupos encontraram outros caminhos com o desenvolvimento do delivery, venda com uso do PIX, maquinas de crédito, entre outras formas que impulsionaram a inclusão digital; Ao mesmo tempo em que as comunidades se organizaram para atuar coletivamente, algumas dessas questões digitais levou fortaleceu algumas diferenças individuais, pautadas em níveis de inclusão digital. A digitalização levou a uma valorização dos produtos produzidos por grupos e comunidades. Destaque para PANC e Orgânicos. A produção de quintal e a valorização deste produto natural/orgânico favoreceu estratégias de produção familiar, mesmo com uma redução da produção de alimentos num primeiro momento. Família e comunidade são destaques nesta ação. 1.4 Nos descreva, se for possível, o papel dos jovens, mulheres e dos grupos mais experientes (matriarcas, patriarcas) no desenvolvimento de estratégias locais/regionais e, se houver relação, nos apresente como os conhecimentos ancestrais/tradicionais contribuíram para o fortalecimento comunitário. O papel do jovem é sempre controverso nos grupos e sociedades, entretanto, em mais de 80% das respostas, em que são citados, sua participação tem aumentado no projeto. Muito disso foi impulsionado por um retorno ao campo. Seja pelo fechamento compulsório da Covid-19, seja por uma valorização do trabalho no campo; A mulher é o grande destaque, sua participação é fundamental nas atividades do projeto, na troca de conhecimentos na comunidade, na manutenção da economia e produção familiar, na produção de alimentos e no resgate dos conhecimentos tradicionais, sobretudo, quando se trata de cultura alimentar; O mais experientes (velhos) também são uma grande referencial local/comunitária, são tidos como mais resilientes, pois já viveram muitas crises, possuem mais conhecimento sobre agricultura e comércio; Desta forma, o projeto aparenta se destacar por seu um ponto de encontro entre o jovem, o mais experiente, com ênfase no papel da mulher para a produção e economia familiar, sentimental, cultural e alimentar dos grupos e famílias. 2. CONSUMO ALIMENTAR 2.1 Leguminosas e Cereais – Feijão Mangalô – aumento de 115% – Feijão Andú – aumento de 74% – Fava – aumento de 50% – Aveia – aumento de 40% 2.2 Frutas e alimentos da biodiversidade – Ora Pro Nobis – aumento de 244% – Maracujá da Caatinga – aumento de 26% – Pinha – aumento de 58% – Abacate – aumento de 93% 2.3 Consumo de Produtos Ultraprocessados – Guia Alimentar – Biscoito Recheado – redução de 24% – Refrigerantes – redução de 27% – Suco em Pó Artificial – redução de 59% 3. SINAIS E SINTOMAS – RESULTADOS – Dor no Estômago – redução de 57% – Dor Intestinal – redução de 76% – Constipação – redução de 53% – Diarréia – redução de 58% – Dor de Cabeça – redução de 39% – Sono – redução de 41%
3.9 Relevância: Na avaliação das/os responsáveis, essa experiência contribuiu para algum nível de mudança/melhoria da realidade alimentar e nutricional das pessoas envolvidas; e/ou gerou experiência/conhecimento que pode contribuir para a prática de EAN em outros momentos e realidades
Contribuiu principalmente na proposta de resgate aos hábitos alimentares tradicionais das comunidades rurais da Bahia. Os resultados preliminares mostrados ampliam nossa percepção dos benefícios trazidos pelo Plano de SAN muitas vezes em depoimentos das equipes de Assistência Técnica. Os resultados definitivos ainda serão apresentados após o período de análise pela equipe da VP Centro de Nutrição Funcional. Certamente essa experiência pode ser replicada, tendo como seu alicerce a prática de EAN voltada à capacitação dos agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural para torná-los multiplicadores de conhecimento e promotores de intervenções sobre a temática nas comunidades.

