APSREDES

Projeto Horta Urbana – Formiga

Autores do relato:

Anuar Teodoro Alves anuarteodoro@gmail.com 37)99988-134

Contextualização

O Projeto Horta Urbana parte do pressuposto da utilização de terrenos até então ociosos, para a implantação de hortas comunitárias, com o cultivo de diversas variedades de hortaliças, buscando promover assim a Segurança Alimentar e Nutricional de famílias em situação de vulnerabilidade social que moram no entorno das hortas. Nesse sentido, na cidade de Formiga, localizada na região oeste de Minas Gerais, o Banco Municipal de Alimentos deu início ao Projeto Horta Urbana no Bairro Maringá, e com isso tem conseguido levar à comunidade local, uma forma de diversificar a sua alimentação através de alimentos saudáveis, produzidos sem o uso de agrotóxicos e com o uso racional da água. Assim, isso se fez de grande valia, principalmente para aquelas famílias em maior situação de vulnerabilidade social e alimentar.

Justificativa

Nas últimas décadas na América Latina, o cultivo de hortaliças nas áreas urbanas vem sendo crescente como estratégia de auxílio na complementação nutricional, bem como na geração de renda para as pessoas com vulnerabilidade social. No Brasil, a realidade de pessoas nessa situação não é diferente, e assim, a agricultura urbana passou a ter grande ênfase com o apoio de governos e instituições locais (COUTINHO & COSTA, 2011; ALCÂNTRA, 2011; DIAS, 2013). Portanto, mais do que uma alternativa econômica, o modo organizacional desse tipo de iniciativa também favorece, incentiva e ensina preceitos agroecológicos, uma vez que boa parte destas hortas são baseadas em princípios de sustentabilidade, com utilização de agro-ecossistemas, e assim, preserva-se a biodiversidade do local (ALTIERI, 1998; GLIESSMAN, 2001). Logo, por se estruturar em questões mais ecológicas, a Segurança Alimentar e Nutricional também é atingida, uma vez que não se utiliza agrotóxicos e nem processos agressivos às hortaliças. Sendo assim, buscando-se favorecer a garantia da Segurança Alimentar e Nutricional da sociedade como um todo, implantou-se o Projeto Horta Urbana no Bairro Maringá, sendo este um bairro localizado na periferia da cidade e que possui muitas famílias em situação de vulnerabilidade social.

Objetivo

Os objetivos almejados para a Comunidade foram: – Produção de alimentos saudáveis, sem uso de agrotóxicos e com o uso racional da água, promovendo o acesso e a disponibilidade dos mesmos de forma solidária; – Proporcionar a Comunidade do Bairro Maringá o conhecimento da importância de uma alimentação adequada e a relevância do produtor rural como principal elo da cadeia produtiva de alimentos; – Conscientizar sobre o desperdício de alimentos, manipulação e higienização correta, bem-estar e cuidados com o meio ambiente; – Favorecer a criação de uma fonte de renda para a associação do bairro em prol da Comunidade; – Desenvolver práticas e hábitos alimentares saudáveis pela melhoria da dieta alimentar com a adição de verduras, legumes e frutas ao cardápio alimentar; – Realizar atividades de educação alimentar, nutricional e de economia solidária; – Garantir quantidade, qualidade e regularidade na produção agroecológica; – Garantir o acesso de todos os envolvidos aos alimentos frescos e saudáveis; – Promover a participação efetiva dos beneficiários da horta em sua gestão e manejo, de maneira tal que possam conseguir sua sustentabilidade alimentar, econômica e ambiental. Os objetivos almejados para os colaboradores foram: – Criar condições que possam favorecer o crescimento profissional dos estagiários e colaboradores que atuam na parte técnica da horta; – Possibilitar a vivência de uma experiência que proporcione o despertar de uma responsabilidade social aos estagiários e colaboradores, que lidam diariamente com as pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Metodologia

O local que até então era utilizado de forma indevida para o descarte de lixo, foi cedido pela associação dos moradores do bairro para que ali fosse implantado o projeto. O terreno conta com uma área de 1.260m², com capacidade de aproximadamente vinte e três canteiros de 1,20m x 45m. Para o início ao Projeto, foi realizada a limpeza do terreno e posteriormente foi feita a análise do solo para a verificação de possíveis deficiências e, se necessário, realizar as devidas correções para então dar início ao plantio das mudas e sementes de hortaliças. Posteriormente foi feito o cercamento da área, realizou-se a aração e gradeamento do terreno, seguida da correção do solo com adubação orgânica e, usando um trator e uma enxada rotativa, foi realizado o encanteiramento do terreno. O espaçamento e o número de covas para o plantio variou de acordo com as espécies a serem cultivadas em cada canteiro. Foi então, realizado o plantio das mudas e/ou sementes. A medida que as plantas se desenvolviam, foi realizada a capina manual dos canteiros, bem como o monitoramento de pragas e doenças que, quando presentes, eram combatidas com a aplicação de caldas orgânicas. No estágio de maturação das hortaliças a colheita foi realizada de forma manual, sendo que algumas espécies puderam ser deixadas para rebrota. Nos canteiros em que foi realizada a colheita, usando um motocultivador faz-se a preparação do solo, e o processo é reiniciado, com o uso de adubação orgânica quando necessário e o plantio de novas mudas. Vale ressaltar que é realizada a rotação de culturas nos canteiros para se evitar a proliferação de pragas. Todos os canteiros dispõe de sistema de irrigação implantado através de uma parceria com o Ministério Público de Minas Gerais, que funciona com um reservatório de água com a capacidade de 10.000 l e de uma bomba centrífuga que leva a água a partir de uma linha mestra, até as mangueiras de gotejo ou com micro aspersores.

