APSREDES

Colha e Pague de Morangos

Autores do relato:

Zaida Regina Almeida da Silva zaida.silva@emater.df.gov.br (61) 999138084

Luciana Xavier Ramos luciana.ramos@emater.df.gov.br (61) 999535229

Contextualização

Brazlândia, segunda cidade mais antiga do Distrito Federal, está a 59 quilômetros do Plano Piloto. Possui economia baseada na produção agrícola e é considerada a maior região fornecedora de produtos hortigranjeiros do DF. A agricultura é, em grande parte, familiar. Brazlândia abriga a barragem do Rio Descoberto, que é responsável por cerca de 60% do abastecimento de água do DF. Possui grande potencial turístico em belezas naturais e festividades tradicionais e se destaca pelo volume de agricultores que cultivam morangos na região.

Justificativa

O projeto surgiu da necessidade de gerar mais uma possibilidade de renda dentro da propriedade rural e de propiciar uma maior aproximação da área urbana com a área rural, através da troca de experiências e da promoção da educação nutricional.

Objetivo

– Divulgar a cultura do morango para a população em geral; – Divulgar a produção agropecuária da agricultura familiar e da região; – Incentivar a produção local e a melhoria da qualidade dos produtos da região; – Aumentar a integração interinstitucional dos órgãos e entidades envolvidas; – Incrementar o intercâmbio técnico entre os produtores, pesquisa, extensão rural e iniciativa privada; – Mostrar ao público consumidor o funcionamento do cultivo de morango e como podemos ter o morango o ano todo; – Promover a educação nutricional e o incentivo ao consumo de morango; – Promover a interação campo x cidade; – Valorizar a produção agrícola local e a agricultura familiar; – Beneficiários: produtores rurais assistidos da região de Brazlândia.

Metodologia

– Divulgação da ação nas mídias sociais e mídias locais; – Inscrições durante a Festa do Morango, no estande da EMATER-DF – Deslocamento dos participantes até a propriedade rural. – Início da visita com uma breve explanação sobre: o histórico da propriedade e da família responsável pelo cultivo; curiosidades sobre o cultivo e a cultura do morango e orientações sobre os procedimentos para a colheita da hortaliça. – Os participantes realizam a sua colheita em cestas individuais em um canteiro selecionado com a duração de 20 minutos; – Após a colheita é oferecido aos participantes morangos e um suco de morango e os morangos colhidos podem ser levados pelos participantes e a visita é encerrada.

Atores envolvidos (institucionais e/ou coletivos)

Extensionistas rurais da Emater-DF, agricultores familiares e público urbano.

Estratégias

Formas identificadas para alcançar os objetivos: – O projeto Colha e Pague do Morango faz parte do Programa de Desenvolvimento do Turismo Rural/ Produção Associada ao Turismo da EMATER-DF: “Caminhos Rurais do DF” e teve sua primeira edição realizada em 2016, em caráter experimental, durante a 21ª Festa do Morango de Brasília; – O Colhe e Pague do Morango acontece em três fases: 1ª – Apresentação do projeto e adesão dos interessados. 2ª – Preparação da propriedade, através de reuniões e/ou visitas. 3ª – Realização da atividade de Colhe e Pague do Morango durante a 24ª Festa do Morango de Brasília, em Brazlândia-DF. Foram estabelecidos requisitos mínimos para que o produtor rural participe do programa, que são: -Possuir espaço adequado para receber os visitantes. -Ter área de plantio de fácil acesso. -Ter aderido ao Programa de Boas Práticas Agropecuárias (BPA) com o cumprimento de, pelo menos, 70% dos itens obrigatórios e 50% dos itens não obrigatórios do Plano de Adequação da Propriedade. -Ter disponibilidade de pessoal, de preferência da família, para receber os visitantes. -Ter compromisso em participar das visitas técnicas necessárias e das reuniões específicas. -No caso de fornecimento de alimentação aos visitantes é necessário que sejam seguidas as regras das Boas Práticas de Fabricação (BPF). Formas de comunicação: site da Festa do Morango de Brasília e da Emater-DF, redes de televisão.

Resultados alcançados

– Valorização da atividade e da agricultura familiar; – Incentivo e aumento do consumo do morango; – Inovação; – Maior proximidade da área urbana com a área rural; – Aumento de renda à agricultura familiar; – Oportunidade de comercialização do produto cultivado dentro da propriedade rural; – Aumento da carta de clientes dos agricultores participantes. Indicador econômico e social: – Número de visitantes: em média, 190 por dia.

Considerações finais

Por que é considerada inovadora? – Pode ser considerada uma opção diferente para os turistas e uma alternativa de geração de renda para o produtor rural. – É um incentivo importante para a adoção das boas práticas agrícolas e das condições higiênico-sanitárias adequadas da propriedade. Perspectivas de aplicação das práticas desenvolvidas em benefício de outras instituições, beneficiários e localizações: Há boas perspectivas de aplicação do projeto “Colha e Pague” em outras regiões, pois este projeto contribui para a economia da região, principalmente nas regiões onde a maior parte da população é rural.