#COVID-19 – Residentes em Medicina de Família e Comunidade atuam no teleatendimento da APS – experiência de Lucas do Rio Verde/MT

Autora: Fernanda Heldt Ventura

Coautoras: Merura Anjos Costa Marques, Karina Cristina Kopper e Naiara Monique De V. Matias

A equipe de residentes em Medicina de Família e Comunidade, da Secretaria Municipal de Saúde do município de Lucas do Rio Verde/MT, atua no teleatendimento aos usuários da Atenção Primária à Saúde. O serviço de teleatendimento foi o recurso utilizado pelas equipes para a continuidade do cuidado aos usuários pertencentes aos grupos de risco e para o monitoramento dos casos suspeitos/confirmados de COVID19. 

O município de Lucas do Rio Verde/MT possui cerca de 70 mil habitantes com 16 Unidades Básicas de Saúde distribuídas no território. O Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade, da Secretaria Municipal de Saúde do município, atua em quatro unidades. Na pandemia de COVID19, os residentes foram realocados para o Centro de Apoio às Crianças de Escolas Públicas com demandas psicológicas, com acesso aos computadores e telefones para realizar o teleatendimento.

Os profissionais atendem todos os dias, incluindo os finais de semana. No primeiro atendimento do usuário é realizado um questionário inicial para cadastro, antes da consulta. O prontuário online é sempre alimentado e todos os postos de saúde têm acesso ao histórico médico dos usuários. “Os médicos atendem por WhatsApp, somos o primeiro acesso do paciente, fazemos a triagem inicial. Só funciona atendimento online, caso precise de consulta presencial encaminhamos para UBS que atende COVID19 ou sintomas respiratórios. Atendemos às demandas do município todo, e além da COVID19, outras linhas de cuidado também, demandas gerais da APS, diagnóstico, informações sobre os fluxos novos durante a pandemia (onde estão sendo aplicadas as vacinas, a puericultura, o pré-natal, o teste do pezinho, etc) e atualização de receitas de uso contínuo”, explica Karina Kopper, médica residente em Medicina de Família e Comunidade.

Com o teleatendimento, o usuário não precisa ir até a Unidade de Saúde, o que evita a aglomeração e reduz o risco de contaminação do novo vírus. “Conseguimos prestar atendimento psicológico via telefone também. No início, os usuários tiveram dificuldade para entender o fluxo, depois virou um serviço essencial, tanto para eles, quanto para os profissionais de saúde, o teleatendimento vai continuar depois da pandemia”, relata Kopper. De acordo com o boletim enviado pela equipe de saúde, até o dia 31 de julho, foram realizados 9.020 teleatendimentos nesta nova modalidade.

RESOLUTIVIDADE DO SERVIÇO DE TELEATENDIMENTO VIA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE, EM LUCAS DO RIO VERDE

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Comentários