APSREDES

Biodiversidade + Agricultura = Perspectiva

Autores do relato:

Clarissa clataguchi@gmail.com 2298120453

Contextualização

Cultivo 8 alqueires na cidade de Pilar do Sul – SP com agricultura regenerativa. Sendo destes, 3 alqueires são reservados à multiplicação de PANC (plantas alimentícias não convencionais) nativas do Bioma de São Paulo. Com o aprendizado de quase seis anos na multiplicação, replicação e domesticação destas espécies de plantas, compreendi seu potencial de regenerar solo e mata nativa. Aprendi a processar e cultivar em larga escala tais espécies, sendo meu atual trabalho, adequar as PANC para o beneficiamento industrial. Comecei o projeto na região serrana do Rio de Janeiro, em sistema agroflorestal. Fui convidada a conhecer o estado de São Paulo, tendo passado por dois de seus microbiomas. Em São Paulo, foi realizado um trabalho de agricultura regenerativa no município de São Carlos. Atualmente, estamos em Pilar do Sul, eu e minha família, onde a implementação do cultivo em larga escala deverá trazer os primeiros resultados. Fechei uma parceria com uma grande indústria de beneficiamento de alimentos vegetarianos e estaremos relançando nova linha baseada em sabores nativos nos próximos meses também. Devido à expectativa de demanda já alcançada, estou elaborando um projeto que deverá agregar outros biomas nacionais e uma cadeia de parceiros da agricultura familiar.

Justificativa

Entender a fundo sobre o que é plantar e colher o seu próprio alimento, é passar pelo processo de como me sustentar e cuidar de uma família no campo. Aprendi que apenas empreender não era suficiente, foi preciso inovar no campo. Porque se eu penso num futuro, eu preciso gerar impacto suficientemente positivo para oferecer esse futuro sadio aos meus filhos. Mas falar em futuro sadio parece simples, e não é. Percebi que a resposta que tanto buscava era Biodiversidade. Ao inserir Biodiversidade no meu prato, eu precisava plantar biodiversidade. E como se planta biodiversidade? São plantas que a gente não são simples de multiplicar, de usar em receitas, então, passei estes anos fazendo da minha vida um laboratório. Estas plantas são nativas de cada bioma do Brasil. Elas são florestas de pé. Ou elas são invasoras ou precisam ser adaptadas. Junto com as plantas, aprendi a me reinventar e conhecer seus sabores e características incríveis. O Brasil é o local mais rico em biodiversidade. E como a tratamos? Aprendi que estas plantas são mais resistentes às mudanças climáticas, são mais nutritivas, são ricas em potencialidades. E foi aprendendo com elas que consegui inovar no ramo da alimentação.

Objetivo

Tenho como meta gerar impacto suficiente para oferecer uma perspectiva de futuro à geração dos meus filhos. Uma perspectiva biodiversa onde o ser humano possa aprender com a natureza um caminho de futuro sadio e possível.

Metodologia

1) Identificação de espécies de planta por bioma. 2) Adaptação de espécies para cultivo de acordo com sua referência endêmica. 3) Introdução destas espécies em modelos agroflorestais e regenerativos. 4) Pesquisas sensoriais para beneficiamento. 5) Pesquisas nutricionais com referências em instituições de nutrição. 6) Criação de receitas e produtos. 7) Adaptação para industrialização.

Atores envolvidos (institucionais e/ou coletivos)

Montei uma empresa agroindustrial em Nova Friburgo, RJ. Contei com auxílio da vigilância sanitária local. Na pandemia, fomos convidados por instituições privadas para São Paulo estudar as possibilidades de aumentar nossa escalabilidade ao mesmo tempo que aperfeiçoava técnicas e receitas. Em Pilar do Sul, expandi o negócio realizando parceria com indústria privada. Atualmente, estou organizando um modelo de negócio que possa inserir outros biomas através de parcerias com pequenos e médios agricultores do país. Neste processo, recebi bolsa de estudo da Embaixada Britânica contemplando um programa de aceleração: Future Females. Também fui convidada a ser palestrante TEDx e outros eventos relacionados à COP26.

Estratégias

1) Uso das midias socias como ferramenta de comunicação. 2) Parcerias com universidades e faculdades de nutrição, química e engenharia de alimentos (RJ e SP). 3) Network pessoal para desenvolvimento de habilidades consideradas relevantes no desenvolvimento de startups. 4) Estudo e pesquisa sobre ferramentas das ODS e bioeconomia. 5) Desenvolvimento de metodologia própria na criação de receitas, produtos e domesticação de cultivos “selvagens”.

Resultados alcançados

1) Em 2019 alcançamos cerca de 5 mil clientes. 2) Fomos convidados a fazer parte de um seleto grupo de empresas para exportação através de traders da China e Europa. 3) Possuo mais de 50 receitas testadas e aprovadas (com feedback positivo). 4) Comercialmente, já lancei mais de 24 itens.

Considerações finais

Entendendo como a biodiversidade na agricultura pode se tornar um caminho no combate às mudanças climáticas, desenvolvi uma metodologia replicável que possibilita transformar a biodiversidade em escalas industriais. Ao mesmo tempo que regenera solo, água e agrega nutrientes à alimentação humana. Com a pesquisa, percebi também que a biodiversidade no campo também aumenta a resiliência de cultivos convencionais a até aumentando a resiliência de monocultivos.