APSREDES

APS Redes

CTA Carlos Ribeiro - Fortaleza (CE)

R. Jacinto Matos, 944 – Jacarecanga, Fortaleza – CE, 60310-210

Em 17 de julho de 1996, foi inaugurado o COAS no posto de Saúde Carlos Ribeiro em Fortaleza, com a proposta de oferecer mais uma alternativa para a testagem da população que desejasse realizar os testes sorológicos de forma anônima, passando pelo processo de aconselhamento pré e pós teste e recebendo orientações específicas quanto aos testes que iria realizar, bem como sobre estratégias de prevenção a serem adotadas para tentar conter a expansão da epidemia de Aids no município. A proposta de anonimato em relação ao teste e o aconselhamento rapidamente tornaram o serviço uma referência para usuários, principalmente aqueles que estavam inseridos em grupos mais vulneráveis, como também para profissionais da rede municipal de saúde que eram direcionados ao serviço para capacitações sobre o tema.

Dois anos depois, em 1997, o Ministério da Saúde muda o nome dos serviços de COAS para CTA, centro de testagem e aconselhamento, focando cada vez mais na testagem e no aconselhamento como estratégias de prevenção direcionada tanto para as populações com maior prevalência para o HIV, como para a população geral.

As ações desenvolvidas pelo CTA/SAE Carlos Ribeiro se estruturaram semelhante às desenvolvidas por outros serviços no Brasil, com o aconselhamento pré e pós teste e a realização de exames sorológicos por punção venosa até o ano de 2009, quando começaram a ser utilizados os testes rápidos para HIV por punção digital e posteriormente os testes rápidos para sífilis e hepatites B e C.

Todos os casos diagnosticados de HIV em Fortaleza eram absorvidos, até 2009, em quatro Serviços Ambulatoriais Especializados (SAE) municipais e no Hospital São José (gestão estadual). No entanto, com a inclusão da tecnologia da testagem rápida no CTA/SAE Carlos Ribeiro e sua expansão gradativa para as UAPS, tivemos ampliação do acesso às testagens, e consequentemente uma elevação no número de diagnósticos para HIV, o que demandou da gestão municipal resolutividade para inclusão dos novos caso. Nesse sentido, foram implantados mais cinco CTA/SAE no município de Fortaleza entre os anos de 2010 a 2013, essa ampliação faz parte do processo de descentralização do atendimento às pessoas vivendo com HIV ou Aids que se iniciou em 2006, em Fortaleza. Até então, todos os atendimentos eram concentrados no Hospital São José, de gestão estadual.

Hoje, contamos com nove CTA/SAE, sendo sete vinculados a serviços municipais: Hospital Distrital Gonzaguinha de Messejana, Policlínica João Randal Pompeu, Hospital Distrital Gonzaguinha do José Walter, Hospital Nossa Senhora da Conceição, UAPS Anastácio Magalhães , Hospital Zilda Arns Neuman e o CTA/SAE Carlos Ribeiro, e dois vinculados a universidades: SAE NAMI – Universidade de Fortaleza e SAE Christus – Uni Christus. A implantação do atendimento de pessoas vivendo com HIV/Aids no CTA/SAE Carlos Ribeiro, no ano de 2012, ampliou a oferta de serviços e incluiu na sua rotina de funcionamento, outros serviços para além das suas ações no aconselhamento e na testagem. O SAE/CTA Carlos Ribeiro incorporou o atendimento às IST e HIV aos serviços oferecidos pela unidade, manteve a proposta de capacitação de profissionais, bem como serve de base para pesquisas de instituições de ensino local. Porém, com as mudanças na política de enfrentamento ao HIV/Aids e às IST observados nas últimas décadas, novas formas de encarar a epidemia se fazem desafios presentes e necessários de serem superados. PEP, PrEP, matriciamento da atenção primária à saúde são os principais desafios propostos atualmente para o CTA.

Garantir o acesso cada vez mais rápido da população a estas novas abordagens de prevenção, bem como outras estratégias de prevenção combinada são metas em que o projeto de fortalecimento do CTA poderá trazer contribuição, possibilitando uma maior qualidade e agilidade no atendimento prestado à população.

A estrutura CTA/SAE Carlos Ribeiro conta hoje com a seguinte equipe de profissionais: dois médicos infectologistas (sendo um 04h/semanais e outro 12h/semanais) para atendimento às PVHA, um clínico geral (06h/semanais) para atendimento às IST, uma enfermeira (20h/semanais) exclusiva para o CTA/SAE e duas enfermeiras (40h/semanais) que se revezam entre o CTA e o SAE. O mesmo ocorre com as assistentes sociais, (sendo uma 20h/ semanais e outra 24h/semanais).

Conta-se ainda com uma psicóloga (24h/semanais) para atendimento às PVHS do SAE, duas recepcionistas (ambas de 20h/semanais) e um auxiliar administrativo (40h/semanais). O total de PVHA acompanhadas no CTA/SAE Carlos Ribeiro atualmente é de 1.481 pessoas (16/10/2019), o que já deixa o serviço com capacidade de atendimento de novos casos esgotada. Daí a importância de qualificar e potencializar as ações do CTA/SAE tornando-o mais integrado às ações dos serviços de atenção primária à saúde, o que garantirá maior agilidade na condução de casos novos de HIV ou outras IST, bem como a ampliação das ações de prevenção combinada.

A rede municipal de Fortaleza conta com 09 serviços de saúde de atendimento especializado para PVHA, sendo 07 municipais e 02 em parcerias com universidades particulares, além da cobertura de 70% de Saúde da Família. Esses serviços atendem atualmente 7858 pessoas vivendo com HIV/Aids e outras IST (16/10/2019).

Fotografias