APSREDES

12 de maio – Dia Internacional da Enfermagem

capa-09-05

A pandemia de COVID-19 teve um impacto significativo na saúde, na vida e nos meios de subsistência na Região das Américas, causando uma crise social e econômica marcada por desemprego maciço, empobrecimento e agravamento de desigualdades de longa data. A pandemia também expôs o subinvestimento crônico em recursos humanos para a saúde e a falta de sistemas com informações sobre a implantação, composição e atributos das equipes interprofissionais de saúde. À medida que os sistemas de saúde se expandiram, os países encontraram dificuldades para contratar, implantar, proteger e reter profissionais de saúde, incluindo apoio psicossocial para trabalhadores da linha de frente

Em 2021, a OMS adotou o documento Direções Estratégicas Globais sobre Enfermagem e Obstetrícia 2021–2025 , abrangendo quatro áreas políticas principais: educação, empregos, liderança e prestação de serviços. Suas recomendações incluem: 1) formar parteiras e enfermeiras suficientes com competências para atender às necessidades de saúde da população; 2) criar empregos, gerenciar a migração e recrutar e manter parteiras e enfermeiras onde são mais necessários; 3) fortalecer a liderança de enfermagem e obstetrícia em todos os sistemas de saúde e acadêmicos; e garantir que esses funcionários sejam apoiados, respeitados, protegidos, motivados e equipados para contribuir de forma segura e otimizada em suas configurações de prestação de serviços.

Na Região das Américas, enfermeiras e parteiras desempenham um papel essencial na obtenção de resultados de saúde graças à sua experiência, tamanho da força de trabalho e alcance em áreas remotas e entre populações vulneráveis ​​e grupos minoritários. No entanto, desafios persistem, como escassez (especialmente em áreas remotas), migração constante e crescente, condições de trabalho inseguras e indecentes, salários não competitivos e falta de conformidade ou regulamentações profissionais.

 

A OPAS pede o fortalecimento coletivo da força de trabalho de enfermagem.

 

Fatos

  • Existem aproximadamente nove milhões de profissionais de enfermagem na Região das Américas, representando mais de 56% dos recursos humanos para a saúde.
  • A Região das Américas continua sendo uma das mais desiguais do mundo, com milhões de pessoas sem acesso a serviços de saúde abrangentes, incluindo cuidados preventivos e paliativos.
  • Os sistemas de ensino de enfermagem entre os países são diferentes na Região das Américas, com inconsistências que vão desde as competências dos profissionais treinados, estrutura e revisão curricular e qualificações docentes.
  • A falta de professores com formação avançada e a má distribuição de programas educacionais na pós-graduação apresentam uma barreira significativa para preparar adequadamente a próxima geração de enfermeiros e expandir seu papel, especialmente nos serviços de atenção primária.
  • A definição do papel dos enfermeiros de prática avançada na América Latina ainda está nos estágios iniciais.
  • A Região das Américas está passando por uma escassez crítica de enfermeiros, com baixas taxas de retenção e alta rotatividade.
  • 79% dos Estados Membros da Região têm cargos de enfermeira-chefe em seus Ministérios da Saúde, mas apenas 46% implementaram efetivamente programas de treinamento de liderança em enfermagem.

Saiba mais – paho.org

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram