APSREDES

Célula de Consumidores Responsáveis

Autores do relato:

Oscar José Rover oscar.rover@ufsc.br 48)98840443

Contextualização

As Células de Consumidores Responsáveis são um projeto do Laboratório de Comercialização da Agricultura Familiar (LACAF), sediado na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que promove a venda direta de cestas fechadas de alimentos orgânicos através de pedidos antecipados entre grupos de consumidores e grupos de agricultores. O pagamento é mensal e as cestas são entregues semanalmente. Os/as consumidores não escolhem quais produtos receberão mas sempre serão entregues: folhosas, frutas, legumes, raízes, temperos e/ou chás. Atualmente trabalhamos com 2 modelos de cestas: uma pequena com aproximadamente 4,5Kg, contendo a partir de 7 itens (R$32,00/semana); e uma grande com a partir de 7,5 Kg, contendo a partir de 12 (R$56,00/semana). A iniciativa se baseia em um projeto italiano denominado Grupo de Aquisição Solidária (GAS), que visa preço justo para agricultores e consumidores na comercialização de produtos agrícolas orgânicos/agroecológicos. Este modelo foi adaptado para a realidade catarinense e desde 2017 viemos aprimorando-o, iniciado com um grupo de 13 famílias agricultoras, 27 consumidores, e um único ponto de partilha . Atualmente a experiência conta com com 6 grupos de agricultores (todos com certificação orgânica pela Rede Ecovida de Agroecologia), que fornecem, semanalmente, mais de 500 cestas em 13 pontos de partilha em Florianópolis.

Justificativa

A ação se justifica por remunerar adequadamente as famílias agricultoras da região próxima a Florianópolis, fornecer alimentos limpos, bons e a preços justos para os consumidores, e criar uma tecnologia social replicável para outros contextos a nível nacional e internacional. Com a demanda dos consumidores, através das Células, se estimula a formação de cinturões verdes agroecológicos nos territórios rurais próximos a centros urbanos populosos.

Objetivo

O objetivo é remunerar adequadamente agricultores e agricultoras da região próxima a Florianópolis, fornecer alimentos limpos, bons e a um preço justos para consumidores da ilha e criar uma tecnologia social replicável em diferentes cenários a nível nacional e internacional.

Metodologia

Desde o inicio da experiência aconteceram diversos encontros presenciais com grupos de agricultores para montar o modelo da experiência, assim sendo construída uma lista mínima de diversidade que comporia as cestas pequena e grande, além de uma lista de produtos adicionais oferecidos a cada semana. Ao mesmo tempo foram feitas reuniões com grupos de consumidores interessados em receber cestas semanais de alimentos em seus locais de trabalho, escolas de seus filhos, etc. Os consumidores foram se envolvendo na iniciativa de forma crescente, assumindo responsabilidades por este novo modelo de comercialização, onde eles são atores participativos. Os alimentos são entregues semanalmente pelo grupo de agricultores em um ponto de uso comum de cada grupo de consumidores. Para cada Célula se cria um grupo de WhatsApp para facilitar o diálogo entre as duas pontas e o Lacaf faz a mediação deste processo, interferindo quando necessário com ações pontuais para o bom funcionamento da experiência. Anualmente são feitas reuniões entre as partes par alinhamento das informações e escolha de uma coordenação de consumidores que faz uma ponte mais direta com uma já existente coordenação de agricultores, na ideia de transformar este projeto numa ação auto gestionada por eles, agricultores e consumidores.

Atores envolvidos (institucionais e/ou coletivos)

Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo (CEPAGRO); Centro de Referencia em Assistência Social (CRAS -Capoeiras), Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Estado de Santa Catarina (FETAESC), Escola da fazenda, Paróquia Imaculada Conceição (bairro Lagoa), Cooperativa de Crédito Rural com Interação Solidária (CRESOL), Associação dos Moradores de Canasvieiras (AMOCAN),Bijajica.