4. RELATO RESUMIDO DA EXPERIÊNCIA

Relato resumido da experiência
Em 2018 foi iniciado o processo para implementação de um Plano de Ação de Segurança Alimentar e Nutricional pelo Projeto Bahia Produtiva. Para apoiar a equipe na elaboração e na implementação do Plano, foi realizada no primeiro semestre de 2019 a contratação da VP Centro de Nutrição Funcional. A VP Centro de Nutrição Funcional, com participação da equipe técnica e da Coordenação do Projeto, elaborou um Plano de Ação. O Plano de Ação de SAN interviu nos 27 Territórios de Identidade da Bahia, por meio de ações diretas das equipes de Assistência Técnica e Extensão Rural. O Plano teve início em agosto de 2019 com a capacitação de 81 Técnicos de ATER e 151 ACR com a capacitação das equipes de ATER (Técnicos de Assistência Técnica e Extensão Rural e Agentes Comunitários Rurais) pela VP, com apoio da CAR, para sensibilização para a implantação do Plano de Ação com o objetivo de aumentar a diversidade dietética do consumo alimentar de famílias de agricultores e agricultoras familiares, foram definidas um conjunto de ações de Educação Alimentar e Nutricional – EAN para o público assistido. As equipes de ATER e ACR foram capacitadas pela VP para atuarem na aplicação de questionários de uma pesquisa quali-quantitativa. Com relação ao material didático, já foram 25.000 cartilhas compartilhadas nas comunidades, em 3 temas centrais: Plantas Alimentícias Não-Convencionais com técnicas de plantio, culinária e nutrição. Também foram produzidos 06 vídeos na temática de Educação Alimentar e Nutricional para replicação nas comunidades. A Avaliação Quali-quantitativa foi realizada em dois momentos no marco zero (novembro/2019 a janeiro/2020), para a definição da linha de base; e no marco um (julho a agosto/2022). Houve uma devolutiva após a primeira coleta para a linha de base. No período entre as coletas de dados, houve uma série de intervenções nas comunidades realizadas pelas equipes de assistência técnica, assessoradas pela equipe da VP. Com a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), a partir de março de 2020, foi iniciado um Plano Emergencial para manutenção dos serviços de ATER, o ATER à Distância, que propôs a realização das atividades de maneira remota. Nesse contexto, destaca-se o lançamento da Plataforma SAN Bahia Produtiva, que tem como objetivo realizar a formação, a divulgação e o acompanhamento das experiências de Segurança Alimentar e Nutricional no Projeto Bahia Produtiva. Nesse período também ocorreram encontros e oficinas por videoconferência entre a VP, a equipe técnica do Projeto Bahia Produtiva e as equipes de ATER com o objetivo de acompanhar, monitorar, fornecer apoio técnico e dar suporte às entidades de ATER pela equipe da VP. Uma importante intervenção de EAN que passou a ser realizada quando atividades presenciais se tornaram permitidas e mais seguras, foram atividades de EAN nas comunidades pela equipe de nutricionistas da VP que envolvem: visita aos quintais, utilização dos alimentos encontrados nesses para uma oficina culinária com discussão sobre técnicas dietéticas, valor nutricional e degustação de novas receitas. Essa ação na comunidade tem estimulado a troca de receitas e elaboração de novas receitas pelas comunidades com a incorporação de alimentos da biodiversidade local. Outras ações realizadas, no âmbito do Plano de Ação, foram: Curso de Extensão em Segurança Alimentar e Nutricional, online, voltado para os Técnicos de ATER e ACR; Curso de Agroecologia e Nutrição, também online, voltado para estudantes da área de saúde, ciências agrárias e sociais, além do público em geral dedicado ao tema de Segurança Alimentar e Nutricional; três workshops de culinária em cozinhas comunitárias das entidades que participam das intervenções de SAN; produção de conteúdo sobre plantas medicinais e promoção e estímulo à produção de alimentos; e o desenvolvimento de dois produtos de origem da agricultura familiar, o mel e o licuri. A análise dos dados dos questionários aplicados está em andamento para divulgação final. Ao final do Plano de Ação, haverá um evento para o fechamento e divulgação dos resultados, o Festival Presencial de Ecogastronomia Baiana. Nesse evento será apresentado um vídeo resumindo as experiências e resultados das atividades do Plano de Ação de SAN do Projeto Bahia Produtiva. Nele também deverá