APSREDES

Resultado Preliminar
1.1 Título da experiência

Propostas de atividades para a prática pedagógica em Educação Alimentar e Nutricional

1.2 Autores(as) da experiência

Nome Cargo/Função Município
ROSE ALINE DA SILVEIRA VIANA Nutricionista Raul Soares
Lorena Souza e Silva Professora universitária Ponte Nova

1.3 Organização(ções)/Instituição(ções) promotora(s) da experiência

Organização/Instituição
Faculdade Dinâmicado Vale do Piranga/Secretaria Municipal de Educação de Raul Soares

1.4 Cidade(s) e Estado (s)

Estado Cidade
Minas Gerais Raul Soares

1.5 Região do país

Sudeste

1.6 Identificação do(a) autor(a) responsável

Nome Cargo/Função Município
ROSE ALINE DA SILVEIRA VIANA Nutricionista RT PNAE Raul Soares

1.7 Eixo temático da experiência

Eixo 2 - EAN no campo da Educação

1.8 Público participante da experiência

AdolescentesAdultosComunidade em geralCrianças - 2 a 5 anosCrianças - 5 a 10 anosEstudantesFamíliasProdutores de alimentos da agricultura familiar

1.9 Onde esta experiência foi desenvolvida

saúde
ASSISTÊNCIA SOCIAL
EDUCAÇÃO
Escola Pública
Educação infantil
Ensino Fundamental
SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL
OUTROS
Ambiente de trabalho
1.10 Na avaliação do grupo responsável esta experiência atendeu e/ou promoveu os seguintes princípios
todas as pessoas têm o direito de estarem livres da fome
todas as pessoas têm o direito de ter acesso à alimentação adequada saudável
universalidade
integralidade
equidade
intersetorialidade
participação social
apoio ao desenvolvimento sustentável

Por favor justifique/comente sua resposta

Esses princípios foram trabalhados, considerando a transversalidade do ensino, a contextualização de conteúdos do currículo e o cotidiano/realidade dos estudantes. Dessa forma, tanto na formação docente quanto nas atividades desenvolvidas pelos alunos foi considerada a relevância da educação alimentar e nutricional de forma integral. Por isso, temas como direito à alimentação adequada e saudável e erradicação da fome são sempre considerados nas propostas, integrados a alguns Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Além de outros como a universalidade de acesso aos alimentos presente, por exemplo, na Constituição Federal; a integralidade, considerando os processos de produção e desigualdades de acesso; a equidade, levando a reflexão de que cada qual possui uma necessidade alimentar diferente e que deve ser atendida; a intersetorialidade, na tentativa de integrar diferentes setores nas propostas, bem como profissionais; a participação social, pois se trata de um tema proposto em várias políticas públicas, dentre as quais o PNAE e conta com diferentes atores para sua execução, dos quais podem contribuir para execução das atividades, principalmente considerando Nota Técnica nº 2810740/2022/COSAN/CGPAE/DIRAE; o apoio ao desenvolvimento sustentável também considerando os ODS, formas de produção dos alimentos, hortas urbanas, etc.

2. OBJETIVOS E PRINCÍPIOS RELACIONADOS À EXPERIÊNCIA

2.1 Objetivo(s): Qual é/foi a finalidade das atividades desenvolvidas

– Propiciar subsídios para o trabalho com o tema educação alimentar e nutricional (EAN) na sala de aula mediante instruções para formação de professores; – Promover hábitos alimentares saudáveis nos alunos, baseado na origem cultural, necessidades alimentares da faixa etária e disponibilidade dos alimentos; – Incentivar o respeito as diferentes culturas, bem como seu reconhecimento; – Conhecer o corpo humano, identificando suas partes, funções e necessidades nutricionais; – Identificar os alimentos saudáveis conforme classificação do Guia Alimentar, associando a sazonalidade; – Pesquisar sobre a higiene de alimentos, contaminantes e melhor forma de preparo, tomando cuidados para prevenção de acidentes; – Identificar as mudanças ocorridas nos espaços em função da produção de alimentos e seu impacto no ambiente; – Compreender a importância da preservação ambiental, sobretudo a água, solo e ar e a influência da poluição na alimentação e saúde; – Valorizar a produção de alimentos, principalmente local por meio do seu consumo e reconhecimento dos serviços dos trabalhadores do setor; – Diferenciar os alimentos de acordo com a parte utilizada e os principais nutrientes que contem; – Incentivar o respeito as diferenças corporais; – Compreender o papel das pessoas em diferentes ambientes, associando a datas comemorativas relacionadas a alimentação e nutrição, inclusive por meio de projetos de leitura.

2.2 Os objetivos e as atividades desenvolvidas adotaram de maneira explícita algum ou alguns dos princípios do Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para Políticas Públicas

I - Sustentabilidade social, ambiental e econômica
II- Abordagem do sistema alimentar, na sua integralidade
III- Valorização da cultura alimentar local e respeito à diversidade de opiniões e perspectivas, considerando a legitimidade dos saberes de diferentes naturezas
IV- A comida e o alimento como referências; Valorização da culinária enquanto prática emancipatória
V- A Promoção do autocuidado e da autonomia
VI- A Educação enquanto processo permanente e gerador de autonomia e participação ativa e informada dos sujeitos
VII- A diversidade nos cenários de prática
VIII- Intersetorialidade
IX- Planejamento, avaliação e monitoramento das ações
2.3 Quais temas/diretrizes dos Guias Alimentares para População Brasileira e/ou para Crianças brasileiras menores de 2 anos são/foram abordados na experiência?
Promoção da alimentação adequada e saudável: hábitos alimentares saudáveis e cultura alimentar; alimentos saudáveis e higiene de alimentos; impactos ambientais e modificação dos ambiente devido a produção de alimentos; sustentabilidade; valorização da produção local; importância de cozinhar o próprio alimento.
2.4 Vocês consideram que esta experiência pode contribuir de maneira direta ou indireta a um ou mais dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ?
ODS 2 - Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável
ODS 3 - Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades
ODS 6 - Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos
ODS 8 - Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos
ODS 10 - Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles
ODS 11 - Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis
ODS 12 - Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis
ODS 13 - Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos

3. ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DA EXPERIÊNCIA

3.1 Como foi identificada a necessidade de realização desta experiência
Os professores apresentam dificuldades em colocar em execução as práticas de educação alimentar e nutricional, seja por não conhecerem de forma adequada o tema ou por pensarem que os demais temas são mais importantes e a EAN toma muito tempo, comprometendo o que deve ser ensinado nas disciplinas. Dessa forma, surgiu a ideia de propor uma formação docente, incluindo temas relacionados a EAN, utilizando metodologias ativas de ensino e sugestões de atividades realizadas no país já validadas a serem executadas com os alunos.
3.2 Foi realizado algum diagnóstico da situação (observação da realidade, levantamento de demandas junto ao público etc) antes de iniciar a experiência
Sim
descreva rapidamente
Além das dificuldades relatadas pelos docentes em abordar o tema, posteriormente a execução da formação, a nutricionista considera na elaboração dos projetos as principais queixas das escolas em relação a alimentação escolar para elaboração das propostas de EAN. Assim, no ano de 2022 foram propostas atividades que incentivam o consumo de alimentos que os alunos dizem não gostar, e alimentos saudáveis que eram consumidos localmente, além do resgate de tradições (folclore) e inclusão da família nos projetos na tentativa de melhorar a alimentação dos alunos também na residência com apoio dos pais.
3.3 Como foram definidos as prioridades e objetivos da experiência
Considerando as principais queixas dos atores da comunidade escolar envolvidos nos processos de alimentação escolar em relação a alimentação dos alunos, além das considerações da Nota Técnica nº 2810740/2022/COSAN/CGPAE/DIRAE.
3.4 Os sujeitos da ação participaram das etapas de planejamento da experiência?
Não
sim, em quais etapas e como participaram ?
Cronograma, aquisição dos recursos, convite a comunidade, estabelecimento de parcerias, etc.
3.5 Foram desenvolvidas metodologias ativas como estratégias pedagógicas para a EAN
Sim
Se sim, indique a(s) metodologia(s) com uma breve descrição
– Storrytelling, utilizando ou adaptando livros com temas de alimentação e nutrição com participação da família; – Aprendizagem baseada em projetos temáticos interdisciplinares com temas de alimentação e nutrição com participação da comunidade escolar; – Pesquisa na internet e comunidade e entrevistas com a comunidade sobre hábitos e cultura alimentar; – Gamificação: utilização tanto de jogos digitais quanto produzidos em material físico sobre EAN, dentre os quais o Semáforo Nutricional que utiliza as cores do Semáforo em comparação com a classificação NOVA; – Painéis e cartazes com resultados das pesquisas e outras metodologias utilizadas; – Oficina culinária com a execução de receitas saudáveis, considerando os alimentos rejeitados pelos alunos e preparações da cultura local; – Dramatização/Leitura de livros literários sobre temas relacionados a alimentação e nutrição; – Construção de maquetes para visualizar as possibilidade de produção de alimentos sustentável e modificação do ambiente natural para o mesmo fim; – Produção de hortas escolares e/ou visita a hortas comunitárias para conhecer os processos de produção de alimentos, além de associar aos conteúdos trabalhados como solo, cadeia alimentar, produção de fotossíntese, etc.; – Visita técnica a indústrias de alimentos e agricultores familiares da cidade na tentativa de valorizar a produção e consumo e refletir sobre seus impactos no ambiente; – Realização de exposição/feiras para apresentar produtos locais, demonstrar as modificações na alimentação e seus resultados ao longo dos anos, além de objetos relacionados a produção e consumo.
3.6 Foram utilizados recursos materiais nas atividades desenvolvidas
Sim
sim, quais recursos?
Sucatas/material reciclável, cartolinas, papel pardo, data show, computador, pincel, cola, livros, papel, impressos, gêneros alimentícios, utensílios e equipamentos de cozinha, fantasias, isopor, tinta, itens de higiene (sabonete, papel toalha, creme dental…), etc.
3.7 Sua experiência se configura no desenvolvimento de materiais educativos e desenvolvimento de tecnologias sociais a serem aplicados por outros profissionais?
sim
Descreva sobre o material/tecnologia social
Primeiramente foi elaborado um guia com orientações para formação docente no formato de e-book que pode ser utilizado por nutricionistas, pedagogos, professores e outros profissionais que trabalham com educação e executam ações de educação alimentar e nutricional, constituindo-se em um processo de transferência de tecnologia/conhecimentos, principalmente considerando seu caráter transversal, sobretudo já considerando as diretrizes da BNCC. Além disso, como foram desenvolvidos projetos interdisciplinares na rede municipal após a formação docente sobre EAN que envolvem a comunidade e família, esses atores também obtém informações e conhecimentos em conjunto com os alunos para tornarem-se autônomos em suas escolhas alimentares e também na vida, pois um dos objetivos é abordar o empreendedorismo e educação financeira, não como profissionalização, mas como proposta de incentivo a valorização e divulgação da cultura local.
3.8 Como a experiência foi avaliada e quais os resultados obtidos
Os projetos não tiveram a adesão integral por todas as escolas, pois ainda há resistência por parte de alguns profissionais, porém a maioria tem executado as propostas integrando aos conteúdos abordados. Dessa forma, a participação da família, principalmente em escolas do campo onde há integração do conteúdo com o modo de vida e cotidiano dos alunos e família é alta, o que tem melhorado além de aspectos alimentares outros em relação a educação. Assim, a estratégia de formação docente e elaboração de projetos de EAN temáticos ou associados a datas comemorativas tem sido um recurso eficiente e barato.
3.9 Relevância: Na avaliação das/os responsáveis, essa experiência contribuiu para algum nível de mudança/melhoria da realidade alimentar e nutricional das pessoas envolvidas; e/ou gerou experiência/conhecimento que pode contribuir para a prática de EAN em outros momentos e realidades
Sim, pois pois por considerar a transversalidade do ensino e participação de diferentes atores contribui para a modificação do estado nutricional dos alunos, bem como seus hábitos alimentares, além de incentivar os docentes a aderir as propostas por terem apoio e conhecimentos fornecidos na formação. É possível desenvolver as propostas em outros locais da área educacional, bem como outros setores relacionados a alimentação e nutrição, uma vez que possui estratégias intersetoriais, sobretudo no E-book desenvolvido para formação docente.

