Experiência de Betim/MG

Autoras:Leila da Cunha Meneses; Maria Aparecida Rodegheri.

Objetivo:O objetivo é mostrar nossa experiência ao longo dos três anos de funcionamento de uma das equipes do Programas de Internação Domiciliar do município de Betim/MG, designado Programa de Internação Domiciliar Sete de Setembro, implantado em outubro de 2009.Em Betim, a internação domiciliar tem como objetivos a desospitalização precoce e evitar a internação hospitalar, já que está instalada em uma unidade de urgência, pré-hospitalar, sendo alternativa para diminuir a sobrecarga desta. A humanização do atendimento e a melhora na qualidade de vida dos usuários do serviço, também integram o objetivo desta modalidade terapêutica. A referência para os usuários do programa é a Unidade de Atendimento de Imediato Sete de Setembro, servindo esta como retaguarda em caso de intercorrências. Os pacientes têm garantidos a realização de exames e o transporte sanitário, quando necessário. Os usuários do programa são provenientes de instituições públicas ou privadas.

Os critérios para a admissão são residir em nossa área de abrangência, domicílio com condições de acesso viáveis, presença do cuidador e condições de saúde estáveis que possibilitam a continuação do tratamento no domicílio.

METODOLOGIA

O estudo tem caráter descritivo e retrospectivo. Avaliou-se a experiência do Programa de Internação Domiciliar Sete de Setembro. Foram utilizadas informações sobre as internações referentes ao período de 27/10/2010 a 27/02/2013. Os dados coletados foram obtidos por meio de consulta aos relatórios mensais. Foram coletados dados como idade, gênero, diagnóstico, bem como a análise da progressão quanto ao número de pacientes internados, neste período.

RESULTADOS

Período: 27/10/2010 a 27/02/2013

Total de pacientes admitidos: 940

Idades:

0 a 19 anos: 16 pacientes
20 a 39 anos: 100 pacientes
40 a 59 anos: 248 pacientes
Acima de 60 anos: 576 pacientes

Patologias por aparelhos:

DVC: 99 pacientes, sendo prevalente o AVC (acidente vascular cerebral), com 38 casos.

DR: 373 pacientes, sendo prevalente a PNM (pneumonia), com 248 casos.

DU: 205 pacientes, sendo prevalente a ITU (infecção do trato urinário), com 145 casos.

DMH: 5 pacientes

UPLC: 58 pacientes

CP: 53 pacientes

FO: 4 pacientes

Outros: 148 pacientes, sendo prevalentes os transtornos do pâncreas, vesícula e fígado, com 44 casos.

Sexo:
Feminino: 495
Masculino:445

Evolução das internações:
2010: 70 pacientes
2011: 296 pacientes
2012: 498 pacientes
2013: 76 pacientes

Tempo médio total de internação: 7,5 dias

DISCUSSÃO

A população assistida foi representada por 61% de idosos (acima de 60 anos) sendo uma excelente alternativa para acompanhamento destes doentes, desafogando o sistema hospitalar e trazendo vários benefícios a eles.

Dentre as doenças tratadas, destacam-se as pneumonias (PNM), as infecções do trato urinário (ITU) e o acidente vascular cerebral(AVC), prevalente em idosos e levando geralmente à hospitalização.

A PNM foi a principal responsável pelas internações. As doenças respiratórias correspondem a 39% do total de patologias encontradas.

Nos meses de inverno , os casos de pneumonia são mais frequentes. Isso explica a média de internações por dia em 2013 ainda ser menor que do ano anterior por não estarmos ainda no período de maior incidência da principal patologia desta população. Mas mesmo assim a média de 1,31 pacientes internados por dia é muito superior a média de 0,81 de 2011.

A evolução e crescimento do programa se deram em função dos resultados positivos trazidos para a Unidade de e para os usuários, o que garantiu uma maior segurança nas admissões. A variação da média de internação por dia omite o real crescimento do programa e suas internações, uma vez que foram analisados dados anuais fracionados. No ano de 2010 o período analisado foi de 65 dias (27/10 90até 31/12), enquanto no ano de 2013 foi de 58 dias (01/01 até 27/12).

O tempo médio de internação (7,5 dias) é justificado em função da prevalência de quadros agudos, de tratamento mais rápido.

O estudo teve início a partir do prontuário de número 100, uma vez que não tínhamos dados suficientes registrados nos prontuários anteriores a estes, ou seja, na realidade foram mais de 1040 pacientes assistidos desde a implantação desta modalidade assistencial.

CONCLUSÃO

Temos no Programa de Internação Domiciliar, uma ferramenta auxiliar de importância fundamental na otimização dos recursos financeiros públicos, pois o número expressivo de internações, em caráter ascendente, vem evidenciar sua utilidade para integrá-la no escopo de práticas bem sucedidas. Integra de maneira peculiar e indispensável, em um momento onde os leitos hospitalares são insuficientes para atender de maneira satisfatória a demanda crescente de pacientes.

A importância do olhar para o paciente em seu domicílio vem resgatar sua cidadania em um momento de fragilidade perante sua doença. Passa a ressignificar o trabalho dos funcionários envolvidos, pois passam a ser vistos como parceiros, estabelecendo um vínculo que modernamente vem se desgastando nas portas das urgências.

A resposta terapêutica adquire uma ampliação expressiva, pois ela absorve, além dos medicamentos, a força terapêutica anímica que irá atuar diretamente na imunidade individual, por oferecer bem estar.

Diante de todos os números significativos de internações hospitalares que foram evitadas, acreditamos que a ampliação do programa em um contexto nacional, deva ser estimulada, como recurso público fundamental como garantia do direito de cidadania, com tratamento dignificado.

Sem título1 Sem título2

Contatos:

1-Maria Aparecida Rodegheri
Tel: 031 91376484 email: rodegheri2004@yahoo.com.br

2-Leila Cunha Meneses
Tel: 031 88697640 email: leila.cunha.meneses@hotmail.com

Eixo: Cuidado

Instituição Proponente: Uai Sete de Setembro

Endereço: Avenida Bandeirantes ,440

Centro-Betim
Minas Gerais
CNPJ:18715391/0002-77

 

 

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Comentários