Estratégias

Utilizamos como estratégia principal sempre trabalhar com grupos de pessoas, tanto na produção dos alimentos como no consumo destes, e ainda as parcerias de pontos de partilha se dão em locais onde trabalham outros grupos de pessoas e organizações que se interessam pelo projeto. Neste sentido o andamento das atividades se dá de forma mais horizontal e ocorre maior cooperação entre os indivíduos e grupos, e acreditamos que os frutos deste processo são mais duradouros. O trabalho participativo e cooperativo exige diversos momentos de conversa para dar continuidade a aprimorar a experiência, os quais são fundamentais para a construção de novas ideias que se adaptam as diferentes realidades dos participantes. Com diferentes grupos e organizações envolvidos foi necessário construir diferentes mecanismos de comunicação e diálogo, desde reuniões presenciais e online, passando pelo uso de mídias eletrônicas, até materiais educativos como cartilhas e vídeos, dentre outros.

Resultados alcançados

As Células garantem mercado com pagamento antecipado para os agricultores, ao mesmo tempo em que permitem acesso dos consumidores a alimentos saudáveis, a preços justos. Elas estimulam a produção e consumo de alimentos sazonais e diversificados, além de aproximar agricultores e consumidores por meio de reuniões, grupos de WhatsApp e visitas às propriedades agrícolas. Atualmente, percebemos um grande número de consumidores participando da experiência e conseguindo adquirir orgânicos em quantidade, qualidade e com um preço acessível; são mais de 500 cestas semanais. Contamos com 6 grupos de agricultores certificados participando do projeto e tendo sua venda garantida mensalmente, com pagamento antecipado, recebendo bons preços o ano todo e abastecendo a grande Florianópolis com aproximadamente 12 toneladas mensais de alimentos. Os números de crescimento da experiência, nos pouco mais de 3 anos de sua existência, mostram seu potencial para abastecimento de centros urbanos com alimentos saudáveis. A experiência também contribui para o aumento do número de agricultores orgânicos, pois abre mercado com pagamento antecipado, o que permite colher apenas o que já está pago, evitando desperdício de alimentos e permitindo aos agricultores comercializarem seus produtos sazonais. Porém, há desafios na participação ativa dos consumidores, ainda muito acostumados com o sistema convencional de comercialização, onde são apenas clientes do negócio e não consumidores ativos e contribuintes do processo. Neste trabalho também finalizamos duas cartilhas que orientam a criação de Células de forma autônoma por grupos de agricultores e consumidores em outros locais, sem a necessidade de apoio do laboratório.

Considerações finais

O Lacaf/UFSC entende que é urgente gerar experiências que garantam acesso a alimentos saudáveis e a preços justos aos consumidores, ao mesmo tempo em que se gere estímulos para que os agricultores que produzem esse alimentos se estimulem a permanecer na atividade, assim a valorização de produtos sazonais, a utilização de Plantas Alimentícias não convencionais (PANC’s) na composição da cesta e o pagamento antecipado são características que inovam, de certa forma, a comercialização e contribuem para a permanencia das pessoas do campo, inclusive a juventude. Além das raízes e poucos grãos orgânicos, os alimentos que predominam nas cestas e produções dos agricultores da experiência das Células são as frutas, legumes e verduras (FLV). Entendemos que para além de disponibilizar FLVs aos consumidores, é fundamental que estes tenham sido produzidos de forma sustentável, estejam isentos de contaminantes e que todo este processo estimule os agricultores que se dedicam a este tipo de sistema produtivo. É a isto que a experiência das Células de Consumidores Responsáveis se dedica. Estimulamos que se aplique este modelo de venda direta em outros locais, baseado nos materiais ja criados pelo LACAF, para contribuir com a agricultura familiar de base orgânica agroecológica e que essa replicação possa trazer melhorias no nosso modelo de atuar e contribua para a formação deste processo que vem se mostrando promissor.