APSREDES

Promoção ao consumo de frutas, legumes e verduras a partir de um Programa Multiprofissional de Tratamento de Obesidade

Autores do relato:

Raquel Tomiazzi Utrila raqueltomiazzi@hotmail.com (44) 99838-3530

Contextualização

centro da microrregião local. Sua altitude e de 425 m e sua área total é de 1 202,266 km². Em 2020, a sua população foi estimada em 88 922 habitantes, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística A Rede Básica de Saúde de Paranavaí apresenta cobertura de 100%, e as 24 equipes de Estratégia Saúde da Família cobrem 93,69% da população. Em relação à atenção secundária e terciária de saúde, Paranavaí conta com 204 leitos hospitalares, sendo 125 leitos destinados ao SUS. Dentre a população adulta atendida pela Rede de Atenção Primária à Saúde do município, 68,28% estão acima do peso e, destes, 34,24% estão obesos (BRASIL, 2020g; BRASIL, 2020h; BRASIL, 2020i; BRASIL, 2020j) As altas taxas de obesidade, acompanham o desenvolvimento econômico e as mudanças no estilo de vida das pessoas, onde o consumo de alimentos ultra processados e de baixo valor nutricional é cada vez maior acompanhado do sedentarismo. A obesidade é uma doença crônica de origem multifatorial, que envolvem fatores psicológicos, econômicos e sociais. Além disso, é o principal fator de risco para outras doenças crônicas como a hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares, que são a principal causa de morte em todo o mundo. Assim, seu tratamento requer uma abordagem multiprofissional. O tratamento da obesidade requer a educação em saúde voltada para o incentivo de boas práticas alimentares e para a prática de atividades físicas, além da identificação dos fatores que levaram o indivíduo a se tornar obeso. Como por exemplo, os transtornos psicológicos, o acesso aos alimentos e o sedentarismo.

Justificativa

A partir do reconhecimento da obesidade como uma grave doença e dos princípios administrativos do município voltados para a integração dos diversos setores em prol do acesso dos munícipes a serviços que contemplem a mudanças para o tratamento desta condição, implementamos o Programa Multiprofissional de Tratamento de Obesidade.

Objetivo

O Programa Multiprofissional de Tratamento de Obesidade, tem como principal objetivo o incentivo à adoção de um estilo de vida saudável. As ações do Programa são desenvolvidas pelas Secretarias Municipais de Saúde e de Esporte e Lazer, otimizando a utilização dos recursos físicos, humanos e materiais disponíveis no município.

Metodologia

A equipe do Programa é formada por profissionais das áreas de medicina, enfermagem, psicologia, nutrição e educação física. Estes profissionais realizam uma abordagem cognitivo-comportamental, para promover a mudança no estilo de vida destas pessoas. O Programa tem a duração de 16 semanas, período em que os pacientes participam de grupos terapêuticos e de atividades físicas coletivas. Após um período de adequações do modelo proposto, realizado a partir de um “grupo piloto” no período de março a junho de 2021, iniciamos no mês de julho de 2021 o tratamento do primeiro grupo, formado por adultos com obesidade.

Atores envolvidos (institucionais e/ou coletivos)

Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, Secretaria Municipal de Saúde e Universidades convidadas.

Estratégias

Antes do início da atividades do programa, os pacientes são submetidos a avaliações de marcadores bioquímicos, através da coleta de exames laboratoriais, avaliação do condicionamento físico, através de testes que verificam a composição corporal, a aptidão cardiorrespiratória, força muscular e flexibilidade destas pessoas. Além disso, são aplicados questionários que refletem o consumo alimentar, a qualidade de vida e os níveis de ansiedade e depressão. Todas essas avaliações permitem aos profissionais de saúde compreender os prejuízos que a obesidade traz a estes indivíduos e fundamentar a abordagem para reverter esses prejuízos, compartilhando com os pacientes seu diagnóstico e estabelecendo metas para melhora em sua saúde. A partir do questionário de consumo alimentar, identificamos que entre os pacientes obesos atendidos pelo programa, mais de 30% não consumiam frutas frescas e mais de 20% não consumiam verduras e legumes. Somado a isso, 80% faziam uso bebidas adoçados. Esses números expressam o comportamento alimentar irregular e reforça a necessidade de ações para a mudança neste cenário. Indo de encontro com essa necessidade, o ano de 2021 foi escolhido para o incentivo ao consumo de frutas, legumes e verduras. Para incentivar o consumo destes alimentos, utilizamos como referencial teórico “NA COZINHA COM AS FRUTAS, VERDURAS E LEGUMES”, manual disponibilizado pelo Ministério da Saúde no ano de 2016. Além disso, orientamos os participantes para a importância da Soberania Alimentar, incentivando a práticas efetivas para o acesso aos alimentos, como o compartilhamento de espaços entre pessoas para plantar, cultivar, colher e caro, comer alimentos de manejo agroecológico.

Resultados alcançados

Mesmo com pouco tempo após o início das atividades do Programa, acreditamos que estamos no caminho certo, pelos relatos de mudanças no consumo alimentar e melhora na qualidade de vida das pessoas atendidas.

Considerações finais

A partir do reconhecimento da obesidade como doença e considerando sua etiologia multifatorial e recidivante, percebemos a necessidade de incentivar a mudança no comportamento alimentar e no incentivo a prática de atividades físicas. Além disso, existe uma dicotomia que leva o indivíduo ao ganho do peso, ou seja, o aumento do consumo alimentar e sedentarismo levam ao aumento do peso que consequentemente acarreta distúrbios psicológicos, motores e cardiovasculares. Por outro lado, as consequências desta doença levam o indivíduo a se tornar ainda mais obeso, por conta de tratamento com medicamentos psicotrópicos, aumento da ingesta de alimentos e dificuldade do movimento. Nesse sentido, a abordagem ao paciente com obesidade deve contemplar toda essa multifatoriedade. Consideramos esta experiência inovadora porque otimizamos recursos já disponíveis no município e buscamos parcerias com universidades para complementar as ações do programa, para atingirmos de fato o objetivo proposto pelo programa que é a mudança dos hábitos.