Assistentes Sociais utilizam tecnologias no combate à pandemia em Cascavel/PR

Autora: Rafaela Zulmira De Oliveira Moraes

Coautoras: Caroline Isabel Roemer, Christiani Bortoloto Lopes e Isabela Cristina Mannes

Com o objetivo de diminuir o risco de contaminação por Covid-19 e enfrentar a pandemia, as equipes de saúde do município de Cascavel (PR) reorganizaram o processo de trabalho por meio de teleatendimento (call center). Logo no início da pandemia, as Unidades de Saúde foram parcialmente fechadas para serem reorganizadas, o atendimento ficou online apenas com a dispensação de medicamentos de forma presencial.

Cascavel é dividida em três Distritos Sanitários, com 45 Unidades de Saúde, sendo 13 UBS, uma Unidade de Saúde Prisional, 31 Unidades de Saúde da Família, 50 Equipes de Saúde da Família; e conta com residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família, sendo 20 profissionais de serviço social, enfermagem e odontologia, e 15 de medicina.

Aos poucos, algumas unidades foram voltando a atender presencialmente casos específicos de Covid-19, dengue, doenças crônicas e gestantes, mas após  o agendamento pelo teleatendimento. Outras UBSs ficaram fechadas para atendimento direto ao público, porém trabalhando com as notificações de casos e dispensação de medicamentos receitados nos teleatendimentos. No fim de julho, com a organização via teleatendimento e com o modelo da planilha de monitoramento finalizada, todas as unidades de saúde passaram a assumir as demandas de seus territórios.

 

Transição para o novo modelo de trabalho

 

 

“Os residentes foram realocados para Secretaria de Saúde para o teleatendimento (call center) que funciona, das 7h às 22h, em turnos de 6h (com revezamento dos profissionais). Inicialmente era um call center com foco no atendimento de casos suspeitos de Covid-19 para evitar o contágio da população e fazer o manejo adequado dos pacientes. Porém, os assistentes sociais perceberam que a população ficou sem orientação e sem realizar procedimentos já encaminhados antes da pandemia. Daí criamos mais três call centers para atender outras demandas como: encaminhamento da consulta médica, renovação de receita, retirada de medicamentos especiais, vacinação, acompanhamento de saúde mental, atendimento às gestantes, aos usuários com doenças crônicas, pacientes com suspeita de dengue, etc”, explica Rafaela Moraes, assistente social e responsável pelo projeto.

Os residentes organizaram o fluxo de trabalho e usaram ferramentas para otimizar as atividades por meio das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), visando sistematizar os dados clínicos, facilitar o acesso às informações dos casos acompanhados via teleatendimento e auxiliar os usuários no acesso às demandas sociais apresentadas. Entre as ferramentas utilizadas estão teleatendimento, contato via WhatsApp, planilha do Google Drive (com dados da ficha de monitoramento e notificação dos usuários para que todos os profissionais de saúde, em qualquer UBS, tenham acesso) e CamScanner.

 

“Eu não posso tratar um usuário de doença crônica falando apenas para ele ir tomar remédio, preciso trabalhar o motivo da medicação e porquê é preciso tomá-la. O paciente não é só a doença, é o contexto social, precisamos verificar o contexto do usuário na doença, qual é o círculo de cuidado que ele tem? Como consegue se prevenir? Cada Unidade de Saúde tem um assistente social de referência com o intuito de promover educação popular de saúde, formas de autocuidado, qualidade de vida, e acompanhar a evolução das comorbidades na população idosa”, comenta Rafaela Moraes.

            Até o dia 27 de julho, foram realizados 19.629 teleatendimentos para acolhimento e monitoramento, 18.157 teleatendimento para demais demandas além de Covid-19, 4.745 casos de Covid-19 confirmados, 4.515 recuperados e 97 óbitos na cidade de Cascavel, que possui cerca de 360 mil habitantes.

“Esta experiência confirma a importância do assistente social envolvido com a equipe. Considero a experiência inovadora, porque foi desenvolvida de forma emergencial, e mostrou que é possível, através da tecnologia, melhorar a qualidade do atendimento. Conseguimos dar resposta rápida e atender os usuários em isolamento (gestantes, pacientes de doença crônica, etc) que precisavam de atendimento e estavam impossibilitados de acessar o serviço de saúde”, finaliza Rafaela Moraes.

 

Atuação do Assistente Social aliado ao uso das Tecnologias no combate ao Covid-19 em Cascavel/PR

Assistentes Sociais utilizam tecnologias no combate à pandemia em Cascavel/PR

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Comentários