4. RELATO RESUMIDO DA EXPERIÊNCIA

Relato resumido da experiência
Os professores são os principais responsáveis pela abordagem dos conteúdos na sala de aula, no entanto ainda encontram dificuldades em relação a abordagem transversal de alguns assuntos, por exemplo a Educação Alimentar e Nutricional (EAN). Desde 2018, há obrigatoriedade de esse tema ser tratado nas escolas, em conformidade com a Lei nº 13666/2018, bem como pela Resolução FNDE nº 6/2020 e reforçado pela Nota Técnica nº 2810740/2022/COSAN/CGPAE/DIRAE. Dessa forma, em uma proposta de produção de elaboração de produto educacional para o Mestrado Profissional em Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente foi desenvolvida e executada uma formação docente sobre a Educação Alimentar e Nutricional, enquanto tema contemporâneo transversal entre professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental do município de Raul Soares/MG. Para tanto, realizou-se uma pesquisa bibliográfica e documental para embasar a formação sobre a EAN, constituindo-se como um produto educacional, um Guia de Formação Continuada em Educação Alimentar e Nutricional, intitulado “Propostas de atividades para a prática pedagógica em Educação Alimentar e Nutricional” com sugestões de metodologias para prática de EAN em escolas. A formação continuada se deu por meio da Plataforma Google Meet, pois ocorreu no período de isolamento social da pandemia do novo Coronavírus. A duração foi de 1 hora e 40 minutos e obteve a participação de 41,67% do público-alvo. Primeiramente, houve a acolhida dos participantes, para em seguida, ser realizada a formação, em conformidade com as instruções do Guia. Ocorreu a apresentação de alguns recursos digitais, seguida da execução da primeira atividade coletiva, a elaboração do conceito de EAN por meio da metodologia Brainstorming, e, após, a realização de uma aula expositiva e dialogada mediante a utilização de slides com informações da pesquisa bibliográfica e documental. Por fim, os docentes foram convidados a elaborar coletivamente um Mapa Mental sobre um tema geral relacionado à EAN, objetivando verificar a compreensão da proposta formativa como uma abordagem interdisciplinar da EAN, por meio de estratégias que envolvem diferentes disciplinas e correspondem ao cotidiano dos alunos. Já com o retorno das aulas de forma presencial e considerando as elevadas queixas de falta de adesão aos cardápios, bem como elevação do número de alunos com sobrepeso/obesidade vem sendo elaborados projetos de EAN, considerando a formação de hábitos alimentares saudáveis, resgate de preparações locais e outros temas relacionados a EAN, visando contribuir para melhorias na alimentação dos alunos e incentivo a participação familiar nas propostas. Foram, então desenvolvidas estratégias baseadas em metodologias ativas para abordagem dos temas dentre os quais, alimentação saudável, preparações tradicionais (folclore), visitas técnicas, gamificação, storytelling, exposição/feiras, etc. Dessa forma, a formação se mostra eficaz para abordar a EAN e o Guia é um recurso para incentivo de sua abordagem na sala de aula.

5. DOCUMENTOS

5.1 Campo para inserção de arquivo de imagens que documentaram a experiência
Campo para inserção de arquivo de documentos produzidos relacionados à experiência