Atores envolvidos (institucionais e/ou coletivos)

No Projeto estão envolvidas as seguintes instituições: Prefeitura Municipal de Formiga-MG, Banco Municipal de Alimentos de Formiga, Centro Universitário de Formiga – UNIFOR-MG, Ministério Público de Minas Gerais, Associação Regional de Proteção Ambiental – ARPA II, Carmeuse Brasil, Centro de Referência e Assistência Social – CRAS III, Associação Tatame do Bem, EM Arlindo de Mello, Colégio Santa Terezinha e Associação dos Moradores e Amigos do Bairro Maringá.

Estratégias

Para a implantação do projeto, foram firmadas parcerias entre a Prefeitura Municipal de Formiga-MG através do Banco Municipal de Alimentos, Centro Universitário de Formiga – UNIFOR-MG, Ministério Público de Minas Gerais, Associação Regional de Proteção Ambiental – ARPA II, a Carmeuse Brasil e a Associação dos Moradores e Amigos do Bairro Maringá, onde foi cedido o terreno até então não utilizado, maquinários, sistema de irrigação, mudas e sementes de hortaliças e adubação. Foram plantadas mudas e sementes de diversas variedades de vegetais, como, tubérculos (batata, cenoura, beterraba), frutos (quiabo, abóbora, tomate cereja, pepino) e folhosas (alface, couve, almeirão, mostarda, rúcula). Foram realizadas ações de conscientização do público alvo na comunidade (crianças, adolescentes, adultos e idosos). Essas ações foram realizadas em conjunto com o Centro de Referência e Assistência Social – CRAS III e com os alunos do projeto Tatame do Bem. A conscientização foi realizada através de palestras e atividades práticas na Horta Comunitária, como plantio, colheita e preparo das hortaliças. Além disso, os estagiários do Banco de Alimentos de Formiga, discentes do curso de Engenharia Agronômica, ministraram palestras e deram orientações sobre a condução da horta para a comunidade, sempre supervisionados por um professor do Centro Universitário de Formiga – UNIFOR-MG. A verificação da qualidade e sanidade dos alimentos produzidos fica sob a responsabilidade dos estagiários do Banco Municipal de Alimentos de Formiga. Depois de avaliados, os alimentos são doados à moradores da comunidade através da Associação dos Moradores e o excedente é encaminhado ao Banco Municipal de Alimentos de Formiga, que faz o repasse aos demais Centros de Referência e Assistência Social – CRAS e a entidades da rede socioassistencial do município de Formiga.

Resultados alcançados

O Projeto Horta Urbana no Bairro Maringá, já produziu mais de 2,5 toneladas de alimentos que foram doados à comunidade e, com isso, foi possível favorecer a melhoria dos índices de Segurança Alimentar e Nutricional na comunidade; Foi possível também conscientizar e ensinar à comunidade preceitos básicos de alimentação saudável, aproveitamento total dos alimentos, agroecologia e botânica; Os estagiários do curso de Engenharia Agronômica puderam participar de uma experiência que vai proporcionar crescimento profissional e senso de responsabilidade social que será muito importante para sua carreira; A partir dos bons resultados obtidos, o Projeto cresceu e foi possível a implantação de mais 12 unidades de Hortas Urbanas na cidade de Formiga-MG, favorecendo não somente a comunidade do Bairro Maringá, como também outras regiões da cidade, principalmente aquelas em que a população se encontra em situação de vulnerabilidade social e alimentar; Com a expansão das Hortas Urbanas, todo alimento colhido que não é consumido pela comunidade local, é distribuído em forma de Cestas Verdes para famílias em situação de vulnerabilidade social referenciadas nos CRAS do município; Podemos afirmar que o Projeto tem dado bons ótimos frutos. No entanto, algumas dificuldades ainda denotam melhorias que devem ser realizadas. Uma delas é que boa parte de moradores da comunidade ainda não se dispõe a ajudar nos cuidados das hortas, portanto, maiores incentivos podem ser realizados.

Considerações finais

Concluímos então, que a experiência com o Projeto Horta Urbana proporcionou às populações mais vulneráveis, uma possibilidade de melhorar suas condições de Segurança Alimentar e Nutricional, prevenindo assim diversos problemas de saúde que poderiam surgir devido ao consumo inadequado ou insuficiente de nutrientes diários ou no consumo de alimentos impróprios e prejudiciais à saúde.