Gestor fala sobre as estratégias para fortalecer a Atenção Primária de Porto Alegre

Fortalecer a Atenção Primária à Saúde (APS) para melhorar o cuidado ofertado à população é prioridade para a gestão da Saúde no município de Porto Alegre, comandada pelo médico e pesquisador Erno Harzheim. O desafio passa pela ampliação da Estratégia Saúde da Família (ESF), visto que apenas 48% da população está adequadamente coberta por equipes de Saúde da Família completas e apenas 30% da população por Agentes Comunitários de Saúde (ACS), apesar da cobertura populacional estimada pela Atenção Primária no município ser de 62,5%. A informação consta no Plano Municipal de Saúde elaborado pela equipe para o período de 2018 a 2021.

“Temos um planejamento feito com muito cuidado, baseado nos dados disponíveis da Secretaria de Saúde, que são bastante variados e bem qualificados, usando muita ciência e lógica de organização de sistemas e serviços de saúde para tentar mudar a cara do  SUS em Porto Alegre”,  pontua Harzheim. As estratégias que buscam dar concretude as metas elencadas no Plano Municipal de Saúde (acesse o documento) passam pelo estabelecimento de novas parcerias governamentais para reorganização da rede de atenção. Segundo o secretário municipal de saúde, Erno Harzheim, são três eixos norteadores da gestão: ampliação do acesso dos usuários aos cuidados na APS, incorporação de tecnologia na APS e aprimoramento do complexo regulador da atenção à saúde.

“Em uma velocidade um pouco aquém do que seria esperado pela população, nós estamos ampliando o acesso a APS, sem perder de vista a melhoria na qualidade da atenção prestada”, afirma o secretário de Saúde, Erno Harzheim, apesar de reconhecer como lento o tempo para que a máquina administrativa dê materialidade às reformas no sistema sanitário da cidade. “Em março, inauguramos a primeira Clínica da Família em uma área de alta vulnerabilidade social,  funciona com seis equipes de ESF,  quatro equipes de saúde bucal, com farmácia clínica em um ambiente com alta qualidade de estrutura física, ao lado do ambulatório de teleoftalmologia”, cita Harzheim. (ver registro) Outra ação foi a ampliação do horário de funcionamento de algumas Unidades de Atenção Básica (UBS), para funcionar das 18h até às 22h. (ver matéria) Atualmente há duas UBS funcionando com horário estendido, localizadas no Centro e no Partenon. “A gente também está fazendo mudanças nas agendas das UBS para aumentar a  proporção de consultas  atendidas  no mesmo dia da procura pelo paciente, para atender melhor a demanda espontânea”, adianta o secretário.

O segundo eixo para o fortalecimento do sistema de saúde de Porto Alegre passa pela incorporação de tecnologia na APS por meio do apoio da telemedicina. “O objetivo é reduzir as filas de espera  das consultas ambulatoriais e também qualificar os serviços, tanto por atividades de telediagnóstico, teleducação e suporte assistencial”, explica o secretário Erno Harzheim. “Em breve iniciaremos o convênio com o Hospital Sírio Libanês e o TelessaúdeRS-UFRGS, para oferecermos aos médicos da APS suporte do telessaúde. Vamos elaborar também 16 linhas de cuidado nas doenças prioritárias da população, com a produção de protocolos clínicos sucintos e algoritmos fáceis de serem replicados desde APS à atenção hospitalar, e investir quase R$ 5 milhões em equipamentos e instrumental no município”, revela.

O terceiro eixo norteador da gestão faz frente à necessidade de aprimorar o complexo regulador da atenção à saúde.  “Nós estamos instrumentalizando o nosso complexo regulador com mais tecnologia, reforçando os recursos humanos e ampliando a sua capacidade de atuação. Dois softwares de regulação, um de consulta e um de internações, nos dão, em tempo real, o mapa de consultas e o mapa de leitos da rede de saúde. Por meio dos protocolos clínicos queremos deixar mais fluido o trânsito de consultas, exames e internações na rede. Com apoio do SAMU na atenção hospitalar secundária, estamos retirando pacientes com indicação de cuidados críticos  das unidades de Pronto Atendimento ou de hospital de baixa complexidade e transferindo para  hospitais de alta complexidade, com isso dando mais fluidez e celeridade no cuidado desses pacientes”, detalha Erno.

Segundo a Secretaria de Saúde, há na lista de espera para a atenção especializada em torno de 90 mil pessoas aguardando uma consulta, sendo a maioria para a ortopedia. “Estamos planejando para o mês de junho, um grande processo de capacitação dos médicos da rede em doenças osteomusculares, a fim de impactar na fila de espera em traumato-ortopedia que é a maior da cidade. Em janeiro passado, aumentamos a oferta mensal de 350 consultas para mais de 1000 consultas em ortopedia e, com um processo licitatório de troca de gestão de um hospital da cidade que teremos em meados do ano, vamos aumentar em mais 500 consultas em ortopedia”, planeja Harzheim.

As mudanças na Atenção Primária à Saúde de Porto Alegre estão sendo acompanhada pela estratégia do Laboratório de Inovação, desenvolvida pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). O objetivo é sistematizar e divulgar práticas de boa gestão e inovações que respondam positivamente aos problemas do setor saúde. A formalização da parceria ocorreu na visita da comitiva da OPAS em fevereiro (veja o registro).

Acompanhe abaixo trechos da entrevista concedida pelo secretário de saúde de Porto Alegre, Erno Harzheim, ao Portal da Inovação na Gestão do SUS, canal de comunicação que divulga as atividades do Laboratório de Inovação.

 

Recommend to friends
  • gplus
  • pinterest