APSREDES

Atuação dos Consultórios na Rua no Distrito Federal no combate à COVID19 – integração do ensino com o serviço

capafiocruz

Autor: Marcelo Pedra Martins Machado

Coautores: Maria Fabiana Damásio Passos, João Paulo Almeida Brito da Silva e Guilherme Augusto Pires Gomes

O Plano de Ação Interinstitucional de Atenção às Pessoas em Situação de Rua (PSR) no Distrito Federal tem o objetivo de integrar as ações das Equipes de Consultórios na Rua (eCR) com as da Atenção Primária no enfrentamento da pandemia de Covid-19, visando proteger essa população mais vulnerável.

“Logo no início da pandemia, começamos a pensar no conjunto de estratégias e ações para as pessoas abrigadas e não abrigadas. Mesmo tendo o abrigamento como a melhor condição sanitária, é preciso também ter ofertas para quem opta por não se abrigar, é preciso respeitar e cuidar de todos”, explica Marcelo Pedra, psicólogo sanitarista e coordenador do NuPop, Fiocruz Brasília. O plano de ação foi desenvolvido para ampliar a capacidade de atuação da APS no DF, em parceria com o SUAS (Sistema Nacional de Informação do Sistema Único de Assistência Social), e construído pelo Núcleo de Pesquisa em  População de Rua (NuPop), pelos residentes do Programa de Residências da APS Medicina de Família e Comunidade, Multiprofissional em APS e Gestão em Saúde (Fiocruz Brasília), Secretarias de Saúde e Desenvolvimento Social (GDF) e pela Sociedade Civil.

 

O Plano de Ação conta com a atuação de 30 residentes e foi desenvolvido para durar aproximadamente três meses, sendo organizado em três ofertas de cuidado: atividades voltadas para Pessoas Situação de Rua (PSR) não abrigadas, com apoio clínico assistencial às equipes (eCR) e à ampliação das ofertas nas UBS para essa população; retaguarda especializada dos residentes da APS aos abrigos, orientação e qualificação da equipe dos abrigos para questões sanitárias dos espaços, uso de EPI, melhores formas de isolamento de sintomáticos (sem sinais de gravidade); e, qualificação e apoio às instituições da Sociedade Civil para manutenção das ofertas nas ruas, difusão de informações em saúde e apoio in loco.

“As eCR existem desde 2012 e são compostas por médico, enfermeiro, técnico de enfermagem e assistente social. São Equipes de Saúde da Família específicas para PSR”, explica Marcelo Pedra. Para o enfrentamento da Covid-19, foi oferecida formação específica aos residentes, sendo parte das disciplinas regulares da residência, como pesquisa e extensão. Além disso, o NuPop oferece supervisão semanal aos residentes. “Essa extensão na agenda do residente foi importante, pois ele se viu mediando conflitos, gerenciando crises e reduzindo danos, todos os dias”, relata Pedra.

“O plano de ação gerou uma maior aproximação com a assistência social, sobretudo com os abrigos, o que tem sido um sucesso, pois é uma aproximação que a APS não tinha. O GDF ampliou 550 vagas, 400 em abrigos provisórios e 150 em abrigos permanentes, todas as pessoas foram testadas e tivemos poucos casos positivos, menos ainda casos agravados. O fato é que a população é testada e a contaminação é baixíssima. Existe muito preconceito em relação à essa população”, conclui Pedra.

Consultórios na Rua – Plano de Ação para atenção da população em situação de rua, no DF.

APS FORTE NUPOP

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram