APSREDES

Alimentação escolar, comunicação e difusão de FLV: Sabores da Agricultura Familiar e Viva Agroecologia

Autores do relato:

Ana Flávia Borges Badue anaflaviabbadue@gmail.com (11) 99925-8627

Regiane Nigro reginigro@gmail.com (11) 94852-1196

Contextualização

A série Sabores da Agricultura Familiar e a plataforma Viva Agroecologia são estratégias de comunicação online que tiveram como estratégia de implantação de projetos pilotos desenvolvidos no município de São Paulo, mas de alcance nacional. No caso dos programas Sabores da AF buscamos valorizar a experiência do município de São Paulo, que conseguiu comprar e entregar kits individuais para cada aluno com produtos da agricultura familiar, sendo alguns orgânicos, durante o primeiro semestre de 2021, mesmo com as escolas fechadas pela pandemia. O município possui uma lei regulamentada que prevê alimentação escolar 100% orgânica até 2026, o que deve impactar cerca de 2,2 milhões de refeições por dia (Lei 16140/15). A série foi um incentivo para gestores públicos e alunos da rede, destacando as condições favoráveis existentes no município que permitem a compra direta de agricultores orgânicos em feiras e pontos de venda direta, grupos de consumo ou entrega em domicílio. A plataforma Viva Agroecologia foi criada a partir de projeto piloto desenvolvido em uma escola, EMEF Desembargador Amorim Lima em São Paulo, com ações de ampliação de horta escolar com a introdução de uma maior variedade de PANC e a compostagem, que gerou diversos materiais de apoio gratuitos online, deu início a uma rede de viveiros de PANC, e em 2021 ampliou seu escopo para a arte educação a fim de estimular ainda mais a difusão da produção e consumo biodiversos de FLV nas hortas escolares, individuais ou comunitárias.

Justificativa

As duas estratégias de comunicação: Programa Sabores da Agricultura Familiar e o Viva Agroecologia estão articuladas para difundir a produção orgânica ou de base agroecológica da sociobiodiversidade da Agricultura familiar, valorizando a produção própria, escolar ou comunitária, visando atender e mostrar inicialmente a possibilidade de cumprimento da Lei 16140/15 e seu decreto de regulamentação Dec 56913/16, mas podem ser replicada em todos municípios e estados.Entendemos que o conhecimento sobre a origem dos alimentos (Sabores da AF) e o consumo de PANC (Viva Agroecologia) são estratégias que atraem o público ao promover educação alimentar ao valorizar a produção e a biodiversidade. Ou seja, respondem de “onde vem o alimento que consumimos” e como o sistema alimentar pode ser mais resiliente e ambientalmente saudável através da biodiversidade.

Objetivo

A série Sabores da Agricultura Familiar e a plataforma Viva Agroecologia querem contribuir para aproximar agricultores familiares, gestores públicos, educadores cozinheiros, alunos das escolas públicas e seus familiares, subsidiando as ações em Educação Alimentar e Nutricional para difusão da agricultura orgânica e de base agroecológica biodiversa.

Metodologia

A série de programas Sabores da Agricultura Familiar promove a agricultura familiar como principal fornecedora da alimentação escolar, em especial com alimentos orgânicos certificados, ou com alimentos de propriedades que estejam em transição agroecológica. Os vídeos mostram alguns agricultores e de onde vêm os alimentos que eles produzem para abastecer a alimentação escolar, e como esses alimentos estão presentes nas receitas de cozinheiros educadores que são reproduzidas por famílias de alunos da escola pública. Nos vídeos extras ainda há dicas para cultivar as PANC em casa e na escola e sugestões criativas e pedagógicas sobre alimentação saudável. A série é composta por 4 eixos temáticos principais e os conteúdos de todos os programas. Os 4 temas são: ”É possível”, que visa mostrar a possibilidade de políticas públicas de apoio, estrutura de comercialização direta de agricultores familiares orgânicos ou em transição em feiras, empórios, entrega e domicilio ou grupos de consumo; “De onde vem” que mostra a importância da agricultura familiar; “Conexão de sabores” que traz cozinheiros e propõe receitas com os alimentos da agricultura familiar entregues aos alunos e que é reproduzida por famílias da escola pública; “Dicas para cultivar PANC” em casa ou na comunidade e dicas criativas e pedagógicas, para estimular a autonomia das famílias e alunos.Todos os conteúdos estão sistematizados no site www.saboresagriculturafamiliar.org.br. A plataforma Viva Agroecologia promove as hortas escolares e as PANC incentivando que os conteúdos gerados como parte do currículo escolar, sua inserção no projeto político pedagógico da escola a partir de oficinas formativas para cozinheiras, professores e alunos e introdução no cardápio da escola a diversidade produzida na horta, a criação de materiais de apoio (foram produzidos cartilhas, vídeos e planos de aula) disponibilizados gratuitamente online. O site http://vivaagroecologia.org.br traz as publicações, vídeos, imagens, músicas e cursos que difundem as FLV biodiversas, dando dicas de cultivo e preparo e dicas pedagógicas para estimular seu consumo em hortas escolares, comunitárias ou individuais .