ocorrer o Concurso Culinária Afetiva, cujo objetivo é motivar e reconhecer as Entidades de ATER e ACRS, sendo uma oportunidade para colocarem em prática tudo o que aprenderam durante as ações SAN. Links da Experiência: ATER A DISTÂNCIA – SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL (DIREITO À ALIMENTAÇÃO) | BAHIA PRODUTIVA:https://www.youtube.com/watch?v=vSccImcRCUs ATER A DISTÂNCIA – SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL (ASPECTOS INSTITUCIONAIS) | BAHIA PRODUTIVA: https://www.youtube.com/watch?v=A8I8MBlVngg ATER A DISTÂNCIA – SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL (ORG DE BASE COMUNITÁRIA) | BAHIA PRODUTIVA :https://www.youtube.com/watch?v=u–Osn5Pv4Y ATER A DISTÂNCIA – SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL (SAN E NOVOS PARADIGMAS) | BAHIA PRODUTIVA: https://www.youtube.com/watch?v=2wuLGaIh_1A Boas práticas agropecuárias – Hortaliças PANC – Aula 1: Araruta: https://www.youtube.com/watch?v=HKQcNBmVbyk&list=PLpT_lsRa67chwr_61y9TypZ7I_MExT29v Boas práticas agropecuárias – Hortaliças PANC Aula 2: Mangarito: https://www.youtube.com/watch?v=ktk4jNIczJQ&list=PLpT_lsRa67chwr_61y9TypZ7I_MExT29v&index=2 Boas práticas agropecuárias – Hortaliças PANC Aula 3: Quiabo de metro: https://www.youtube.com/watch?v=rcW9dsVknwk&list=PLpT_lsRa67chwr_61y9TypZ7I_MExT29v&index=3 Hortaliças PANC – Boas práticas agropecuárias Aula 5: Vinagreira Cuxá: https://www.youtube.com/watch?v=E_9ZZ3-YP_E Uso de hortaliças PANC Aula 1 – PANC parte 1 – o que são e a diversidade dos usos:https://www.youtube.com/watch?v=eBLR7GkIAHE Uso de hortaliças PANC Aula 2 – PANC parte 2 diversidade de usos: https://www.youtube.com/watch?v=phtstBXr8MA Uso de hortaliças PANC Aula 3 – PANC parte 3 – usos e uma mensagem para aumentar a imunidade: https://www.youtube.com/watch?v=ONGhJU2-Mlw Mensagem aos beneficiários do Bahia Produtiva: https://www.youtube.com/watch?v=og7BWhYfR1M PANC: https://www.youtube.com/watch?v=HKQcNBmVbyk&list=PLpT_lsRa67chwr_61y9TypZ7I_MExT29v Segurança Alimentar em tempos de Pandemia: https://www.youtube.com/watch?v=vqONiSaHrns Consumo de PANCs no Semiárido – Parte 2/2 (incluso uma receita de pão de abóbora): https://www.youtube.com/watch?v=pdjc-BfaeQ0 Consumo de PANCs no Semiárido – Parte ½: https://www.youtube.com/watch?v=m8G68yJE04I ATER A DISTÂNCIA: Vídeo-aula 20 “PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO CONVENCIONAIS (PANCs) ”: https://www.youtube.com/watch?v=WxpDptlk2As ATER A DISTÂNCIA: Vídeo-aula 23 “A IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA FAMILIAR”: https://www.youtube.com/watch?v=CsgiFCMfk1M ATER A DISTÂNCIA: Vídeo-aula 26 “PARTICIPAÇÃO SOCIAL”: https://www.youtube.com/watch?v=BdY8Dszlew0 ATER A DISTÂNCIA: Vídeo-aula 35 ” SABERES DA ALDEIA GUAXUMA-PANC E PLANTAS MEDICINAIS: https://www.youtube.com/watch?v=GvKDnf-Oz-o ATER A DISTÂNCIA: Víde-aula 36 “CARTILHA PANC – PARTE 01”:https://www.youtube.com/watch?v=glf5DZ0jWTA ATER A DISTÂNCIA: Vídeo-aula 37 “CARTILHA PANC – PARTE 02: https://www.youtube.com/watch?v=iQDsy-dMvQw Plantas medicinais: https://drive.google.com/file/d/1JEdWjH5kvQfdR_KR5zgsv5pVoU–QErs/view?usp=sharing PANC: https://drive.google.com/file/d/1sbxj1ZskYG1claA-ELWKdtVfR06BYdxk/view?usp=sharing SAN- SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: https://www.youtube.com/watch?v=78-9QsZL-lo&feature=youtu.be&fbclid=IwAR2jITG20SPKx3UCH1f2wkae0K0XtLESHSwA2INEMxjKig9nE4I7PoTR0LY SAN- SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segurança Alimentar e Nutricional em tempos de pandemia: https://www.youtube.com/watch?v=_OqVh5wfruE&feature=youtu.be Teleconferência Educativa: Plantas Alimentícias Não Convencionais – PANC – Convidada Carla Tereza: https://www.youtube.com/watch?v=Y3JCzAweq40&feature=youtu.be; https://youtu.be/Y3JCzAweq40 NUTRISSANSIGDHANA: Melhorando a diversidade alimentar de agricultores familiares com incentivo à produção de alimentos regionais e PANCS: Análise preliminar do Projeto Bahia Produtiva e terá a apresentação de Valéria Pascoal e Jainei Cardoso. Instruções técnicas para conexão na webconferência: https://conferenciaweb.rnp.br/webconf/nutrissansigdhana *Alguns links estão fora do ar devido ao período eleitoral.

5. DOCUMENTOS

5.1 Campo para inserção de arquivo de imagens que documentaram a experiência
Campo para inserção de arquivo de documentos produzidos relacionados à experiência