Atores envolvidos (institucionais e/ou coletivos)

A série Sabores da Agricultura Familiar Realização: Instituto Kairós, Secretaria do Verde e Meio Ambiente/UmapazConcepção: Instituto Kairós, MUDA- Movimento Urbano de Agroecologia de São Paulo, Coletivo, Bichos do Mato, Comissão Gestora de acompanhamento da Lei de Orgânicos na Alimentação Escolar Municipal de São Paulo, Conselho Municipal de Alimentação Escolar, Conselho Municipal de SAN, Forum Paulista de SAN, Agentes da Pastoral Negros do Brasil Entidades apoiadoras: MUDA- Movimento Urbano de Agroecologia de São Paulo, Coletivo Bichos do Mato, Comissão Gestora de acompanhamento da Lei de Orgânicos na Alimentação Escolar Municipal de São Paulo, Conselho Municipal de Alimentação Escolar, Conselho Municipal de SAN, Forum Paulista de SAN, Agentes da Pastoral Negros do Brasil , Sinesp, SindinutriSP, Horta da FMUSP, NUPENS- FSPUSP, Secretaria Municipal de Educação de São Paulo/Coordenadoria de Alimentação Escolar; Ciência, Cultura e Comida; Instituto Brasileiro de Nutrição Funcional ; Slow Food Comunidade, Rede Alimentação Escolar Orgânica, Instituto Brasil Orgânico, Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, ASPTA, TV Alimentação e Poder, Viva Agroecologia, Conselho Municipal de Alimentação Escolar, Conselho Municipal de SAN, Fórum Paulista de SAN, Agentes da Pastoral Negros do Brasil A plataforma Viva Agroecologia Realização: Instituto Kairós, Secretaria do Verde e Meio Ambiente/UmapazApoiadores em 2018: MUDA- Movimento Urbano de Agroecologia de São Paulo, Secretaria Municipal de Educação de São Paulo/Coordenadoria de Alimentação Escolar, EMBRAPA, Horta da FMUSP, Emef Desembargador Amorim Lima, CHAS – Comissão Horta, Alimentação e Sustentabilidade, RAS. Apoiadores de 2021: MUDA- Movimento Urbano de Agroecologia de São Paulo, Coletivo, Bichos do Mato, Horta da FMUSP

Estratégias

A construção do programa Sabores da Agricultura Familiar iniciou-se e foi concebida por um grupo de conselheiros e membros de comissões e entidades (conforme citadas no item atores envolvidos) ligadas à Educação Alimentar e Nutricional, o projeto foi realizado com recurso de emenda parlamentar pelo Instituto Kairós e Secretaria do Verde e do Meio Ambiente contando com a participação e parceria efetiva da Coordenadoria de Alimentação Escolar (CODAE) da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo/UMAPAZ, sendo esta parceria fundamental para o bom desenvolvimento e resultado da execução dos três programas. Houve também na construção o envolvimento dos diversos elos da cadeia da produção até o consumo final, com a participação de alunos direta de 06 a 14 anos no preparo das receitas. No caso da Plataforma Viva Agroecologia houve duas etapas de construção. A primeira em 2018 com o projeto piloto na escola pública (através de emenda parlamentar própria para o projeto-piloto), e em 2021 foram realizados, em conjunto com a série Sabores da AF, vídeos de arte-educação que complementam os conteúdos produzidos na primeira fase da plataforma. A construção em parceria com diversos atores permitiu o apoio na divulgação de todos os parceiros, sobretudo da CODAE que distribuiu o Guia Prático de PANC para todas escolas municipais, que divulgou os materiais em seus eventos de Educação Alimentar e Nutricional, bem como em seu site.

Resultados alcançados

O cumprimento dos objetivos da série Sabores da Agricultura Familiar foi total. Com o apoio da CODAE o público alvo da estratégia foi atendido, pois se conseguiu divulgar junto a todas unidades escolares do município. Para que se possa assistir a série de programas acessar: https://www.youtube.com/channel/UC-cnARTkfhR40fmHcxDbVSg ou no site que difunde a série: https://www.saboresagriculturafamiliar.org.br/A série também foi amplamente divulgada na página da CODAE:https://educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/programa-de-alimentacao-escolar/distribuicao-da-cesta-saudavel/A plataforma/site do Viva Agroecologia com todas as publicações online se encontra em: https://www.vivaagroecologia.org.br/Em termos de resultados da estratégia de difusão das FLV e PANC adotadas pelo projeto piloto Viva Agroecologia em 2018 em uma escola municipal, ela estimulou que a adesão à alimentação aumentasse de cerca de 36% para 70% de crianças comendo na escola. A escola passou a produzir mais de 40 espécies de PANC na sua horta e consumir duas a três vezes por semana sua própria produção, demonstrando a grande resiliência destas plantas mais adaptadas ao clima e que necessitam de muito menos manejo em relação a outras hortaliças de uso comum e que não são do nosso clima. Houve ainda a repercussão com a criação da Rede de Viveiros de PANC para outras escolas e o cultivo de mudas de PANC no maior viveiro municipal da cidade, o Manequinho Lopes, que desde então oferece mudas de PANC, sob demanda, para qualquer escola municipal. Na página da CODAE do site da prefeitura de São Paulo também deram divulgação ao material online produzido: https://educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/programa-de-alimentacao-escolar/recursos-educativos/hortas-escolaresTodos os materiais produzidos no projeto do Viva Agroecologia serviram de base para a criação de um curso online gratuito permanente em parceria da Embrapa com o Instituto Kairós que se encontra disponível na plataforma “e-campo” denominado: “Produção de hortaliças PANC para o consumo doméstico”, disponível no link: https://www.embrapa.br/e-campo/producao-de-hortalicas-PANC-para-consumo-domestico, curso que já teve mais de 30 mil inscritos.Entre os desafios de ambas experiências estão o suporte de apoio e recursos para sua continuidade e expansão para outras escolas e também em outros municípios e estados.

Considerações finais

A experiência de produzir materiais educativos e estratégias de comunicação para difusão do consumo de FLV e ainda da sociobiodiversidade tem demonstrado e despertado o interesse de um público não só de educadores, mas repercutido em diversos públicos, de diversas regiões do Brasil. Por estar atrelada à uma política pública que possibilita a democratização efetiva do consumo de alimentos orgânicos e biodiversos previstos em uma lei municipal da maior cidade do país, a torna inovadora. Esta tem sido também uma estratégia totalmente alinhada com o que prevê o Guia Alimentar para a população Brasileira e a resolução 6 de 2020 do FNDE que prevê que pelo menos 70% da alimentação escolar tem que ser de alimentos in natura ou minimamente processados. Da mesma forma estas estratégias estão totalmente alinhadas com os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e preconiza uma produção que gera menor impacto climático e propicia a economia circular. O maior desafio agora é buscar apoio para que estas estratégias de comunicação e educação se tornem a base para construção de programas de Educação Alimentar e Nutricional em rede de TV aberta para atingir um maior número de pessoas e que possa também contribuir com uma efetiva ação de educomunicação no combate à fome e a miséria.